Categoria: Economia

Sebrae promove capacitações em desenvolvimento e empreendedorismo em cidades do sudoeste baiano

Elaborar um plano de desenvolvimento na área do empreendedorismo para os municípios da região sudoeste do estado. Esse tem sido o principal objetivo do projeto Cidades Empreendedoras, desenvolvido pelo Sebrae. O projeto oferece consultoria aos municípios para incentivar o crescimento no mercado empreendedor, contribuindo para avanço na economia dessas cidades.

Visando capacitar os agentes de desenvolvimento atendidos pelo projeto – sejam eles secretários municipais ou qualquer funcionário do município que esteja ligado aos temas abordados – o Sebrae está oferecendo um curso online, gratuito, para colaborar com o segmento empreendedor.

As capacitações estão sendo oferecidas em cinco temáticas: Políticas Públicas, com o objetivo de capacitar os agentes de desenvolvimento a fornecer iniciativas municipais que colaborem com o setor; Sala + Empreendedora, que aborda como esses municípios podem explorar melhor as atividades da Sala do Empreendedor; Compras de A a Z, que visa ensinar como estruturar licitações e viabilizar compras dentro do próprio município; Campo e Empreendedor, temática que busca fazer uma ligação das ações do campo a realidade empreendedora; e ainda Territórios Criativos, que deve ensinar aos agentes como as cidades podem se tornar mais independentes na busca de oportunidades para seu autodesenvolvimento.

Participam do curso 13 municípios da região sudoeste que estão construindo o plano de desenvolvimento em parceria com o Sebrae. As aulas estão sendo oferecidas por representantes do Sebrae Bahia, 100% online, com dois encontros semanais para abordar cada tema. O curso segue até o dia 12 de agosto.

74% dos investidores brasileiros estão otimistas com a economia

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Os investidores brasileiros se tornaram mais otimistas com a economia do País no segundo trimestre, mostra a pesquisa de Sentimento dos Investidores do banco suíço UBS. A proporção dos que se declaram otimistas cresceu de 64% no primeiro trimestre do ano para 74% no segundo, enquanto a razão dos que se declaram pessimistas caiu de 22% para 17% no período.

As principais fontes de otimismo mencionadas pelos investidores foram a vacinação contra a covid-19 (68%), impacto da exportação de commodities (56%) e crescimento mais forte do Produto Interno Bruto (53%). Na outra ponta, as fontes de preocupação são a inflação alta (61%), taxas de juros maiores (56%) e racionamento de energia devido aos baixos níveis dos reservatórios (47%).

Para 79% dos investidores, a expectativa é de que a inflação continue a crescer em ritmo similar ou mais rápido nos próximos 12 meses. Ao todo, 64% acreditam que a inflação deve atingir 5% ou mais ao longo desse período, e 84% dos investidores preveem crescimento das taxas de juros nos próximos dois anos. Para lidar com a inflação mais alta, 44% dos investidores planejam comprar ações; 40% falam em elevar investimentos sustentáveis; e 39%, em comprar bens imóveis.

Apesar do aumento do otimismo com a economia do País, oito em cada dez investidores ainda citam o ambiente político como ameaça às suas metas financeiras. Entre as principais preocupações, também são citadas novas ondas da pandemia de covid-19 (77%) e aumento de impostos (73%).

Ao todo, 79% dos investidores brasileiros se dizem otimistas com os retornos de seus investimentos nos próximos seis meses e 84% se dizem otimistas com os índices de mercados globais no período. Segundo a pesquisa, 61% dos investidores planejam aumentar a alocação de capital, 30% esperam manter no nível atual, e 9% preveem uma contração.

Caixa anuncia concurso público e abertura de 10 mil vagas de emprego

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta segunda-feira (19) vagas para 10 mil novos colaboradores. O plano faz parte de um programa de expansão que prevê abertura de 250 novas agências até o final deste ano.

Do total, está nos planos contratar 4 mil empregados, sendo 3 mil deles convocados do concurso vigente. Cabe, ainda, a autorização da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest).

Banco do Povo Conquista agradece trajetória de parceria, reafirmada pelo Governo Municipal

Secom/PMVCNa manhã desta segunda-feira (19), a prefeita Sheila Lemos recebeu representantes do Banco do Povo de Vitória da Conquista, que vieram se apresentar e reforçar a parceria com o Governo Municipal. O encontro foi intermediado pelo vereador Valdemir Dias (PT) e também contou com a presença do secretário Chefe do Gabinete Civil, Lucas Dias, e do secretário municipal de Finanças, Jonas Sala.

“O microcrédito tem grande importância na economia e o Banco do Povo tem desempenhado um papel muito relevante, não apenas em Vitória da Conquista, mas na região Sudoeste. Parabenizamos a instituição por seu trabalho e nos disponibilizamos a continuar essa parceria, para que, cada vez, mais nosso município gere novas oportunidades de renda”, afirmou Sheila.

Neste ano, o Banco do Povo completou 21 anos de atuação, e a Prefeitura tem um papel fundamental nessa história. Em 1999, o Governo Municipal fez um aporte de R$ 150 mil à instituição, dando o pontapé para o início das atividades. Hoje, o Banco do Povo já ultrapassou R$ 99 milhões em empréstimos, com mais de 38 mil beneficiários.

A presidente Flávia Viana reconheceu e agradeceu ao importante apoio. “A nossa instituição nasceu a partir da Prefeitura, que no início aportou para a gente 150 mil reais, para que pudéssemos emprestar ao microempreendedor, às pequenas empresas, ao pequeno barraqueiro, àqueles que estão na ponta, no dia a dia, e muitas vezes não têm acesso a um banco, a uma instituição financeira para um tomar um empréstimo e começar o seu negócio”, contou Flávia.

O vereador Valdemir Dias destacou a importância do encontro e da reafirmação da parceria por parte da prefeita Sheila Lemos. “Esperamos que o Banco do Povo tenha vida longa, afinal, ele faz com que a economia local seja movimentada por meio dos empréstimos solidário”, disse o vereador.

FINANÇAS: Vem aí o real digital

Cláudio Gradilone

Banco Central prepara o lançamento de uma versão inteligente da moeda brasileira. Ela pode revolucionar nossas transações financeiras.O Banco Central do Brasil (BC) tem sido o principal vetor de modernização da economia brasileira. As iniciativas mais visíveis são o Pix e o Open Bank. O Pix é um sistema de transações gratuitas e instantâneas. O Open Bank (ou Open Finance, em sentido mais amplo) tornará o perfil financeiro dos cidadãos acessível a todos os bancos, aumentando a concorrência do setor. Agora, o BC prepara uma autêntica revolução, com o lançamento do real digital. É mais simples explicá-lo por meio de uma comparação com o que já existe. Ele não será nem como os reais que estão na carteira e na conta corrente do banco. Tampouco será como o bitcoin.

“O real digital ainda está em fase de discussão, e ele pertencerá a uma nova categoria de moedas, as Central Bank Digital Currencies (CBDCs)”, disse à DINHEIRO o coordenador dos trabalhos do real digital do BC, Fabio Araujo. Como o assunto ainda está em discussão, não há muitos pormenores de como será o funcionamento no dia a dia. O que já se sabe é que o real digital vai “conversar” com os sistemas que já existem e poderá servir também para a internacionalização da economia brasileira (leia mais no quadro “Perguntas e respostas”).

A principal diferença entre o real digital e o bitcoin está na produção. O bitcoin é minerado, ou seja, emitido por qualquer pessoa. O real digital será fabricado no Banco Central e só será entregue aos cidadãos em troca de reais “tradicionais”. Ele terá funções como permitir pagamentos na internet das coisas (IoT). Explicando. Eletrodomésticos “inteligentes”, como uma máquina de lavar ou uma geladeira, podem “perceber” que os estoques domésticos de sabão em pó ou de leite estão baixos. Pela IoT, elas podem “conversar” com varejistas e encomendar esses produtos, que serão entregues na residência do consumidor. Continue lendo

Projeto do polo têxtil de Vitória da Conquista é apresentado a empresários do setor

Secom/PMVCVinte empresários do ramo têxtil de Vitória da Conquista foram convidados para conhecer o projeto de implantação do polo têxtil na cidade e colaborar com esse processo. O encontro foi promovido pela Secretaria Municipal de Trabalho, Renda e Desenvolvimento Econômico (Semtre) nessa quinta-feira (15).

O projeto já havia sido apresentado no dia 14 de junho, pelo consultor e professor Kanji Kato, um dos maiores especialistas da América do Sul na área têxtil. Ele esteve em Vitória da Conquista para conduzir uma palestra sobre os benefícios da implantação do polo na cidade, reunindo empreendedores, autoridades públicas e entidades representativas do setor produtivo.

“Deu uma repercussão enorme. Estamos falando na largada de um polo têxtil que, embora seja um empreendimento a médio prazo – são 18 meses para sua consecução, estamos em fase ainda de anteprojeto ainda – ele sairá com nove mil empregos diretos. Então muita gente se interessou”, explicou o secretário da Semtre, Marcos Ferreira, sobre a necessidade de realizar mais um encontro para tratar do assunto, com empresários que não puderam participar do evento anterior.

O coordenador de Apoio à Indústria e Comércio, Paulo Williams, conduziu a apresentação. “Houve um debate efetivo sobre o tema, com consequências e oportunidades para os empresários já instalados, que sempre acreditaram em Vitória da Conquista, e que serão cuidadosamente tratados nesse momento de implantação do polo têxtil”, afirmou.

Os participantes reconheceram a iniciativa pioneira da atual gestão. “Em 35 anos de empresa, pela primeira vez nós somos chamados para ser escutados pelo poder público. Então, parabéns à Prefeitura, não tenho dúvidas do sucesso disso”, declarou o empresário Ricardo Teles. “A confecção de Conquista sempre foi muito forte, só não era reconhecida”, completou.

“O polo têxtil já é um sonho das empresas de Vitória da Conquista. Estamos no mercado há mais de 15 anos, e ter essa aproximação do setor municipal, esse olhar para a indústria, é de grande importância. Traz uma soma muito positiva para esse setor, agregando cada vez mais à indústria, pois já é uma aptidão de Vitória da Conquista o setor têxtil”, avaliou a empresária Joana Rosa da Silva.

Reforma Tributária: mudanças na tributação do Imposto de Renda devem aumentar arrecadação em mais de R$ 6 bi até 2024

Fonte: Brasil 61A segunda fase da reforma tributária que o governo enviou ao Congresso Nacional pode aumentar a arrecadação federal em R$ 6,15 bilhões até 2024. A estimativa foi divulgada pela Receita Federal, nesta segunda-feira (12), e leva em conta as alterações propostas para o Imposto de Renda de pessoas físicas, empresas e investimentos.

Segundo a Receita, as modificações vão reforçar os cofres públicos em R$ 2,47 bilhões já no próximo ano, R$ 1,6 bilhão em 2023 e R$ 2,08 bilhões em 2024. Apesar do aumento de arrecadação, o órgão insiste em dizer que o impacto da proposta é mínimo e não representará aumento da carga tributária, ao contrário do que dizem empresários e líderes de alguns partidos.

Sobre as pessoas físicas, a proposta deve reduzir a carga tributária em R$ 43,4 bilhões nos próximos três anos. A perda de receita será compensada com a criação de uma alíquota de 20% sobre dividendos e com o fim da dedução na distribuição de juros sobre capital próprio. Tais medidas vão render cerca de R$ 38,3 bi no mesmo período.

Já as mudanças na tributação sobre o mercado financeiro e sobre os ganhos de capital na venda de imóveis devem aumentar a arrecadação em R$ 11,87 bilhões.

Levantamento prevê que a Bahia deve bater novo recorde de safra de grãos em 2021

Foto: Divulgação/Seagri

Um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) prevê aumento de 4,1% na safra de cereais, oleaginosas e leguminosas este ano em comparação com 2020. Com isso, o estado deve bater o recorde atual de safra.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (8), e correspondem ao mês de junho. Se a estimativa se concretizar, a Bahia terá, em 2021, a sétima maior produção de grãos do país, respondendo por 4,1% do total nacional. Ainda segundo a pesquisa, o estado deve chegar a mais de 10, 4 milhões de toneladas em 2021.

Se confirmado, o total representa o segundo recorde seguido, já que em 2020 a Bahia atingiu a maior safra registrada de toda a série histórica, que foi de 10 milhões de toneladas.

O destaque é para a produção de soja, que deve ter aumento de 12,6% em comparação com o ano passado. Na safra de milho, o crescimento deve ser de 5,5 %. A previsão também é otimista para outros itens, como cana-de-açúcar, castanha de caju, banana e batata.

Vitória da Conquista conta desde maio com uma unidade do Núcleo de Acesso ao Crédito da FIEB que apoia empresários na contratação de crédito

Seis municípios do interior do Estado contam desde maio com um novo serviço da Federação Indústrias do Estado da Bahia (FIEB). Em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC/FIEB) está funcionando nos municípios de Vitória da Conquista, Feira de Santana, Ilhéus, Jequié, Barreiras e Juazeiro. A iniciativa faz parte das ações do Projeto de Apoio à Competividade das Micro e Pequenas Empresas na Bahia, desenvolvido pelas duas entidades, e marca a interiorização do acesso ao crédito e a ampliação do NAC/FIEB, que até então funcionava apenas em Salvador.

O objetivo do NAC é potencializar o acesso ao crédito pelas micro e pequenas empresas e assessorá-las para que tenham acesso a todas as informações, incluindo documentação, linhas de crédito disponíveis no mercado, dentre outras. Além disso, a FIEB realiza capacitações, distribui cartilhas informativas e atua na interlocução com as instituições financeiras parceiras.

A implantação de unidades do NAC/FIEB no interior chega em um momento crucial para os pequenos empreendimentos, face ao recrudescimento da crise econômica gerada pela pandemia. Ana Paula Almeida, gestora do NAC, destaca o papel do crédito para as micro e pequenas indústrias. “No atual contexto econômico, é crucial para suprir as necessidades do dia a dia, para girar o negócio e ampliar perspectivas de investimento, em especial, na manutenção e expansão das atividades industriais”, lembra.

De acordo com Ana Paula, a necessidade de crédito se acentuou de maneira vertiginosa, ao mesmo tempo em que a dificuldade de acesso ao crédito tornou-se um dos principais entraves à sobrevivência dos micro e pequenos empreendimentos baianos.

O gerente da Unidade de Projetos Especiais Mercado e Internacionalização do Sebrae Bahia, Vitor Lopes, ressalta a importância de o empresário, aliado ao acesso a crédito, ter também acesso a capacitação para que possa aplicar o recurso da melhor maneira. “Sabemos da relevância do crédito para as micro e pequenas empresas, sobretudo nesse período de pandemia. Nesse sentido, a aproximação entre as instituições financeiras e o empresário é fundamental”, pontua.

Novos preços dos combustíveis passam a valer em todo o Brasil

Brasil 61

A Petrobras anunciou esta semana o aumento do preço de derivados de petróleo, segundo a estatal, os reajustes acompanham a elevação dos patamares internacionais de preços da commodity e derivados. Já passaram a valer os novos preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha (GLP) nas refinarias, o novo valor do preço do gás natural (GNV) vendido às distribuidoras passará a valer a partir de 1º de agosto.

Para a gasolina, o aumento médio será de R$ 0,16 (6,3%), fazendo com que o litro do combustível saia de R$ 2,53 e chegue a R$ 2,69 nas refinarias. Já o diesel terá um reajuste médio de R$ 0,10 (3,7%) por litro, que passará a custar R$ 2,8. Já o preço médio de venda do GLP para as distribuidoras passará a ser de R$ 3,60 por kg, refletindo um aumento médio de R$ 0,20 por kg. Já para o gás natural, o reajuste será de 7%.

É o décimo-quinto aumento consecutivo no preço do gás de cozinha nas refinarias da Petrobras, após um período de queda no início da pandemia. Desde o início do governo Bolsonaro, o produto vendido pela estatal acumula alta de 66%.