Autor: Redação

Condeúba: As crianças buscando mais saber da nossa história

O Chefe de Gabinete Paulo Henrique juntamente com a vice-prefeita Mara Rúbia receberam a criançadinha no prédio Histórico da antiga Intendência

Nessa semana que passou, tivemos um grande movimento no Paço Municipal com a presença de nossas crianças que desejaram aprender um pouco mais sobre nossa história. Quero agora programar com a professora Joandina a possibilidade de marcarmos um bate papo sobre a Coluna Prestes. professora Joandina sempre disposta a ajudar, já se comprometeu atender o pedido do amigo Paulo Henrique no segundo simestre deste ano.

Interpretamos a vida esperando a resposta madura daquilo que nosso ego atribuí

Por Edtattoo

Interpretamos a vida esperando a resposta madura daquilo que nosso ego atribuí.
Por onde deves caminhar o pensamento que se perdeu dentre os versos susurrados aos ouvidos meus?
Será que na cautela em pronunciar meu nome eu perdi parte da rima que me transporta pra outro tempo?
Em cada instante conheço mais sobre mim, e quanto mais me conheço compreendo que nada sei. 
Certamente não sou desse tempo, pois o passado me atrai, o futuro me conforta e o presente me modifica.

Condeúba: Morreu a Sra. Anelita Rosa de Lima conhecida como “dona Nita” aos 80 anos de idade

Sra. Anelita Rosa de Lima conhecida como “dona Nita”, morreu aos 80 anos de idade

Morreu na manhã desta segunda-feira dia 16 de maio de 2022 às 5:00 horas, a Sra. Anelita Rosa de Lima conhecida como “dona Nita” aos 80 anos de idade. Segundo informações de familiares, a causa morte foi problemas cardíaco. Nita deixou viúvo o Sr. Mário Pinheiro de Lima e 6 filhos Pedro Pinheiro de Lima, Sivaldo Pinheiro de Lima, Maria Pinheiro de Lima, Elza de Lima Almeida, Zenilde Pinheiro de Lima e Edna Pinheiro de Lima além de 9 netos e 1 bisneta. O corpo está sendo velado na sua residencia à Rua Amazonas 252 Paulo VI, o enterro será amanhã cedo (17), às 8:00 horas, no Cemitério Municipal Barão José Egídio de Moura e Albuquerque na sede.

Atendimento: FUNERÁRIA SÃO MATHEUS

Nós do jornal Folha de Condeúba deixamos nossos profundos sentimentos aos queridos familiares da Sra. Nita, por eles estarem passando essa terrível dor, pela perca irreparável desse ente tão querido! Que o bom Deus a tenha ao seu lado para eternidade. Descanse em paz Sra. Nita.

Conquista: Justiça Eleitoral ouve testemunhas em ação que pode mudar composição da Câmara de Vereadores

Nesta segunda-feira, 16, a Juíza de Direito Elke Beatriz Carneiro Pinto Rocha, da 39° Zona Eleitoral, ouve as testemunhas da ação judicial que pode cassar o mandato do Vereador Dinho dos Campinhos.
A denuncia por fraude na de gênero foi protocolada na Justiça Eleitoral pelo candidato a vereador do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Adão Albuquerque, ainda em 2020.
A acusação é que o PP, partido do Vereador Dinho dos Campinhos registrou candidatas “laranjas” para atingir a cota 35% de candidaturas femininas.
A audiência será realizada a partir das 9h, no Salão do Júri do Fórum João Mangabeira, com a presença das testemunhas indicadas pelas partes, dos advogados e dos representantes partidários.

AÇÃO DO PRTB

Ao passo que a ação do PP caminha na Justiça Eleitoral, a contra o PRTB, partido do Vereador Orlando Filho, aguarda somente os últimos detalhes para seu desfecho.
No dia 14 de abril, a Justiça ouviu as testemunhas dessa ação, onde o partido também é acusado de utilizar candidatas “laranjas” para atingir a conta de 35% de mulheres.
Se for favorável ao Ministério Público, Orlando Filho perde sua cadeira na Câmara e em seu lugar entra o atual Secretário de Gestão e Inovação, Edvaldo Ferreira Junior.

A Folha de Condeúba parabéniza Maetinga pelos seus 37º aniversário de emancipação política administrativa

Junto com a prefeita Aline Aguiar e seu esposo, o vice-prefeito Valdívio, vereadores, secretários municipais, lideranças políticas, os prefeitos Delci (Cordeiros), Phellipe Brito (ituaçu), ex-prefeito Hélio Gambá (Presidente Janio Quadros), o deputado Marquinho Viana (PV) marcou presença em todos os eventos comemorativos dos 37 anos de emancipação política do município (14/05/22).

Falta de trem prejudica mineração na Bahia


O cenário da mineração na Bahia, não está crescendo. O principal motivo dessa estagnação é a falta de estrutura de logística para o escoamento da produção, dificultando a ampliação do mercado de exportação.

Dados de contribuição tributária, por exemplo, colocam o estado entre os três maiores arrecadadores da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), mesmo assim, os modais de transporte de carga disponíveis estão aquém do progresso alcançado nos últimos anos.

Segundo o pesquisador e professor André Luis Melo, do Departamento de Engenharia de Transportes e Geodésia (DETG), da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia (UFBA), na ponta inicial do escoamento da produção de minério, o modal rodoviário se destaca pela facilidade de acesso e curtas distâncias ao processo de exploração e avanço da extração do minério nas minas.

Entretanto, durante o processo de vazão do minério, o modal ferroviário se apresenta com o foco no transporte de grandes volumes em médias ou longas distâncias, geralmente conectando as minas e os portos.

“Neste meio de caminho’, a ferrovia precisa de infraestruturas ao longo do trecho ferroviário para implantar desde estações ferroviárias, terminais de carga e descarga, postos de abastecimento e até mesmo oficinas de manutenção de material rodante.

São essas estruturas e respectivas operações que demandam mão-de-obra qualificada e, consequentemente, contribuem para o desenvolvimento da economia das localidades”, explicou o pesquisador. O abandono dos trilhos prejudica a logística comercial e gera desinvestimentos na malha.

Ao longo dos anos, foram desativados os trechos Senhor do Bonfim-Juazeiro/Petrolina, Esplanada-Propriá, Mapele-Calçada, e parcial no Porto de Aratu, o que corresponde à perda de mais de 620 km.

Registros da Agência Nacional de Mineração (ANM) indicam que a Bahia gerou R$ 175 milhões em arrecadação da CFEM, em 2021. Esse resultado representa um aumento de 86%, ante os 94 milhões registrados em 2020.

Tanto no setor da mineração quanto da agricultura, existe uma expectativa também sobre a finalização das obras e funcionamento da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), que vai ligar Ilhéus, no Sul da Bahia, ao Centro-Oeste para trazer a produção ao Porto Sul.

A ferrovia está dividida em três trechos, com mais de 1500 quilômetros. Segundo a ANTT, o primeiro trecho Ilhéus/BA – Caetité/BA, conta com mais de 75% de execução física da obra, que desde abril de 2021 é realizada pela Bahia Mineração S/A (Bamin).

A segunda etapa, que vai de Caetité/BA até Barreiras/BA, tem 45% das obras prontas e a terceira parte, Barreiras/BA – Figueirópolis/TO, ainda está na fase de revisão de estudos.

Para um estado de dimensões grandiosas como a Bahia, o transporte ferroviário de cargas é imprescindível, visto a sua capacidade de transportar grandes quantidades de produtos a granel, com eficiência energética e segurança.

Inscrições para o vestibular 2022 da Uesb terminam nesta segunda (16)


O período de inscrições para o Vestibular 2022 da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) termina nesta segunda-feira (16). Para participar é preciso se inscrever pela internet no site e efetuar o pagamento do boleto até a data de vencimento.

As provas serão realizadas nos dias 5 e 6 de junho, em Itapetinga, Jequié e Vitória da Conquista, cidades onde a Uesb possui campus.

Após quase dois anos de pandemia de Covid-19, a universidade retoma a realização do vestibular com novidades, como a realização das provas pelo Instituto Avalia e a oferta exclusiva de cursos pelo processo seletivo.

No vestibular deste ano, a Uesb oferece 1.264 vagas em 47 opções de cursos. A seleção conta também com a reserva de vagas e cotas adicionais.

Conquista: Péssima notícia neste domingo

Não é novidade que a situação econômica das famílias brasileiras está bem complicada. Todo santo dia o trabalhador se vira para dar conta das despesas, e falta operar um milagre na hora de ir ao supermercado fazer a feira da casa.

Mas quando a gente observa os dados em números, por meio das pesquisas levantadas, a gente tem uma dimensão melhor do quanto tudo está mais caro e porque temos essa sensação de que o salário escorre pelas mãos.

Um levantamento feito pelo Curso de Economia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, e divulgado neste mês de maio pela TV Sudoeste, mostra que de maio de 2017 para maio de 2022, cinco anos de intervalo, o preço da cesta básica aumentou em 58%.

Entre os itens que mais ficaram caros neste período está o a carne (acém) com aumento de 96%, a banana, uma das frutas mais típicas preferidas do brasileiro encareceu 83%, o tomate que já tem a fama de vilão subiu 72%, já o arroz e o feijão tiveram uma elevação de 63% nesse período.

E olha, os economistas não vislumbram um barateamento de itens básicos da cesta tão cedo. Até mesmo pelas altas recentes dos combustíveis, por exemplo.

ECONOMIA: Inflação se alastra, atinge 78% dos produtos, e famílias ficam sem saída

Fabrício de Castro – UOL, em BrasíliaAntes da pandemia, menos de 50% dos itens do IPCA haviam apresentado aumento de preços Imagem: Rahel Patrasso/Xinhua

A alta de preços no Brasil se espalhou pela economia nos últimos meses e já atinge praticamente oito de cada dez produtos que compõem o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), o indicador oficial de inflação. O IPCA atingiu 1,06% em abril, a maior taxa para o mês desde 1996. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que, no mês, o índice de difusão do IPCA foi de 78,3%, o maior desde janeiro de 2003 (85,9%).

O índice de difusão mede a quantidade de produtos e serviços, dentro do IPCA, que registrou inflação (alta de preços) em determinado mês. Se os preços do óleo de soja ou do arroz subirem, por exemplo, eles contribuem para a difusão mais alta. Atualmente, 377 estão na cesta de produtos monitorados pelo IBGE para medir a inflação.

Um reflexo do índice de difusão para o dia a dia das famílias é a dificuldade cada vez maior de fugir da alta de preços quando elas vão às compras. Além disso, o número grande de produtos com preços subindo pode realimentar a própria inflação.

Um dos principais exemplos é o do óleo diesel: como serve de insumo para o transporte, a alta do combustível acaba puxando outros preços, como os dos alimentos. Isso também vale para a energia elétrica.

“A energia está em tudo, então acaba encarecendo a formação de preços. Deixa tudo mais caro”, exemplifica o economista Fábio Romão, da consultoria econômica LCA. “Se você vai prestar um serviço, você usa a energia elétrica. Se vai fabricar algo, você também utiliza energia.”

Inflação espalhada entre produtos e serviços

Os números do IBGE mostram que a inflação foi se espalhando nos últimos meses. Em fevereiro de 2020 —antes do início da pandemia de covid-19— o indicador de difusão era de 49,3%. Caiu mais um pouco, chegando a 43% em maio de 2020. Mas passou a subir no mês seguinte, até atingir os atuais 78,3%.

A difusão é tanto consequência quanto causa da inflação elevada, explica o economista-chefe da Greenbay Investimentos, Flavio Serrano.

Há um processo de inflação um pouco mais persistente que o esperado inicialmente. Em um ambiente desses, começa a haver maior dispersão dos aumentos de preços. Assim, uma coisa leva à outra: uma inflação alta está produzindo uma difusão alta; e a difusão alta deve fazer com que a desaceleração da inflação seja mais lenta.
Flavio Serrano, economista-chefe da Greenbay

Em outras palavras, os produtos e serviços influenciam uns aos outros, e a inflação acaba se espalhando pelos diferentes itens. Neste ambiente, fica mais difícil promover substituições de produtos, porque quase tudo fica mais caro —sim, isso não é só uma sensação.

Em abril, por exemplo, a alcatra subiu 0,78%, e o patinho teve alta de 1,85%. Quem correu para o frango inteiro como alternativa pagou preços 2,39% mais altos. Nem quem abriu mão da carne e procurou o ovo de galinha teve alívio: ele subiu 2,19%.

Por que a inflação se espalhou?
O economista Fábio Romão, da LCA, explica que a inflação se espalhou em função de choques —eventos econômicos inesperados— ocorridos nos últimos meses.

Ele cita a pandemia de covid-19, que encareceu os preços das commodities (matérias-primas como soja, milho e petróleo) e dos insumos para setores específicos, como o automotivo. Além disso, houve eventos, como a seca, que ajudaram a encarecer os custos da energia e dos alimentos.

Mais recentemente, a guerra entre Rússia e Ucrânia voltou a impulsionar as commodities. Outro fator são os lockdowns (confinamentos) na China, que têm afetado o envio de mercadorias para outras partes do mundo, incluindo o Brasil.

“Os brasileiros também voltaram a circular pelas cidades [com o avanço da vacinação]. Então nossa demanda por serviços é maior, o que influencia os preços”, afirma. “Infelizmente, há pressões em todo lugar para onde olhamos.”

Até quando a inflação continuará espalhada?
A difusão deve começar a diminuir a partir do segundo semestre, segundo economistas. A alta da Selic (a taxa básica de juros), promovida pelo Banco Central, tende a fazer mais efeito sobre os preços.

Desde março do ano passado, o BC vem subindo a Selic para conter o IPCA. No período, a taxa básica passou de 2% para 12,75% ao ano. Com juros mais altos, o crédito também encarece e, no limite, o consumo diminui. O resultado é que as empresas ficam com menos espaço para remarcar preços.

Com a alta de juros, o BC não chancela reajustes de preços. Ou pelo menos faz com que o empresário que pensava em subir em R$ 100 algum preço aumente apenas em R$ 50. [A alta da Selic] É um remédio amargo, porque afeta a atividade econômica para, em um segundo momento, afetar os preços.
Fábio Romão, economista da LCA

Serrano, da Greenbay, espera um alívio no segundo semestre deste ano ou no início de 2023. “Vai chegar um momento em que a política monetária [alta da Selic pelo BC] vai começar a fazer efeito”, afirma. “Então, veremos a economia perdendo força e, com isso, as empresas terão menor capacidade de repasse de preços ao consumidor.”

Para o economista Mailson da Nóbrega, que foi ministro da Fazenda entre 1988 e 1990, com a difusão da alta de preços, a desaceleração da inflação será mais lenta. “Com índice de difusão dos preços acima de 70%, a inflação é mais resistente aos remédios [alta de juros]”, diz.

Brumado: TJ-BA suspende licitação que pretendia privatizar os serviços de água e esgoto no município


Em decisão na tarde deste sábado (14/05), o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), através da desembargadora Maria do Rosário Passos da Silva Calixto, atendeu pedido da Empresa Baiana e Águas e Saneamento (Embasa) e concedeu liminar em mandado de segurança suspendendo a licitação que pretendia privatizar os serviços de água e esgoto do município de Brumado por 30 anos.

A licitação estava marcada para acontecer nesta segunda-feira (16), às 9 horas, na sede da prefeitura. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Água e Esgoto no Estado da Bahia (Sindae).

Essa não é a primeira vez que o prefeito de Brumado, Eduardo Vasconcelos (Sem Partido), busca retirar esses serviços da Embasa e entrega-los à privatização. Em 2019 foi tentada uma licitação com o mesmo objetivo, contudo, o procedimento foi suspenso através de liminar e posteriormente cancelado pelo Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM-BA).

Inconformada, a prefeitura chegou a recorrer judicialmente, mas teve seus recursos indeferidos tanto no TCM quanto no Supremo Tribunal Federal (STF). O fato é que o STF já tem jurisprudência consolidada sobre esta matéria e entende que um município integrante de uma microrregião de saneamento não pode, isoladamente, decidir sobre a concessão desses serviços à inciativa privada.

Assim, essa licitação deveria passar pelo crivo e autorização do colegiado microrregional, o que o município de Brumado não fez. Conforme a decisão da desembargadora Maria do Rosário neste sábado, o município não cumpriu com uma série de requisitos legais para realização do certame, o que tornaria a licitação irregular. Continue lendo