Tag: Poesia

TERRA AMADA

O Poeta e Escritor condeubense Edson Silveira

Terra Amada

Oh, terra querida
Meu estado, minha vida,
Cuja capital é Salvador,
Bahia de infinito amor.

Cheia de lindas baianas,
Descendentes africanas…
É a diversidade e a mistura
De uma rica cultura.

Foste a primeira capital do país,
Importância que muitos não diz!
Terra de Jorge Amado,
Escritor arretado…
E do grande Anísio Teixeira
Protagonista da Educação brasileira.
Terra de Santa Dulce dos pobres,
Por cada gesto nobre…

Vale ressaltar nossos lindos litorais,
E nossas comidas tradicionais.
Êta Bahia,de Ilhéus e Salvador,
De um povo humilde e trabalhador.

A mais encantada do agreste
Um destaque em todo Nordeste.
Oh, terra amada
Tu és consagrada.

Salve, salve 2 de julho,
Salve, salve nossa Bahia!
Em sua independência, orgulho…
Seu Porto Seguro nos contagia!

Edson Silveira,
Condeúba- BAHIA.

Passo

POR Ed tattoo

Passo

Às vezes perdemos o passo e nesse embaraço compasso de laço sem culpa refaço o caminho que nos torna fraco. Por hora serve a lembrança na herança passada pois aqui a criança perdeu o riso.
Estabeleceu nesse novo tempo o castigo penoso que nos fere sem culpa, o pássaro abandonou o ninho à procura de abrigo .
É preciso encontrar a saída para cura de nós, pois somos rebeldes, imaturos e destrutíveis. Infinito é a equação do que definimos como tempo, esse introito nos leva a descoberta da realidade castradora que nos impede de seguir em frente, perdemos os pensadores e poetas no labirinto de nossas mentes, tornamo nos adultos, tristes e rebeldes.
Precisamos voltar a ser luz para formarmos o passo.
Aqui vinga a paixão fulminante que na insensatez reflete o ego que domina, a culpa nos desvia do caminho reto que na rebeldia do interesse alheio nos torna cegos.
Essa partida involuntária transmite para aquele que observa a paisagem tensa, e na sua fragilidade sentes a dor.
É preciso interpretar nas lacunas do dia as verdades, mergulhar para dentro de nós e reconhecendo que somos irmãos de um só tempo.

AMOR DO SERTÃO

 

 

 

 

 

 

AMOR DO SERTÃO

NO Pé de uma roseira
Nasceu um beija – flor
No beijo dessa menina
Nasceu o meu amor

Não vivo para pensar
Mas beijo pra te amar
Se vivo para sonhar
Não vejo você passar

Moro no Sertão
Não vejo confusão
Gosto de uma uva
Que vem de Condeúba

Com jeito safado e sereno
A boca molhada e pequena
Pegando areia no chão
Que sai do rio Gavião

Antônio Santana
Poeta

Tudo passa…

POR Paulo Henrique

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tudo passa…

Sabe aquela impressão de que temos tudo?
Ilusão nossa, pobre impressão
Nada temos neste mundo
Tudo vem e vai em um mistério profundo…

E quando acordamos e pisamos no solo?
Olhamos para o céu, para o horizonte…
E vem aquele desejo de eternidade aqui no mundo, já agora, de imediato
Isso é saudável? Nos faz bem?
Ilusão de almas, pensamento em vão, abstrato.

Nada aqui é eterno…
De graça recebemos e de graça devemos dar.
Somos os administradores do tempo presente
Somos os gestores de dons e talentos.

E os anos cruéis que não nos oferecem perdão
Vão virando as folhas do calendário em rápida ação
Mêses e semanas que vivenciamos
Tempos de alegrias, tempos de tristeza, tempos de missão

Será que valeu a pena?
Será que basta nascer, crescer e ser gente?
É preciso ser mais, bem mais
Precisamos ir além… Precisamos ser eternos também

E somos chamados a ficar em um mundo que passa
Ficar aqui depois que partirmos
Ficar em pensamento, em sentimento, com aquilo que nós fizemos

Não deixemos que tudo passe em vão
Vamos perceber a graça que permanece
A beleza do sagrado que prevalece
O eterno de um mundo passageiro, mas que será eterno em forma de prece que se eleva ao eterno da luz que tudo amanhece…

Eu nasci poucos anos depois do fim da última grande guerra

Texto: Adriana GiampietroEu nasci poucos anos depois do fim da última grande guerra, e desde pequena ouço falar que a Terceira Guerra Mundial provavelmente iria dizimar grande parte da raça humana.

Acho que chegamos nela e nem nos demos conta disso.

A diferença é que eu, na minha inocência, acreditava que seria uma briga de algum país rico, contra outro país rico, em busca de alguma riqueza maior ainda. Que esses países inventariam bombas terríveis e com toda força bélica iriam demonstrar quem era o mais forte… Errei… Errei feio…

Descobri que o país mais forte na terceira guerra mundial, não é o que tem mais armas de fogo. Não é o que investiu em força bélica, ou armamento nuclear.

O país que vai ganhar a guerra é aquele que soube investir na *ciência, na saúde e em sua infraestrutura hospitalar*, porque o inimigo não morre com um tiro, ele é invisível.

Mas, em uma coisa eu estava certa…Muitos vão morrer.

Essa guerra está aí para inverter valores.

Veja:

O petróleo, sem consumo, não vale nada, não é mais ouro negro como sempre disseram…

O ouro hoje é em gel, e transparente… E só serve pra desinfetar.

Shoppings fechados, lojas desertas. Pra que comprar, se ninguém vai ver a bota nova comprada na loja cara logo no lançamento da Coleção outono-inverno?

Carros caros que não saem das garagens. Viagens desmarcadas.

A Disney perdeu o encanto e o Donald, dessa vez o Trump, pede para que os americanos fiquem em casa.

Em todas as línguas a palavra mais falada é essa mesmo “casa”… Que ganha um novo significado, além de morada vira “abrigo”.

A muralha da China não impediu que o vírus se espalhasse. Deixamos todo o trabalho em cima das mesas e de um dia para o outro, tudo parou…

Tenho a sensação de que não me despedi de ninguém… Fico imaginando que eu não posso perder ninguém, nem ir embora desse mundo sem me despedir.

Será que abracei o suficiente? Será que disse a todos o quanto eu os amo… Não sei…

Essa Guerra me deixou sem chão, verdades tão óbvias apareceram e quebraram paradigmas.

Precisou que o mundo parasse e o vírus ameaçasse nossa sobrevivência para que os pais percebessem que educação se faz em casa. E que escolas são centros de socialização.

Que ensinar não é fácil e que professores são muito mais heróis do que aqueles que o cinema mostra.

Que os mitos estão nos hospitais, de máscaras e sem condições de trabalho e não no Planalto onde a idiotização das pessoas toma forma humana e sem escrúpulos.

Se você aprendeu com a sabedoria dos mais velhos, sorte a sua, o mundo depois dessa tsunami será mais jovem, com menos rugas e menos sábio…
Ou talvez a sabedoria apareça nesse tempo, desde que ele sirva para entendermos que viagens foram canceladas porque a grande viagem que deve ser feita é pra dentro de nós mesmos.

Para que você entenda que o importante não são os custos, mas os valores.

Que essa guerra sirva pra que você reveja seus conceitos, entenda que rico é o trabalhador, sem ele não existe riqueza.

Que sem o homem a natureza é mais feliz e o céu mais azul.

Que amigos usam a tecnologia pra se fazer perto, e que não existe distância para aqueles que se amam.

Que vencer uma guerra no sofá é uma bênção, e está em suas mãos. Sua casa é sua trincheira e na terceira guerra mundial a granada mais perigosa é água e sabão.

E quando passar, olhe pra essa quarentena e veja que ela foi apenas o tempo de incubação, que você precisou para renascer.

O SOFRIMENTO

POR Santana

 

 

 

 

 

 

O sofrimento é lento sem momento,
Não observa o tempo nem voa ao vento.
Ele é quieto e observa as pessoas de perto,
Esconde – se na dor da emoção e da razão.

O sofrimento é a dor do acontecimento,
É a chama do mundo do isolamento,
É uma tempestade de tormento,
É como uma torneira com vazamento.

O sofrimento é a prisão do pensamento,
É como a infelicidade sem idade, sem sociedade,
É como uma fuga para o centro do arrependimento,
É como a dor de um choro sem consolo de um tolo.

É como uma semente sem dente, sem gente.
O sofrimento é a antecipação do medo de viver!
Da violência que não para de fazer sofrer,
Do sofrimento que não deixa gente amanhecer!

Antônio Santana,
Escritor e poeta.

O MUNDO DE HOJE

 

 

 

 

 

 

 

 

De guerras, conflitos e de homens ricos
De pobres que jamais deixarão de ser pobres
Dos imperialismos, socialismos e capitalismos
Do social cara-de-pau onde tudo é natural

O mundo de hoje
Em que a globalização é a luz da razão
Onde o cidadão vale hum milhão
E para a fome não tem perdão

O mundo de hoje
Em que o estudante parou de pensar
O cristão perdeu a capacidade de incomodar
A turma do “toma lá da cá”

O mundo de hoje
Em que a estupidez e a ignorância
Ainda se alcançam
Numa pobreza de liderança

A balança já não balança
A intolerância já não tolera
O homem inconsciente avança para a guerra
A reza não cura e nem tortura

O mundo de hoje
Para o homem moderno e pós – moderno
Parece não existir céu ou inferno
Ainda que tudo termine em um cemitério.

Antônio Santana,
Escritor e poeta.

O amor deveria ser livre

por Edtattoo

O amor, deveria ser livre essa obra prima da criação que se divide em partes.
Como o homem moderno transborda se em ego e por entre as frestas do conhecimento pouco se faz.
De antemão a culpa revela a causa, rainha do tempo de dor.”A culpa.”
Refém do desespero quando bate a porta e o silêncio de suas vidas espalham fagulhas, as plumas brancas em meio a guerra psicológica transfere para si o resultado de um sentimento em fúria.
O amor, essa emoção nova nos fez entender que estamos em declínio, todos nós precisamos voltar à amar.

Nada melhor que sonhar

Paulo Henrique Cordeiro

Quando se sonha, se voa alto
Quando o sonho é bom, se torna realidade
É sonhando que se conquista
A tão sonhada felicidade
Que não murcha e nem se finda
Mas que perdura pra eternidade…

O sonho povoa uma imaginação
Conquista pessoas para uma sã ilusão
Alimenta o amor e atrai a paixão
O sonho é liberdade pra qualquer escravidão
É sonhando que se faz verdadeira transformação

Nada melhor que sonhar
O sonho é um grande remédio
O sonho nos permite viajar, ir longe, voar…
O sonho só nos pode encantar
Encher nossa alma, fazer-nos cantar.

O perdão consciente desfaz o mal adquirido ao largo dos anos

POR Edtattoo

O perdão consciente desfaz o mal adquirido ao largo dos anos, é de conhecimento humano o rebelar do transe quando sinta culpa.
Precisamos aprender a perdoar, buscar em nós o abrigo necessário que nos move ao desconhecido infinito de informações.
As dores e a melancolia transborda em febre daquele que ama o ego e dele não se afasta.
O homem perde o rumo de si mesmo pois não consegue compreender a maravilhosa oportunidade que esse plano oferece, matamos nossos sonhos e alimentamos nossos medos.
Contaminamos as belas coisas deixadas de favorecer o homem de bem, e nos enclausuramos diante da velocidade construída à beira do abismo.
Esse tempo tornou se mudo, atormentados estamos à procura da cura para alma cansada, aos pouco perdemos o rumo de casa, e a direção que nos leva a Deus.

WhatsApp chat