Paciente de Caculé internado em hospital de Salvador é infectado com a Covid-19 e morre

Foto: Lay Amorim/Achei Sudoeste

Um paciente da cidade de Caculé, que estava em tratamento contra uma doença em um hospital de Salvador, morreu na última sexta-feira (29), após ser infectado pela Covid-19, o novo coronavírus. A secretaria de saúde da Bahia (Sesab), incluiu Caculé na lista municípios baianos com casos confirmados da doença.

O paciente é um idoso, morador da zona rural da cidade de Caculé, estava há 15 dias na capital baiana para tratamento de uma doença, ainda não divulgada, quando foi contaminado pelo vírus. A secretaria de saúde de Caculé, em nota informou que os contactantes do paciente e seus familiares serão testados para o coronavírus e ficarão em isolamento domiciliar.

Bahia prorroga vacinação contra a febre aftosa até 30 de junho

Foto: Divulgação

A Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa em toda a Bahia foi prorrogada até o dia 30 de junho. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (29) pelo pelo diretor-geral da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB), Maurício Bacelar.

A decisão da ADAB foi anunciada após consulta ao MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e FAEB (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia).

“Embora os registros de venda da vacina tenham superado os 7,5 milhões de doses nas lojas de produtos agrícolas, o que é um indicativo bem positivo da conscientização dos produtores baianos para com a imunização de seus rebanhos, decidimos pela extensão do prazo que acabaria no próximo domingo”, disse Bacelar.

Fatores que são consequência da pandemia de coronavírus foram importantes para a alteração: a difícil logística de distribuição das vacinas através das indústrias, a suspensão das atividades comerciais em diversas cidades baianas, a interrupção do transporte intermunicipal e a antecipação dos feriados estaduais e municipais.

Bahia Notícias

Prefeito de Medina interior de Minas fecha praça com arame farpado para evitar aglomeração de idosos

Município de Medina tem cerca de 21 mil habitantes e está com 15 casos confirmados da Covid-19. Prefeito afirma que a maior preocupação é com os idosos e a medida foi necessária porque eles permaneciam sentados na praça durante o dia.

Por Marina Pereira, G1 Grande Minas

Arame foi colocado ao redor da praça para evitar aglomeração — Foto: Ascom/Prefeitura

O avanço do coronavírus pelo interior de Minas tem preocupado as autoridades. Em Medina, no Vale do Jequitinhonha, o prefeito decidiu cercar a principal praça da cidade com arame farpado para evitar aglomeração de idosos. Com cerca de 21 mil habitantes, o município já tem 15 casos confirmados da doença.

O prefeito Evaldo Lúcio Peixoto explicou ao G1 que já havia passado uma tinta à base de cal nos bancos e mesmo assim, os idosos davam um jeito de sentarem.

“Eles pegavam folha de jornal e papelão, colocam no banco e sentavam. Como vi que não tinha jeito, decidi colocar arame farpado perto dos bancos e resolveu o problema. Ninguém vai querer sentar em cima de arame farpado. Colocamos fita de isolamento e folhetos informativos com orientações”.

Praça Max Machado fica no Centro de Medina — Foto: Ascom/Prefeitura

No município, tem outras praças mas o local preferido dos idosos era a Praça Max Machado, que fica na área central. Segundo o Prefeito, eles costumavam chegar por volta das 7h, as 11h saíam para almoçar, tiravam um cochilo e 14h estavam de volta. Continue Reading

Governo vai contratar 5,1 mil profissionais para ações contra covid-19

Foto – Wilker Porto / Agora Sudoeste

O Ministério da Economia autorizou a contratação temporária de 5.158 profissionais de saúde para ações de enfrentamento á covid-19. A portaria foi publicada ontem (26) no Diário Oficial da União (DOU). De acordo com informações da Agência Brasil, os profissionais poderão ser contratados já a partir deste mês de maio e os contratos terão validade de até seis meses.

A remuneração e a distribuição dos profissionais ficarão a cargo do Ministério da Saúde. As vagas estão distribuídas da seguinte forma: 192 médicos intensivistas, 100 enfermeiros intensivistas, 60 fisioterapeutas intensivistas, 606 médicos, 18 médicos para Unidade Básica de Saúde, 698 enfermeiros, 684 fisioterapeutas, 2.259 técnicos de enfermagem, 101 técnicos em laboratório, 102 farmacêuticos, 57 nutricionistas, 61 biomédicos, 120 fonoaudiólogos e 100 psicólogos.

Para custear a contratação, o governo publicou, também na edição desta terça-feira do DOU, uma Medida Provisória (MP) que abre um crédito extraordinário de R$ 338,2 milhões em favor do Ministério da Saúde. Na mesma MP, o governo também abre crédito de R$ 28,720 bilhões para o Ministério da Cidadania para cobrir despesas de auxílio emergencial para proteção a pessoas em situação de vulnerabilidade, devido à pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o texto, o valor total, de mais de R$ 29 bilhões, será liberado a partir da contratação de operação de crédito interno (contratos ou emissão de títulos da dívida pública).

Urandi: Prefeitura orienta Planova a entrar em quarentena como medida de contenção ao avanço da Covid-19

Em Urandi, dezenas de funcionários da empresa Planova, que atua na linha de transmissão de energia em toda região, estão contaminados com o novo coronavírus. De acordo com o coordenador da Vigilância de Saúde da cidade, Ricardo Dias, 600 trabalhadores são de outros estados do país e 600 são do próprio município. Até o momento, segundo informou os funcionários e pessoas indiretamente ligadas aos mesmos, 46 pacientes testaram positivo para a doença, completando 65 ao todo na cidade. Como medida de contenção e avanço da COVID-19.

Dias afirmou que o ideal é a empresa paralisar as atividades e entrar em quarentena por 14 dias a fim de evitar a proliferação do vírus. “Pra gente ter um controle maior e consegui quebrar essa cadeia de transmissão”, afirmou. Segundo o coordenador, os trabalhadores acabam se tornando agentes multiplicadores da doença, mesmo assintomáticos.

OMS suspende estudos com hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19

Nesta segunda-feira, 25, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a suspensão dos testes clínicos com hidroxicloroquina no tratamento contra o coronavírus. A decisão foi motivada por preocupações em relação à segurança do medicamento após um grande estudo publicado na revista The Lancet associar a substância ao aumento de mortes por problemas cardíacos, como arritmia.

“O Grupo Executivo implementou uma pausa temporária do braço da hidroxicloroquina no Estudo Solidariedade, enquanto os dados de segurança são revisados ??pelo Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados. […] Essa preocupação está relacionada ao uso de hidroxicloroquina e cloroquina contra a Covid-19. Desejo reiterar que esses medicamentos são geralmente considerados seguros para uso em pacientes com doenças autoimunes ou malária”, disse Tedros Ghebreyesus,

diretor-geral da OMS em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, 25. A pesquisa, realizada pela Universidade Harvard com 96.032 pacientes internados por causa da Covid-19 em seis continentes entre dezembro de 2019 e abril deste ano mostrou que o uso de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus não traz nenhum benefício. Além disso, o tratamento está associado ao aumento do risco de arritmias cardíacas e de levar os pacientes a óbito.