Mês: novembro 2020

Confiança do empresariado baiano cresce em novembro mas segue na zona de pessimismo

O Indicador de Confiança do Empresariado Baiano (ICEB), índice que avalia as expectativas do setor produtivo do estado, calculado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), apresentou, em novembro, um quadro de maior confiança comparativamente ao observado no mês anterior. Mas ainda segue na zona de pessimismo.

Numa escala que pode variar de -1.000 a 1.000 pontos, o ICEB marcou -153 pontos, revelando-se negativo pela nona vez consecutiva. A confiança do empresariado local, assim, manteve-se na zona de Pessimismo Moderado.

Com este avanço, o sexto após quatro retrocessos mensais consecutivos, o pessimismo diminuiu mais uma vez e a confiança empresarial manteve a trajetória de recuperação iniciada em junho.

Ainda conforme a SEI, o resultado em novembro representou uma alta de 31 pontos em relação ao registrado em outubro (-184 pontos). No entanto, num comparativo com o registrado um ano antes (-3 pontos), ocorreu uma piora de 150 pontos. Desde janeiro, a confiança acumula uma queda de 222 pontos.

A melhora no nível de confiança de outubro a novembro evidenciou o avanço nos indicadores de três das quatro atividades: Agropecuária, Indústria e Comércio. Apenas o setor de Serviços não apontou alta de um mês ao outro. No comparativo com o mesmo mês do ano passado, por outro lado, todas apresentaram recuo.

Do conjunto de itens avaliados, PIB estadual, crédito e PIB nacional apresentaram os indicadores de confiança em pior situação no mês. Em contrapartida, capacidade produtiva, vendas e exportação foram aqueles com as melhores expectativas do empresariado baiano.

Expectativa de vida dos baianos passa de 73,9 para 74,2 anos

A expectativa de vida dos baianos passou de 73,9 anos em 2018 para 74,2 anos em 2019. O aumento representa um acréscimo de três meses em um período de um ano. Os dados são da Tábuas Completas de Mortalidade de 2019, levantamento realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com o IBGE, isso quer dizer que uma pessoa que nasce na Bahia vive em média 74 anos, 2 meses e 12 dias, o que significa, 3 meses e 18 dias a mais do que quem nasceu em 2018.

Os dados revelam que homens e mulheres têm expectativa de vida diferentes, cenário que se mantém estável nos últimos anos.

Enquanto baianos vivem em média 70 anos (69,7 anos), baianas têm uma esperança de 80 anos (78 anos e 10 meses) de vida. O estado registrou a segunda maior diferença de esperança de vida entre homens e mulheres no país. Elas vivem 9,2 anos a mais do que eles.

IBGE

Segundo Mariana Viveiros, supervisora de Disseminação de Informação do Instituto Brasileiro de Geografia e Eestatística, os motivos são variados, e dependem da faixa etária.

“Esse cenário se repete no mundo inteiro. As mulheres, normalmente, têm uma esperança de vida e de sobrevida maior do que homens, afirma Mariana. “Sabemos que alguns fatores estão relacionados. Quando jovens, a taxa de mortalidade entre homens é bem maior. Há uma probabilidade relativamente grande de ele morrer jovem, seja por acidente ou morte violenta. Isto tem a ver com a cultura, como os meninos vivem, a forma que eles vivem, como eles percorrem a vida”, acrescentou a supervisora.

“Quando eles passam dessa fase, essa tendência diminui, mas eles continuam em desvantagem em relação às mulheres. Aos 75 anos de vida, a mulher tem uma esperança de viver mais de 4 anos em relação aos homens aqui na Bahia, e aí já têm outros fatores. Agora o que pesa mais é o cuidado com a própria saúde. Os homens são mais negligentes, e até doenças acabam vitimando mais eles do que elas”, complementou Mariana.

Dados do IBGE indicam que, em 2019, 84% das mulheres acima dos 65 anos já tinha ido ao médico, enquanto apenas 75% dos homens com a mesma idade o tinham feito. “Se você se cuida mais, as chances de você viver mais crescem”, pontuou Mariana Viveiros.

Além disso, entre os anos de 1980 e 2019, a chance de um baiano de 60 anos chegar aos 80 anos quase dobrou, com crescimento de 90,8%, e cerca de 6 em cada 10 idosos (580 a cada mil) passaram a ter essa possibilidade de viver mais.

Genética boa

As irmãs Nilza Maciel, de 92 anos, e Zilda Maciel, de 89 anos, professoras aposentadas residentes no bairro de Periperi, superaram as expectativas e atingiram uma longevidade maior do que a média dos baianos.

“Não sou igual ao que era quando jovem, mas a cabeça ainda dá para pensar, graças a Deus”, diz Nilza, entre risos. “Eu nunca tive uma doença sequer, nunca tive doença nenhuma. Sempre fui uma pessoa sadia e disposta, responsável com minha família, e eu tenho uma família muito boa, isso contribui muito”, avalia.

Irmã mais nova de Nilza, Zilda brincou quando perguntada sobre a idade: “Eu não gostei porque a essa altura a pessoa só vive de lembranças”, reclamou, sorridente. “Mas, graças a Deus, são lembranças boas”.

O cuidado com a pessoa idosa não passa despercebido por elas. “Tem que ter mais cuidado com os velhos porque eles dependem mais de cuidados. Tem velhos que têm mais assistência, mas têm uns que não têm, e sofrem muito porque não têm”, lembrou Zilda.

Prova de vida do INSS só será exigida em 2021

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) informou que não vai bloquear benefícios por falta de prova de vida até janeiro 2021 para os beneficiários que, em condições normais, precisariam ter realizado o recadastramento de senha entre março e novembro ou, ainda, fazer o procedimento em dezembro deste ano.

A prorrogação da liberação da exigência por novembro e dezembro deve ser oficializada nesta segunda-feira, 30, data em que estava prevista a retomada dos bloqueios. Normalmente prova de vida do INSS deve ser feita anualmente, na rede bancária, pelo beneficiário que recebe por meio de conta-corrente, poupança ou cartão magnético.

O segurado que quiser ou, eventualmente, for ao banco, poderá fazer a comprovação de que está vivo, segundo o INSS. O órgão ressalta que quem for a uma instituição bancária deve seguir os cuidados recomendados para evitar contágio do coronavírus. Pessoas do grupo de risco devem evitar sair de casa.

Quando a exigência for retomada, quem não comprovar que está vivo tem a renda bloqueada.

Colbert Martins é reeleito prefeito em Feira de Santana

Por Fernando Valverde/A Tarde

O atual prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins (MDB), foi reeleito no segundo turno das eleições neste dia (29/11)

O atual prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins (MDB), venceu o segundo turno das eleições neste domingo, 29 e consolidou sua reeleição no município. Com 100% das urnas apuradas, Colbert teve 54,42% da preferência do eleitorado contra 45,58% do deputado federal Zé Neto (PT) virando o resultado já que no primeiro turno, Zé Neto havia sido o candidato mais votado com 41,55% dos votos contra 38,18% do emedebista.

Após a consolidação da vitória, Colbert comemorou a reeleição e analisou o que considera ter sido determinante para superar o adversário neste segundo turno. “Eleições em dois turnos são duas eleições. A primeira terminou e nós precisamos fazer uma nova eleição, corrigir os rumos, atualizar determinadas propostas e projetos e ampliar o nosso trabalho. O que mais fizemos foi trabalhar duro e assim conseguimos ganhar em todas as zonas eleitorais”, afirmou.

Ainda de acordo com ele, os apoios recebidos para a disputa do pleito também tiveram grande importância para o resultado final. No segundo turno, Colbert contou com os apoios de José de Arimatéia (Republicanos), que apontou 4,86% nas urnas e de Carlos Geílson (Podemos) que registrou 4,40% além do apoio declarado do prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) e do prefeito eleito no primeiro turno Bruno Reis (DEM).

“Recebemos apoios importantes. Quero agradecer a todos inclusive ao prefeito ACM Neto que participou conosco das avaliações da campanha e no meu entendimento é um dos responsáveis por essa virada”, avaliou.

De acordo com o gestor, o grande desafio da Princesa do Sertão continuará sendo no âmbito da saúde. Com a pandemia da COVID-19 imputando sérias dificuldades aos municípios e à União, Colbert elencou a continuidade no combate ao vírus como primeira prioridade do novo mandato.

“Será um ano de desafio ainda maior e vamos ver como iremos adaptar as nossas dificuldades a essa nova realidade que não mudará muito a não que tenhamos a vacina. O primeiro objetivo será a saúde e torço muito para que as vacinas testadas funcionem. É a única saída para melhorar 2021”, avaliou.

“2022 já começou”

A derrota do PT nos dois pleitos do segundo turno no estado, Vitória da Conquista e Feira de Santana, e em outros importantes centros do país, foi vista por Colbert como uma “clara mostra de enfraquecimento do partido”. De acordo com o gestor, a atuação do prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, ACM Neto, foi determinante para a vitória nas duas cidades baianas e pode ser vista como o pontapé inicial para as eleições de 2022 onde especula-se que Neto será candidato ao Governo do Estado.

“O PT perdeu na Bahia em todas as cidades mais importantes do estado, não disputaram em São Paulo, perderam em Fortaleza, perderam em tudo que puderam perder. E aqui na Bahia, um dos estados mais fortes da sigla, o prefeito ACM Neto mostrou uma força muito importante e a sua capacidade de articulação se colocando como uma alternativa muito forte para 2022. Tenho a impressão de que essa eleição começou hoje”, avaliou.

Algo reforçado também por lideranças do estado que apoiaram o candidato do MDB no segundo turno. “Ficou claro que, em Feira e Conquista, a eleição foi estadualizada, já se transformando em uma prévia para a vitória do futuro governador da Bahia, ACM Neto”, disse o deputado estadual e líder da Oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), Sandro Régis (DEM). Algo reforçado pelo presidente estadual do mesmo partido, o deputado federal Paulo Azi. “Rui foi o grande derrotado da eleição. A Bahia deu o recado que não quer mais o PT”, apontou.

Colbert Martins Filho já foi deputado estadual e federal e disputou a Prefeitura de Feira de Santana por três vezes, sendo derrotado em todas. Em 2016, integrou a chapa de Zé Ronaldo como vice e assumiu o cargo em 2018 após o democrata entregar o cargo para disputar as eleições ao governo do estado.

Herzem Gusmão foi reeleito prefeito de Vitória da Conquista neste domingo (29/11)

A esq. prefeito reeleito de Condeúba Silvan Baleeiro (MDB), prefeito reeleito de Vitória da Conquista Herzem Gusmão (MDB) e o ex-prefeito de Condeúba Odílio da Silveira (PL).

Herzem Gusmão (MDB) foi eleito neste domingo (29), no segundo turno das eleições municipais, prefeito de Vitória da Conquista. Segundo a Justiça Eleitoral, com 100% das urnas apuradas, o candidato obteve 54% dos votos válidos, 166.223 votos. A vice-prefeita é Sheila Lemos (DEM).

A disputa foi acirrada desde o primeiro turno, apesar de ter saído na frente no primeiro turno, o petista José Raimundo, não conseguiu voltar ao posto de prefeito do município.

Quando a apuração do segundo turno começou, o candidato chegou a ficar na frente, mas logo foi ultrapassado pelo atual prefeito Herzem Gusmão.

Blogdosena

Veja vídeo da fala do prefeito Herzem Gusmão após o resultado de sua reeleição

Tragédia no Centro Sul Baiano | batida entre carro e carreta-cegonha deixa 2 mortos na BR-116

Foto: WhatsApp

Uma batida entre um carro e uma carreta-cegonha deixou duas pessoas mortas, na manhã deste domingo (29), na BR-116, entre os trechos de Jequié e Manoel Vitorino, no Centro Sul Baiano. Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um dos corpos das vítimas ficou carbonizado. Segundo informações da PRF, o acidente aconteceu por volta das 5h30min, no KM 690,4.

Após a batida entre os veículos, a carreta-cegonha, que carregava alguns carros novos, pegou fogo. A Polícia Rodoviária Federal informou que as duas vítimas, que estavam no carro, morreram no local. Uma das vítimas era um homem e a outra não teve o sexo identificado porque teve o corpo carbonizado.

Por causa do acidente, a pista foi interditada por policiais da PRF e foi liberada por volta das 8h30. O fogo foi controlado por equipes da ViaBahia Concessionária de Rodovias. Os corpos foram levados para ao Instituto Médico Legal de Jequié.

Barra da Estiva: Morre a ex-prefeita Ana Lúcia Aguiar Viana, aos 75 anos

Morreu na madrugada deste domingo (29), a ex-prefeita da cidade de Barra da Estiva, Ana Lúcia Aguiar Viana (PSD), mais conhecida como Dona Lúcia, aos 75 anos. Viana estava internada no Hospital da Bahia, em Salvador, mas a causa de sua morte ainda é desconhecida.

Ana foi prefeita da cidade de Barra da Estiva por dois mandatos. Nas eleições 2020, ela foi candidata a vice-prefeita na chapa de Alessandro Santos Pereira (PSD), o Bico, mas não foi eleita. Dona Lúcia é mãe do deputado estadual Marquinho Viana (PSB). O velório e o sepultamento vão ocorrer na cidade de Barra da Estiva.

Cordeiros: Morreu o Sr. Carlos José Soares aos 43 anos de idade

 

 

Sr. Carlos José Soares morreu aos 43 anos de idade

Morreu na madrugada deste domingo dia 29 de novembro de 2020 às 00h45min., o Sr. Carlos José Soares aos 43 anos de idade. Carlos havia sofrendo há algum tempo com um câncer, hoje não resistindo foi a óbito, ele era solteiro. Seu corpo está sendo velado na sua residencia Rua Joaquim José Nonato nº 028 Bairro Roberta Figueiredo em Cordeiros, seu corpo será sepultado hoje a tarde (19/11) às 15:00 horas no Cemitério Municipal Jardim da Saudade – Cordeiros.

Atendimento: FUNERÁRIA SÃO MATHEUS

Nós do Jornal Folha de Condeúba, deixamos nossos profundos sentimentos à querida família do Sr, Carlos José que se encontra enlutada, por essa perda irreparável deste ente tão querido. Que o bom Deus o tenha ao seu lado para a eternidade. Descanse em paz Senhor Carlos José.

Um em cada cinco pretos do Brasil estão sem emprego por causa da pandemia

A população de cor preta está sendo a mais atingida, nesta pandemia, com 1 a cada 5 sem emprego no trimestre encerrado no último mês setembro, o que representa uma alta de 41% na comparação com o mês de dezembro.

A situação também não é confortável para os pardos e para as mulheres. Apesar de maioria na sociedade, o sexo feminino perdeu participação no mercado.

Os números divulgados nesta sexta-feira, 27, pela Pnad Contínua do IBGE sobre o trimestre encerrado em setembro apontam que o desemprego no país chegou ao recorde de 14,6%, atingindo 14,1 milhões de brasileiros. Desses, 5,1 milhões são brancos, 1,7 milhões são pretos e 7,1 milhões são pardos.

A análise minuciosa dos dados aponta um cenário de desigualdade racial cada vez maior. Pretos e pardos são, respectivamente, 12,6% e 50,5% dos desocupados, apesar de representarem 9,1% e 45,5% dos brasileiros.

O desemprego entre pretos atingiu a 19,1%, uma alta de 41,4% na comparação com dezembro, último trimestre sem sentir os efeitos da pandemia, quando o índice estava em 14,9%. O crescimento é superior ao dos pardos —que passou de 12,6% para 16,5%— e dos brancos, que variou de 8,7% a 11,8%.

É o maior índice da série histórica da Pnad Contínua, que calcula a desocupação oficial do país desde 2012.

Os pretos tiveram uma perda de 2,2 milhões de pessoas na força de trabalho, caindo de 9,7 milhões para 7,5 milhões no período. Com isso diminuíram a participação percentual entre as pessoas empregadas, de 10,3%. O mesmo houve com pardos, com uma redução de 44,3% para 43,5% (5,9 milhões de pessoas).

Daniel Duque, do FGV-Ibre, disse que a redução pela metade no auxílio emergencial viabilizou a inflar os números do desemprego, já que as pessoas se sentem na obrigação de procurar uma ocupação.

“Com isso entra a população preta e parda, que tinha saído da força de trabalho e quando volta não encontra empregos”, finalizou.