FUSCA COMPLETA 70 ANOS NO BRASIL

Por Thiago Braga

Quem teve a oportunidade de avistar um fusca correndo pelas ruas? O modelo original surgiu no Brasil na década de 50. Novidade da época. Sonho de consumo para dezenas de trabalhadores. O automóvel saía do parque industrial da Volkswagen SA., no ABC Paulista. “Lindo de se vê”. Dali, seguia para o mercado interno, onde o comprador podia enxergar com seus próprios olhos, o brilho do veículo que encantou gerações. Da cadeira estofada ao “painel de luxo”. Macio, elegante, jeito sutil, bem feito. E o ronco do motor?! Um carro resistente, ao sol e a chuva, oferecendo conforto.

Figura caricata. Não escapou de charges, na qual “índio sem saber dirigir pega no volante” e “saci toca a buzina”. Foi usado como meio de transporte para ronda escolar, ambulância, viatura de polícia, táxi, carro de circo (anúncio). Tê – lo na garagem, privilégio de poucos, depois usufruto da maioria dos brasileiros. Capa de gibis, estórias em quadrinhos e seriados de tv. Hoje, havemos de encontrá – lo em casa de colecionadores, feiras de negócios, leilões ou motoristas “a moda antiga”. Paixão que resiste ao tempo. Não se fabrica mais o “velho carrinho”, que em tempo pretérito era “disputado” nos grandes centros. Já esteve no ranking dos carros mais vendidos no país. Ganhava com folga do concorrente “opala” (GM/68). Despertou cobiça e “desejo de posse”. “Super tudo”. Atendia a necessidade do transeunte, na correria diária, casa – trabalho, passeio e lazer.

Lugares popularmente conhecidos, como Praça da Sé, Largo da Pólvora, Praça 14 Bis e Museu do Ipiranga, recebiam um tom de alegria pela presença do fusca, estacionado em baixo de alguma árvore de sombra e/ou nos espaços públicos. “Amigo de todas as horas”. Vencia com bravura o percurso na estrada. “O motor na frente”, chama – nos atenção pela boa forma de “agitar” a viagem. Estilo único. Marca indelével do capricho na fabricação do produto posto a venda. Valor sem igual para os amantes do “fusquinha”. Manteve o mesmo padrão de qualidade durante anos. Não mudou nem mesmo a calota do pneu borrachudo. Só nos resta lembrar do fusca!

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *