ESCOLA ANÍSIO TEIXEIRA EM JACARACI/BA, REDUZIDA A PÓ

Por Thiago Braga 

Tivemos a notícia lamentável da demolição da Escola Municipal Anísio Teixeira. O prédio de época que domina a paisagem, há de ficar, apenas, na lembrança dos habitantes de Jacaraci. Qual motivo? Péssimas condições físicas da estrutura. Basta ampla reforma, com o propósito de restaurar a construção, erguida na década de 30.

Uma fachada lindíssima, mantida até hoje, guarda o traço fino da arquitetura. Removê – lo dali, seria abri um hiato em plena zona urbana. Há laudo técnico que ateste risco de desabamento do prédio, ou que o mesmo, esteja comprometendo a segurança dos pedestres?! Se houver, precisa – se de placa colocada na frente da obra, tendo ainda referência à perícia feita pela defesa civil. Tal serviço precisa estar “às claras”, pois o contribuinte não é bobo.

Ali, funcionou o primeiro educandário do município. A região foi contemplada com a instalação deste, fazendo parte da rede educacional baiana que homenageia o bravo caetiteense (já citado no texto), tornando – se uma “sementinha” lançada no tempo. Seu nome original “Escolas Reunidas de Jacaraci”, havendo turma de meninos e meninas, separadamente, de acordo regra da inspetoria estadual.

Vimos, pelo lado de fora, apanhado de telhas sendo retiradas, além das janelas de vidro embaçadas pela poeira. O vizinho “Banheirão”, no Parque Duque de Caxias, relegado ao abandono, parece um “alçapão velho”, coberto de mato e sujeira na área de lazer. “Enfeia” a cidade, “desvalorizando” seu passado sócio – cultural.

Antes de mais nada, deveria ser feita AUDIÊNCIA PÚBLICA para apresentar a real motivação do ato, sendo o munícipe, perguntado se “pode ou não mexer no imóvel”. Cidadãos e cidadãs, eleitores ou não, como parte interessada no quórum. O poder público local, desconhecendo as diretrizes legais que vedam esse tipo de ação, a menos que disponha de matéria comprobatória, pretende “descer a picareta” em nossa querida “escolinha”.

Este centro de ensino, representa a memória viva de Jacaraci constituindo, assim, patrimônio histórico. Um pedaço de nossa história, está sendo apagado pela borracha da insensatez. Interesses puramente eleitoreiros. Cúmulo do absurdo! “Política do manda chuva” é coisa do passado. A opinião popular é a chave da administração pública. Isto, é claro, numa gestão ética. Temos que nos despedir daquela “belezura de casa”. Lamentavelmente!!!