Golpe no WhatsApp atinge 1 milhão no Brasil e promete cupom de R$ 350 no Bolsa Família

Foto: Reprodução

Um novo golpe que circula no WhatsApp atrai vítimas usando como pretexto um falso cupom de material escolar supostamente ligado ao Bolsa Família. Segundo o laboratório de segurança digital dfndr lab, da PSafe, os links que acompanham a mensagem já foram acessados por mais de 1 milhão de pessoas desde o dia 15 de janeiro, quando foram detectados pela primeira vez.

O número equivale a uma média de 70 mil novos usuários afetados por dia. Em comunicado, a Secretaria Especial de Desenvolvimento Social informou que a informação é falsa. O ataque é direcionado a beneficiários do programa social e se aproveita do período de volta às aulas de 2020 para prometer um vale de R$ 350. “BOLSA ESCOLA 2020:

Quem tem Bolsa Família o Governo Federal está dando um bônus de até R$350,00 para comprar material escolar 2020. Confira se você tem direito ao benefício”, diz a mensagem que circula pelas redes. A Secretaria Especial de Desenvolvimento Social emitiu comunicado alertando que a informação é falsa.

Há um Projeto de Lei que prevê um benefício semelhante, mas que se encontra em tramitação — ou seja, ainda não foi aprovado. A nota oficial disse também que “na página do Ministério da Cidadania há informações atualizadas sobre o Programa Bolsa Família e sobre outros programas sociais do Governo Federal”.

De acordo com o Tech Tudo, o golpe segue o padrão de outras fraudes semelhantes que costumam se alastrar pelo WhatsApp. O usuário recebe uma mensagem que busca pescar a atenção do usuário oferecendo o suposto voucher de R$ 350 para compra de materiais e traz um link. Ao clicar, a pessoa é levada para uma página externa em que o ataque é, de fato, realizado.

As vítimas são levadas a responder um questionário de três perguntas, com as questões “Você já tem o Bolsa Família?”, “Você está com seu cadastro em dia?” e “Possui cartão cidadão para realizar o saque do benefício?”. Independentemente das respostas dadas, a página diz confirmar a existência do suposto benefício, mas, para liberá-lo, exige que a pessoa compartilhe o link com seus contatos. Esse tipo de estratégia é sempre realizado com o objetivo de proliferar o ataque rapidamente.

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail

Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.