Arquivos diários: 9 de março de 2019

Tragédia: Primas de 2 e 12 anos morrem após serem atropeladas por carro no sudoeste da Bahia

Foto: Giro Ipiaú

Uma criança de 2 anos e uma adolescente de 12, que eram primas, morreram atropeladas por um carro, na tarde desta sexta-feira (8), na cidade de Itagibá, no sudoeste da Bahia. Conforme a Polícia Civil, uma outra menina, de 5 anos, ficou ferida e foi levada para uma unidade médica. Segundo informações da polícia, as vítimas foram identificadas como Ayala Lohana Lima, de 2 anos, e Cinde Lohana de Jesus Oliveira, de 12. Elas morreram na hora. De acordo com o G1, a garotinha que sobreviveu, Ávila de Jesus Santos, de 5 anos, foi retirada da parte baixa do carro, socorrida e encaminhada para o Hospital Geral de Ipiaú. Não há informações sobre o estado de saúde dela. Continue lendo Tragédia: Primas de 2 e 12 anos morrem após serem atropeladas por carro no sudoeste da Bahia

Condeúba: Começa neste sábado 9/3 o “Sétimo Campeonato de Futsal do Divino”


É neste sábado, dia 09 de março de 2019, a partir das 18 horas, na quadra da escola Dário Lima, daremos início ao maior evento esportivo da cidade. juventude por onde andas!!? Venham participar com a gente. Venham!, tragam sua família, tragam sua torcida, prestigiem nossos atletas e não fique de fora desse grande espetáculo futebolístico.

É neste sábado, maior público, maior número de atletas envolvidos, maior número de torcedores em eventos esportivos, é o sétimo campeonato de futsal do divino Espírito Santo. Colaboradores. Rodaleve, Salão popular, oficina Ramos do proprietário Moacir Ramos. Não percam!!. Mais uma iniciativa do vereador Adailton.

Itatim: Advogado mata esposa por não aceitar fim do relacionamento

Foto: Reprodução/Facebook

Uma comerciante de 31 anos morreu baleada pelo marido, de 38, dentro da casa do casal, em Itatim, no interior da Bahia. Após o crime, ocorrido na quinta-feira (7), o homem, que era advogado, cometeu suicídio. De acordo com informações da Polícia Militar (PM), o homem não aceitava o fim do relacionamento.

De acordo com a PM, Calliane Fraga Cintra Macedo, queria se separar de Daniel Macedo Santos, mas ele não aceitava. A mulher, que era dona de uma loja de bolsas e calçados femininos, tinha dois filhos. Um de 11 anos, fruto de um relacionamento anterior, e uma criança de 3 anos, filha do casal. As crianças estavam na casa da avô materna, no momento do crime.

A PM ainda informou que Daniel atirou em Calliane na garagem da casa onde eles moravam. A polícia foi até o local após ser acionada pelos vizinhos, que escutaram os tiros. A mulher foi localizada em frente ao carro da família, enquanto o homem estava na lateral do veículo. A arma do crime foi recolhida do local. De acordo com o G1, os corpos foram encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Itaberaba, cidade da mesma região.

Justiça determina inclusão de medicamentos à base de Cannabis na lista do SUS

Foto: Reprodução/Pixabay

A Justiça Federal determinou que a União inclua medicamentos já registrados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) à base de Canabidiol (CBD) e Tetraidrocanabinol (THC), substâncias provenientes da planta Cannabis sativa, na lista de fármacos ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A decisão atende a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Eunápolis (BA), e prevê também que a medida que novos medicamentos forem registrados, estes também sejam incorporados. Vale ressaltar que os medicamentos só devem ser utilizados caso as alternativas já disponibilizadas pelo SUS não surtam efeitos no paciente.

A decisão foi tomada pois o valor dos medicamentos ou tratamento não pode ser um impedimento para que pacientes que necessitam destes usufruam dos benefícios. De acordo com o MPF-BA, isso frustraria a determinação constitucional de permitir o acesso de todos aos serviços de saúde e ter uma vida digna.

A sentença também determina o bloqueio de R$ 100 mil da União, para serem utilizados na compra de medicamentos para cada paciente, baseado na prescrição médica. O fornecimento do medicamento deverá ser feito até que outro compatível esteja disponível à população pelo SUS. Caso não cumpra a decisão em 30 dias, a União terá de pagar uma multa diária de R$ 1 mil.

Justiça: Um milhão de casos de violência contra mulher esperam julgamento

Pelo menos um milhão de casos de violência contra a mulher aguardam julgamento do Poder Judiciário brasileiro. No ano passado, os tribunais do País contabilizaram 1.009.165 processos relativos a este tipo de crime pendentes de decisão, um aumento de 7% em relação ao ano anterior, quando o Conselho Nacional de Justiça contabilizou 946.541 casos.

Também aumentou no período o estoque de processos relacionados ao feminicídio sem julgamento: de 4.209 em 2017 para 4.461 em 2018. O número de sentenças que determinam a aplicação de medidas protetivas passou de 291.746 para 339.216 em dois anos. De acordo com a Veja, em março de 2015, o feminicídio passou a ser uma qualificadora do crime de homicídio, e incluído no rol dos crimes hediondos, como estupro, latrocínio e genocídio (Lei nº 13.104/2015).

O crime é classificado como “contra a mulher por razões da condição de sexo feminino” e envolvem a violência doméstica e familiar ou quando há discriminação à condição de mulher. Em números absolutos, o Tribunal de Justiça de São Paulo foi o que relatou mais casos de violência contra mulher pendentes no ano passado: 207.668.

A Justiça paulista também foi a que mais aplicou medidas protetivas: 90.092 em 2018. Já o tribunal de Minas Gerais tem o maior estoque do país de ações sobre feminicídio: 1.534.

Em termos proporcionais, o maior aumento de processos pendentes sobre violência doméstica foi registrado pela Justiça do Ceará, onde o número passou de 18.587 para 41.523 — um aumento de 123% de um ano para o outro. Na outra ponta, o melhor desempenho foi medido em Sergipe, que reduziu seu estoque de pendentes de 6.216 para 4.290.

VÍDEO: Prefeito de Morro do Chapéu dá tapa no rosto de empresário após ser chamado de ‘moleque’ durante reunião

Por Leo Barbosa / 9 de março de 2019 às 00:19

Prefeito de cidade da BA dá tapa no rosto de empresário após ser chamado de ‘moleque’ durante discussão

O prefeito da cidade de Morro do Chapéu, na região da Chapada Diamantina, na Bahia, Léo Dourado, foi flagrado em um vídeo dando um tapa na cara de um empresário durante uma discussão em um evento político. O caso ocorreu na noite de quinta-feira (7), no Distrito do Icó, na zona rural.

No vídeo, que circula nas redes sociais, o empresário aparece, de camisa verde, falando no microfone quando começa a discutir com o prefeito, que está ao lado. Após levar o tapa no rosto, o empresário se desequilibra e ainda tira o microfone na direção do prefeito.

Outras pessoas que estavam no local entraram no meio e seguraram os dois que evitou a briga. Por conta da confusão, o evento foi encerrado antes do horário previsto.

O empresário que levou o tapa no rosto se chama Aderbal Oliveira, que tem uma fazenda no distrito. Ele afirmou que a comunidade estava reunida com o prefeito cobrando melhorias e que foi ofendido pelo prefeito. Ele admitiu que, na discussão, chamando o prefeito de moleque.

Em nota, o prefeito Léo Dourado disse que o empresário desferiu insultos e xingamentos contra ele e que por inúmeros vezes também tentou agredi-lo, sendo, no entanto, contido pelas pessoas.

O prefeito ainda disse que tentou ser o mais cordial possível, mas que chegou ao limite e, de cabeça, quente revidou. Na nota, ele ainda pediu perdão a todos os presentes na reunião e disse reconhecer os seus excessos.

Até esta sexta-feira, o empresário agredido não tinha registrado nenhuma queixa. (G1/BA)

Veja o vídeo abaixo:

Prefeito de Morro do Chapéu dá tapa no rosto de empresário após ser chamado de 'moleque' durante reunião

Prefeito de Morro do Chapéu dá tapa no rosto de empresário após ser chamado de 'moleque' durante reunião

Publicado por Blog do Léo Barbosa em Sexta-feira, 8 de março de 2019

Prefeito de Morro do Chapéu dá tapa no rosto de empresário após ser chamado de ‘moleque’ durante reunião

Cai número de mulheres vítimas de homicídio no Brasil

Foto: Reprodução/G1

O Brasil teve uma ligeira redução no número de mulheres assassinadas em 2018. Mas, ainda assim, os registros de feminicídio cresceram em um ano. É o que mostra um levantamento feito pelo G1 com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

São 4.254 homicídios dolosos de mulheres, uma redução de 6,7% em relação a 2017, quando foram registrados 4.558 assassinatos – a queda é menor, porém, que a registrada se forem contabilizados também os homens. Houve ainda um aumento no número de registros de feminicídio, ou seja, de casos em que mulheres foram mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero.

Foram 1.173 no ano passado, ante 1.047 em 2017. O levantamento, publicado nesta sexta (8), Dia Internacional da Mulher, faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.