Categoria: Internacional

Argentina dá largada na vacinação na América do Sul: Enquanto isso no Brasil …

A Argentina começou nesta terça-feira (29) seu plano de imunização contra a Covid-19. O país vizinho é o primeiro da América do Sul a iniciar a vacinação. O governo argentino adota o imunizante Sputnik V, da Rússia, e neste primeiro momento vai priorizar os profissionais de saúde.

Do lote entregue na semana passada, 123 mil doses – o equivalente a 41% – foram para a província de Buenos Aires, vizinha à capital. A cidade de Buenos Aires recebeu 23,1 mil doses. O restante foi dividido entre Santa Fé (24,1 mil), Córdoba (21,9 mil), Tucumán (11,5 mil), Mendoza (11 mil), Entre Ríos (10,1 mil) e Salta (8,3 mil).

O laboratório russo vai enviar um total de 25 milhões de doses para a Argentina. O país sul-americano espera receber ainda, até abril, 22,4 milhões de doses da Astrazeneca/Universidade Oxford.

Também nesta terça, Belarus começou a aplicar a Sputnik V. Com a vacinação nestes dois países, já são ao menos 44 países vacinando a população contra a Covid-19.

Fonte: Brumado Urgente

França detecta primeiro caso da nova variante britânica da Covid-19


Um primeiro caso da nova variante da Covid-19 que surgiu no Reino Unido foi detectado nesta sexta-feira (25), na cidade de Tours, centro da França, conforme anúncio do Ministério da Saúde francês.

O primeiro caso confirmado na França da nova cepa foi detectado em um francês residente no Reino Unido que está assintomático e em quarentena, informou o Ministério em um comunicado.

Após ter chegado de Londres em 19 de dezembro, o contaminado recebeu atendimento médico em um hospital e, na última segunda-feira (21), testou positivo, O governo assegurou que se trata do “primeiro contagiado pela variante VOC 202012/01” em território francês.

Além deste caso, “até agora, várias amostras positivas que poderiam evocar a variante VOC 202012/01 estão em curso de sequenciamento nos laboratórios do CNR”, acrescentou o ministério.

Fonte: Bahia Notícias

Brasil proíbe voos vindos da Inglaterra e Irlanda do Norte

Uma portaria publicada em edição extra do Diário Oficial da União na última quarta-feira (23) proíbe, em caráter temporário, a entrada no país de voos com origem ou passagem pelo Reino Unido e Irlanda do Norte. A portaria restringe, também, a entrada de estrangeiros por fronteiras terrestres e aquaviárias.

A medida foi adotada após ter sido identificada nesses países uma variante do novo coronavírus (covid-19) que, segundo especialistas, teria uma capacidade de transmissão superior à das versões até então conhecidas.

Assinada por três ministérios, da Saúde, Justiça e Segurança Pública e Casa Civil, a portaria suspende a autorização de embarque para o Brasil “de viajante estrangeiro, procedente ou com passagem” por esses países nos últimos 14 dias.

As restrições não se aplicam a brasileiro nato ou naturalizado; imigrante com residência de caráter definitivo no território brasileiro; profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que identificado; funcionário estrangeiro acreditado junto ao governo brasileiro; estrangeiro que tenha cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador de brasileiro, ou que tenha ingresso autorizado especificamente pelo governo brasileiro ou portador de registro nacional migratório.

A portaria detalha, ainda, as situações em que o transporte de cargas é autorizado, bem como as restrições e exceções às quais estrangeiros vindos via terrestre e aquática estão sujeitos.

“Excepcionalmente, o estrangeiro que estiver em país de fronteira terrestre e precisar atravessá-la para embarcar em voo de retorno a seu país de residência poderá ingressar na República Federativa do Brasil com autorização da Polícia Federal”, estabelece a portaria. Nesse caso, ainda segundo o texto, o estrangeiro deverá dirigir-se diretamente ao aeroporto e ter em mãos uma demanda oficial da embaixada ou do consulado do país de residência, além de apresentar os bilhetes aéreos correspondentes.

Papa defende que países compartilhem vacinas contra covid-19

Foto – Reuters / Vaticano

O papa Francisco pediu nesta sexta-feira (25), em sua mensagem de Natal, que as nações compartilhem as vacinas contra a covid-19. Ele afirmou que os muros do nacionalismo não podem ser construídos para impedir uma pandemia que não conhece fronteiras. Em um sinal dos tempos, Francisco entregou a tradicional mensagem “Urbi et Orbi” (Para a cidade e para o mundo) de um púlpito dentro do Vaticano, em vez de fazer o pronunciamento da varanda central da Basílica de São Pedro, diante de dezenas de milhares de pessoas.

A pandemia e seus efeitos sociais e econômicos dominaram a mensagem, na qual Francisco apelou à unidade global e à ajuda às nações que sofrem com conflitos e crises humanitárias. “Neste momento da história, marcado pela crise ecológica e graves desequilíbrios econômicos e sociais agravados pela pandemia do novo coronavírus, é tanto mais importante que nos reconheçamos como irmãos”, disse.

Lembrando que a saúde é uma questão internacional, ele pareceu criticar o chamado “nacionalismo da vacina”, que as autoridades da ONU [Organização das Nações Unidas] temem que poderá piorar a pandemia se os países pobres receberem o imunizante por último.

“Que o filho de Deus renove nos dirigentes políticos e governamentais um espírito de cooperação internacional, a começar pela saúde, para que todos tenham acesso a vacinas e tratamento. Diante de um desafio que não conhece fronteiras, não podemos erguer muros. Todos nós estamos no mesmo barco”, disse ele.

Mais de 2 milhões foram vacinados contra o coronavírus em 2020

Foto: Reuters

Mais de 2,3 milhões de pessoas de seis países foram vacinadas em 2020 com doses de imunizantes aprovados para uso emergencial ou definitivo. Esse total é equivalente ao tamanho da população da cidade de Manaus, por exemplo. De acordo com o G1, o monitoramento é feito pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. Os seis países que aparecem no levantamento são: China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Israel.

Os dois primeiros usam vacinas autorizadas apenas por seus próprios governos. A Rússia, com os imunizantes criados pelo Instituto Vector e pelo Instituto Gamaleya (Sputnik V), e a China, com as vacinas de três fabricantes: Sinopharm, CanSino e Sinovac (parceira do Instituto Butantan, em São Paulo).

Nenhuma das vacinas chinesas concluiu as três fases de estudos de segurança e eficácia que antecedem a aprovação por órgãos reguladores de outros países. Reino Unido, EUA, Israel e Canadá começaram a distribuir o imunizante criado em parceira pela alemã BioNTech e a americana Pfizer. E apenas os EUA aprovaram e distribuíram a vacina da americana Moderna.

Um monitoramento da Universidade Duke, dos EUA, que pode ser acompanhado neste link, indica que os números devem começar a deslanchar pelo mundo depois da aprovação da vacina fabricada em parceria pela Universidade de Oxford e a farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca, que já negociaram mais de 2 bilhões de doses com diversos países.

Apenas no Brasil, por exemplo, espera-se imunizar mais de 130 milhões de pessoas em 2021 com essa vacina Oxford/AstraZeneca, que seria fabricada no país em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Esse imunizante, no entanto, ainda não foi aprovado por nenhum órgão regulador do mundo.

A Era de Aquário começa nesta segunda (21); o que isso quer dizer?

Conjunção entre Júpiter e Saturno será marco de um novo momento, segundo a astrologia

Na Astrologia, Júpiter e Saturno em Aquário durante o ano de 2021 representarão um sinal de entrada na Nova Era. Segundo a astróloga Andreia Modesto, que tem coluna semanal na Vejinha, o século XXI promete ser um período de expansão da tecnologia e tentativa de se chegar a uma “identidade planetária”, capaz de reunir a todos em uma mesma família.

Estrela de Natal: conjunção entre Júpiter e Saturno pode ser vista a olho nu

Isso porque Aquário é o signo que representa o interesse pelas questões do “coletivo” e que motiva a ação e participação no “mundo lá fora”, o que significa responsabilidade e cooperação para si e para os outros.

Após um ano fechado com Júpiter e Saturno presos no signo de Capricórnio, um tempo novo se anuncia se apoiando no valor da ciência, do conhecimento e, sobretudo, na percepção de que é preciso rapidamente viver de outra maneira, com outros valores, hábitos e metas, diz a especialista.

Para ela, o mundo vive uma fase de transição, na qual é preciso abrir a consciência e perceber a vida sob um ângulo que não seja o da individualidade.

Neste 21 de dezembro, os dois planetas se encontrarão a zero grau de Aquário, conjunção motivadora para todos. Durante os dois primeiros meses de 2021, a concentração de planetas em Aquário mostra a liberação desse processo de quarentena.

A soma total de 2021 é o 5 (2 + 0 + 2 + 1). É saída do “engessamento” do número 4 para a vibração de expansão e abertura do número 5, que, assim como o número 3, representa estímulos físicos e intelectuais, flexibilidade, curiosidade, entusiasmo, coragem, otimismo, cabeça aberta e desejo de viver.

O próximo ano começará numa sexta-feira, dia de Vênus e Lua em Leão, esticando a preguiça no feriado prolongado até a segunda-feira, dia 4, com Lua em Virgem, lembrando que é hora de morder a vida e tentar fazer o melhor. Para a Andreia, é o momento de torcer pelas vacinas, pela saúde e pela transformação desse planeta num lugar bem melhor para se viver.

Fonte: VejaSP

Passageiros de voo se desesperam com morte de homem com suspeita de covid a bordo

Uma situação inusitada envolvendo um caso do novo coronavírus aconteceu nos EUA. Dezenas de passageiros de um voo da United Airlines viveram momentos de desespero depois de um homem morrer no avião e a mulher da vítima revelar que ele estava com sintomas de covid-19. O avião, que partiu de Orlando com destino a Los Angeles, na última segunda-feira, fez um pouso de emergência em Nova Orleans após a tripulação tomar conhecimento do estado de saúde do passageiro. A mulher do homem comentou que ele tinha um exame marcado para saber se estava ou não com a doença provocada pelo coronavírus.

Relatos de outras pessoas a bordo do avião, segundo o Uol, dizem que o homem estava tremendo, suando e com dificuldade para respirar antes da decolagem. Após o pouso de emergência, médicos foram autorizados a entrar no avião, mas o passageiro foi declarado morto no hospital. Segundo a companhia aérea, o homem e a família mentiram sobre o seu estado de saúde ao preencher o formulário para o voo. Vários passageiros questionaram os protocolos da companhia após o incidente.

A passageira Jo LaFlame também comentou a situação. Ela mencionou que o homem sentado atrás dela no voo “morreu de covid”. “Como você sabe que é covid? Por que a mulher confirmou enquanto falava com os paramédicos”, escreveu ela. Em outra postagem, ela criticou o voo ter sido retomado na mesma aeronave com todos expostos aos vírus.

Outro passageiro, Robert Reves, relatou que inicialmente todos achavam que ele tinha morrido após uma parada cardíaca. “Mas a mulher dele rapidamente falou que ele estava apresentando dificuldade para respirar, não estava sentindo gosto e cheiros”, escreveu ele.

Alinhamento de Júpiter e Saturno: como, quando e onde ver a fenomenal conjunção dos planetas

      Ponto mais brilhante é Júpiter

Logo após o pôr do sol em 21 de dezembro, Júpiter e Saturno ficarão tão próximos que vão parecer um só planeta de quem os observa da Terra; a última vez que isso aconteceu foi há 400 anos.

Em 21 de dezembro, no cair da noite, o céu nos proporcionará um dos eventos astronômicos mais espetaculares do ano.

Trata-se da “grande conjunção” de Júpiter e Saturno, um fenômeno no qual esses dois planetas estarão alinhados de tal forma que parecem formar um planeta “duplo”.

Embora esses dois planetas se encontrem nesta posição a cada 20 anos, o encontro de 2020 é muito particular, pois quase 400 anos se passaram desde que ambos estiveram tão próximos um do outro, e cerca de 800 anos desde que aconteceu à noite, o que permitirá que seja visível em quase todos os lugares do mundo, observa a Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos.

A proximidade, é claro, é uma questão de perspectiva: esses dois planetas estão na verdade separados por centenas de milhões de quilômetros.

Se você quiser aproveitar a oportunidade para ver este fenômeno, que alguns astrônomos apelidaram de “o beijo de Natal”, diremos a seguir como, onde e quando ele pode ser observado.

De quase todos os lugares

Não importa onde você esteja, a grande conjunção será visível de quase todos os lugares da Terra, cerca de uma hora após o pôr do sol.

Quem estiver perto do Equador, poderá observar o fenômeno melhor, pois vai durar mais ali.

Claro que, como todo evento astronômico, sua visibilidade dependerá em grande medida das condições meteorológicas: é necessário que não chova e que o céu esteja limpo.

Devido à sua luminosidade, pode ser visto sem binóculos ou telescópio. Você deverá olhar para o oeste , mas é importante que você o faça de um lugar claro como um parque ou um piso elevado, sem nada à sua frente que obstrua sua visão e, se possível, com pouca poluição luminosa.

Se você tiver um pequeno telescópio ou um par de binóculos, eles podem permitir que você veja as quatro maiores luas de Júpiter orbitando este planeta gigante.

À primeira vista, os dois planetas aparecerão quase “colados” no céu crepuscular da noite. O maior e mais brilhante ponto de luz é Júpiter.

De 16 de dezembro

Se você quiser ter certeza de que não vai perder o fenômeno, pode começar a praticar a observação imediatamente, pois mesmo hoje os planetas já estão bastante mais próximos.

Caso o tempo não esteja bom, não desanime: daqui a 20 anos, especificamente no dia 31 de outubro de 2040, eles se aproximarão novamente, embora então não seja tão espetacular quanto este.

Outra opção é visitar a página de um observatório internacional, como o Observatório Lowell, no Arizona, EUA, que fará a transmissão ao vivo da “grande conjunção”.

Fonte: UOL

Inglaterra identifica variante do novo coronavírus com transmissão mais rápida


Uma nova variante do Sars-CoV-2 e com transmissão mais rápida foi identificada pela Inglaterra. A nova cepa, segundo o Ministério da Saúde inglês, está relacionada a mais de 1.000 casos diagnosticados no último mês e à expansão mais rápida da Covid-19 no sudeste do país.

“A análise inicial sugere que esta variante está crescendo mais rápido do que as variantes existentes”, afirmou o ministro Matt Hancock, em comunicado ao parlamento britânico. “Atualmente não há nada que sugira que a variante seja mais provável de causar doenças graves, e a orientação clínica mais recente é que é altamente improvável que essa mutação não responda a uma vacina”, acrescentou.

Fonte: Brumado Urgente

Câmara da Argentina aprova nova lei para legalização do aborto

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou na manhã desta sexta-feira, 11, projeto de lei que permite acesso livre e legal ao aborto até a 14ª semana de gestão. A iniciativa, apresentada pelo governo do presidente Alberto Fernández, recebeu 131 votos a favor e 117 contra.

Já seis parlamentares se abstiveram em uma sessão que durou 20 horas, e que aconteceu enquanto grupos defensores e opositores ao projeto se manifestavam no entorno do Congresso, localizado em Buenos Aires. Atualmente, na Argentina, só é permitido abortar legalmente, se a mulher tiver sofrido abuso sexual ou correr o risco de morrer.

O projeto, inclusive, autoriza a objeção de consciência pelos médicos que não desejarem realizar aborto, mas desde que encaminhem as pacientes com agilidade para outros profissionais que possam assumir o procedimento. Texto ainda passará pelo Senado, para debate e votação.

“Garantir a assistência e o acompanhamento de todas as mulheres e gestantes que decidem interromper sua gravidez é entender que este é fundamentalmente um problema de saúde pública”, disse a deputada governista Cecilia Moreau.

Na campanha eleitoral, Fernández já havia manifestado a defesa da legalização da prática, garantindo que se reduzirão os abortos clandestinos, que colocam a vida das mulheres em risco. A aprovação do projeto na Câmara dos Deputados acontece dois anos depois que a casa aprovou um texto similar, com 129 votos favoráveis, mas que acabou sendo posteriormente derrubado pelos senadores do país.

O novo projeto, contudo, pode ter dificuldades em avançar no Senado, que tem perfil mais conservador, mesmo com o governo tendo maioria absoluta, já que os principais grupos políticos da Argentina estão divididos.