Dia: 2 de julho de 2024

Dois de julho

Por Paulo Henrique

Dois de julho é a festa da coragem e determinação.
Festa dos que lutam pelo próprio chão,
Festa da vitória em toda uma nação.
Um povo livre da coroa e da opressão,
Um povo alforriado das garras da dominação.
Quem lutou sabe o valor da persistência,
Quem lutou sabe o valor da decência de um Brasil que desejava a liberdade,
A vivacidade a paz em suas cidades e suas praças,
Em todo o seu litoral o grito do bem que vence o mal:
O mal da escravidão e da servidão como vassalos de Portugal.
Ah, Portugal! Levantes tudo para o seu chão e deixastes os brasileiros com a desolação, a podridão de uma vida explorada, roubada…
Mas o povo baiano acordou!
E em julho marchou;
Num só grito exclamou:
Viva o Brasil e o amor pela pátria que nos libertou!

 

Salvador/BA: Foi realizada a Ultra Maratona da Independência, o atleta condeubense Beto Maratonista, foi o grande ganhador da prova

 

O atleta condeubense Beto Maratonista, foi o ganhador da Ultra Maratona da Independência realizada nos dias 1º e 2 de julho de 2024, em Salvador.

Salvador Bahia, foi realizada a Ultra Maratona da Independência nos dias 1º e 2 de julho de 2024, o realizada a Ultra Maratona da Independência participou da prova que durou 12 horas. Beto mais uma vez fez história, correu a primeira etapa 6 horas de prova, ficando em 1º primeiro lugar, foram mais de 64 km rodados.

Agradeço:- Meus agradecimentos a todos que me apoiam, Bruna Móveis, Postos de combustíveis Condeúba e Nilson Gonzaga, Micael de Odílio, Reginaldo Nova Auto Peças, Fabiana Nutricionista e Folha de Condeúba.

Fotos: Org. do Evento

 

Por que a Bahia comemora a independência em 2 de julho

O 2 de julho é a data magna do estado da Bahia, que comemora a Independência do Brasil na BahiaFoi somente em 2 de julho de 1823 que o povo garantiu a Independência do Brasil na Bahia, após intensas batalhas contra as tropas lusitanas que permaneciam no paísAs comemorações são marcadas pelo desfile dos carros do Caboclo e da Cabocla, que representam a luta popularHá eventos culturais e shows musicais em diversos pontos da cidade.

Evanildo da Silveira

Festa da independência na Bahia
CRÉDITO, CAMILA SOUZA Legenda da foto, Em 2 de julho, baianos comemoram a expulsão das tropas portuguesas e a independência do Estado

Um turista desavisado que desembarque em Salvador no dia 2 de julho pode pensar que fez uma viagem no tempo e chegou à cidade em pleno Carnaval, alguns meses antes de ter partido. Mas não, ele desembarcou na data certa. A festa é outra.

Embora praticamente desconhecida em outras regiões do país, é uma das maiores da Bahia. Nela, os baianos comemoram a expulsão das tropas portuguesas e a independência do Estado, ocorrida no mesmo dia de 1823, depois de um ano e cinco meses de uma guerra sangrenta, que envolveu de 10 a 15 mil soldados de cada lado e causou mais de duas mil mortes em combate.

A festa remete à chegada a Salvador, em 2 de julho de 1823, do exército — se é que a palavra se aplica a uma tropa maltrapilha — libertador brasileiro, que havia expulsado os portugueses. Os primeiros soldados começaram a chegar pela manhã. Não pareciam fazer parte de um exército vitorioso. Estavam descalços, quase nus, fracos e cansados.

Situação bem diferente da cena do quadro Entrada do Exército Libertador, do artista Presciliano Silva, pintado em 1930 e hoje exposto no Memorial da Câmara Municipal de Salvador. Ele mostra o comandante brasileiro, o então coronel Joaquim de Lima e Silva, tio de Luiz Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias, montado num belíssimo cavalo alazão, seguido por um exército de homens muito contentes, alegres e saudáveis.

Quadro Entrada do Exército Libertador
CRÉDITO, PAULO REZZUTTI Legenda da foto, O quadro ‘Entrada do Exército Libertador’, de 1930, do artista Presciliano Silva, mostra uma cena diferente do que foi a realidade

De acordo com o escritor, historiador e autor de vários livros sobre a história da Bahia, Luiz Henrique Dias Tavares (1926-2020), em entrevista publicada pela revista Pesquisa Fapesp, em janeiro de 2006, a obra “não representa a verdade”. Segundo Laurentino Gomes, em seu livro 1822, os moradores, que já sabiam que os portugueses haviam partido de madrugada, receberam os soldados com festa naquele dia. “E com festa ainda são lembrados todos os anos no dia 2 de julho.”

Diferentemente das comemorações de 7 de setembro, que têm caráter mais militar em todo o Brasil — e na própria Bahia — os festejos de 2 julho têm maior participação popular, com desfiles pelas ruas e festas nas casas de Salvador, que duram o dia todo.

A data marca o fim de uma guerra que começou em 1822.

“A Guerra de Independência na Bahia começou dois meses e meio antes do Grito do Ipiranga, quando a câmara da cidade de Cachoeira aclamou D. Pedro como príncipe regente, desligando-se das Cortes de Lisboa”, conta o historiador e escritor Paulo Rezzutti, autor do livro Independência, a história não contada: a construção do Brasil de 1500 a 1825.

Os portugueses não gostaram dessa decisão e, com o auxílio de um navio, atacaram pessoas que estavam saindo de uma missa em celebração, mas a população e os soldados reagiram, até que a embarcação se rendesse.

Festa do 2 de julho
CRÉDITO, MARISA VIANNA

Mas antes disso, houve vários eventos que levaram a esse combate. De acordo com o historiador Francisco Eduardo Torres Cancela, da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), a guerra no Estado aconteceu num contexto geral de grandes transformações, a chamada era das revoluções.

“Em agosto de 1820, eclodiu na cidade do Porto uma revolução liberal que, entre outras coisas, defendia o retorno do rei d. João 6º para Portugal e a elaboração de uma constituição para o país”, explica.

Segundo Cancela, a recepção dos ideais constitucionalistas na Bahia alimentou uma expectativa de mudança, ainda que sem uma perspectiva de ruptura imediata com o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, levando a uma rápida adesão da província às Cortes Gerais, Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa, que era uma espécie de parlamento na época.

“No entanto, as medidas delas referentes ao Brasil começaram a restringir a autonomia anteriormente conquistada, gerando tensões entre diferentes grupos e alterando o jogo de equilíbrio de poder”, explica Cancela.

“Foi nessa conjuntura que as divergências sobre a autoridade política acabaram se transformando em conflito armado na Bahia.”

Do ponto de vista factual, os antecedentes da guerra começaram em 10 de fevereiro de 1821, quando houve um levante contra o governador local, que levou à criação de uma junta de governo provisória.

“Por meio de decretos, com o intuito de desarticular qualquer iniciativa de implantação de um poder executivo no Brasil, em setembro de 1821, o governo português alterou o comando militar do Brasil subordinando-o a Lisboa”, conta o historiador Walter Silva, diretor do Centro de Memória da Bahia (CMB), unidade gerida pela Fundação Pedro Calmon (FPC) da Secretaria de Cultura da Bahia. “Além disso, determinaram o retorno do príncipe d. Pedro para Portugal.”

Festa da independencia na Bahia
CRÉDITO, ELÓI CORRÊA

Segundo Rezzutti, a junta provisória, que obedecia diretamente a Lisboa, e não ao príncipe regente no Rio de Janeiro, passou a ter brasileiros em altos postos, entre os quais o militar Manuel Pedro de Freitas Guimarães, que assumiu o comando de armas da província.

As Cortes Constitucionais de Lisboa não gostaram da situação. Por isso, determinaram eleições para uma nova junta de governo em janeiro de 1822, que tomou posse em 2 de fevereiro e parecia mais propensa a aceitar a liderança de d. Pedro, em vez da de Lisboa.

Essa junta confirmou Guimarães como comandante de armas, no entanto, o que gerou conflito com os militares portugueses, especialmente a partir de 11 de fevereiro, quando chegou de Portugal a nomeação, por meio de um decreto de 9 de dezembro de 1821, do militar português Inácio Luís Madeira de Melo para o posto.

E foi aí que a guerra começou de fato. Veterano das guerras de Portugal contra Napoleão Bonaparte, semianalfabeto e autoritário, o general Madeira de Melo tentou subjugar a Bahia pelas armas. Como não poderia deixar de acontecer naquele contexto, houve reação. No dia 19 de fevereiro daquele ano, logo de manhã, militares brasileiros se rebelaram contra a decisão das Cortes, no forte de São Pedro, onde ainda hoje funciona uma unidade militar, e nos quartéis da Palma e da Mouraria.

Festa do 2 de julho
CRÉDITO, ADELOYÁ MAGNONI

Madeira de Melo exigiu a rendição dos rebelados, mas eles não o atenderam. Então ele mandou bombardear o forte e os quartéis. Sem condições de resistir, no dia seguinte os brasileiros abandonaram as instalações e foram para a cidade. De acordo com o historiador Johny Santana de Araújo, a partir desse dia, tropas portuguesa e forças baianas passaram a lutar abertamente nas ruas de Salvador.

“Foi ficando cada vez mais evidente que havia dois partidos com interesses antagônicos, um português e um brasileiro, o que acabou criando uma tensão cada vez maior e levando a província a uma guerra civil”, diz.

Saques e tumultos

Os combates duraram quatro dias. De acordo com Gomes, em seu livro 1822, saques, tumultos e quebra-quebras tomaram conta da cidade, nos quais de 200 a 300 pessoas foram mortas. Entre elas, estava a primeira mártir da guerra, Joana Angélica de Jesus, superiora do Convento da Lapa, em Salvador. Ela foi assassinada com por soldados portugueses, que queriam invadir o local em busca de munição e dos nativistas contrários ao general Madeira de Melo.

Soror Angélica tentou impedir que os soldados entrassem no claustro, que era vedado para os homens, e acabou sendo morta com golpes de baioneta. O capelão Daniel Nunes da Silva também foi ferido no ataque, mas não morreu.

Festa do 2 de julho
CRÉDITO, FUNDAÇÃO GREGÓRIO DE MATTOS

Depois desses confrontos, os principais oponentes de Madeira de Melo, compostos por grandes comerciantes e senhores de terra brasileiros, se refugiaram no Recôncavo, passando a organizar dali a resistência ao governo português. Entre as principais vilas da região estavam Santo Amaro da Purificação — município famoso hoje por ser a terra de Dona Canô, a mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia —, Cachoeira, São Francisco do Conde e Maragogipe.

Mas não foram só eles que deixaram Salvador. Segundo Gomes, “assustados com a violência, centenas de civis seguiram o mesmo caminho, evacuando a cidade com suas famílias e os pertences que conseguiram carregar. Em poucos dias, as vilas e fazendas do Recôncavo se transformaram em imensos campos de refugiados brasileiros. O restante da Bahia aderiu em peso à Independência do Brasil formando um cinturão de isolamento aos portugueses encastelados em Salvador”.

Festa do 2 de julho
CRÉDITO, ADELOYÁ MAGNONI

Segundo Araújo, entre maio e junho de 1822, nas câmaras municipais da região do Recôncavo, começaram a se fazer conclamações a d. Pedro para se tornar defensor perpétuo do Brasil, título oferecido em 13 de maio ao príncipe pelo Senado da Câmara do Rio de Janeiro. “Essas ações eram abertamente contrárias às vontades das Cortes de Lisboa, de levar o príncipe regente de volta a Portugal, e acabaram provocando a reação das tropas portuguesas estacionadas em Salvador”, acrescenta.

Rezzutti lembra que, na época, as vilas do Recôncavo, que sustentavam a economia da Bahia, cada vez mais se voltavam para o Rio de Janeiro. Os baianos passaram a considerar a ideia de um Brasil unido ao redor do príncipe regente, como a única maneira de evitar a recolonização do país. “Em 25 de junho, a Câmara da Vila de Cachoeira, com a presença de oficiais brasileiros, do clero e do povo, aclamou D. Pedro como regente do Reino do Brasil, e os cidadãos decidiram não obedecer mais a Madeira de Melo”, conta.

Eles pagaram um preço por isso, no entanto. Os portugueses, a bordo de uma canhoneira ancorado do Rio Paraguaçu, que banha a cidade, abriram fogo contra a vila em festa. “Após a aclamação, seguiu-se um cortejo para uma missa, que foi atacado a partir do rio, assim como a vizinha cidade de São Félix”, conta Araújo. “Esse ataque marca oficialmente o início da Guerra da Independência na Bahia.”

Mas os brasileiros de Cachoeira reagiram e reverteram a situação. Gomes relata que no amanhecer do dia seguinte, uma improvisada flotilha de canoas e pequenos barcos de pesca cercou a canhoneira de todos os lados.

“Na falta de equipamentos mais modernos, os brasileiros usavam espingardas de caça e um canhão antiquíssimo, exibido até então como relíquia na praça da cidade. Sem comida e munição, na tarde do dia 28 o comandante português e seus 26 marinheiros finalmente se renderam. Foi a mais singela, e talvez a mais heroica, de todas as batalhas navais da independência brasileira.”

Festa do 2 de julho
CRÉDITO, ADELOYÁ MAGNONI

De acordo com Silva, instaurado o conflito e eclodida a guerra, a população em sua grande parte composta por homens negros escravizados, vislumbrando a possibilidade de garantir sua liberdade aderiu à causa. “É fundamental reafirmar a importância da participação do povo (o índio, o caboclo, o negro africano escravizado, o livre) em busca de sua liberdade”, diz.

“Porque foi em nome da liberdade que o povo majoritariamente das vilas da região do Recôncavo baiano, munido de armamento improvisado (facão, foice, enxada e outros) foi para o front, para as trincheiras, formando diversos batalhões patrióticos.”

Entre eles, Silva cita o dos Voluntários do Príncipe Dom Pedro, que ficou conhecido dos Periquitos, por causa da cor da farda, os Voluntários da Vila de São Francisco e a Companhia dos Caçadores de Santo Amaro, por exemplo.

“Num segundo momento, esses batalhões formaram o Exército Pacificador, comandado pelo general francês Pierre Labatut”, acrescenta Silva. “Hoje, o povo que é representado nas comemorações em diversos municípios da Bahia pelas figuras da Cabocla e do Caboclo.”

Quadro de François-René Moreaux que retrata a proclamação da independência brasileira
 CRÉDITO, BIBLIOTECA NACIONAL Legenda da foto, Quadro de François-René Moreaux que retrata a proclamação da independência brasileira

Veterano como Madeira de Melo das guerras napoleônicos, só que pelo lado francês, Labatut foi contratado por d. Pedro para organizar as forças brasileiras na Bahia em um exército regular. Em 3 de julho de 1822, ele foi nomeado pelo príncipe regente como comandante das forças brasileiras, o chamado Exército Pacificador, que combateu as forças de Madeira de Melo. Em 17 de julho ele partiu do Rio de Janeiro para Salvador, levando armas, munições e cerca de 300 homens, entre soldados e oficiais.

Ele deveria desembarcar na capital, mas foi impedido por navios de guerra lusos, que patrulhavas as águas ao largo. Sua esquadra rumou até Maceió, onde ele e suas tropas desembarcaram, em 21 de agosto. Dali, ele foi por terra até o Recife e de lá iniciou a marcha de volta a Salvador, alistando combatentes pelo caminho, numa difícil viagem de três meses.

Neste ínterim, os portugueses receberam reforços na capital baiana. “Em agosto, chegaram 620 soldados enviados pelas Cortes e, em outubro, 10 navios de guerra, levando o total de tropas portuguesas na Bahia a 15 mil homens”, conta Rezzutti.

A maior e mais decisiva batalha entre os dois exércitos aconteceu no mês seguinte. “Madeira de Melo começou a tentar furar o bloqueio feito pelos brasileiros em torno de Salvador e avançar para o norte, enquanto as tropas de Labatut marchavam para o sul, na direção da cidade”, diz Rezzutti.

“Os dois exércitos se encontraram em 8 de novembro em Pirajá, na periferia de Salvador.” Durante 10 horas, cerca de 10 mil soldados combateram com ferocidade.

Esse combate consagrou uma heroína e deu origem a um mito. A primeira é Maria Quitéria de Jesus, então com 30 anos. Nascida em Feira de Santana, em 27 de julho de 1792, ela foi a primeira mulher nas forças armadas brasileiras. Mas para isso, se disfarçou de homem – cortou o cabelo, amarrou os seios e vestiu roupas masculinas – e se alistou como soldado Medeiros. Pouco depois o pai dela descobriu o estratagema e foi até o quartel para levá-la de volta para casa.

Estatua de Maria Quiteria
CRÉDITO, BRUNO CONCHA/SECOM Legenda da foto, Maria Quitéria de Jesus ganhou estátua e virou heroína

Não conseguiu. Os colegas, impressionados com sua pontaria, coragem e habilidade nos combates, pediram para Maria Quitéria ficar. O comandante concordou, mas exigiu que a partir dali ela usasse um saiote. “Maria Quitéria esteve envolvida em vários combates, juntamente com a sua unidade o Batalhão de Voluntários do Príncipe, do qual fazia parte”, conta Araújo.

Em fins de outubro de 1822, ela já estava ativamente participando da defesa da ilha de Maré e na sequência seguiu para as localidades de Conceição, Pituba, e a cidade de Itapuã. Neste caso, ela foi citada na ordem do dia por sua valentia em atacar uma trincheira inimiga, fazendo vários prisioneiros.

“Em abril, avançando com água até os seios, impediu o desembarque de tropas inimigas na barra do Paraguaçu”, diz Rezzutti. “Foi recebida em júbilo em Salvador, junto com o exército que libertou a cidade dos portugueses, em 2 de julho de 1823.”

No dia 20 de agosto, ela foi recebida no Rio de Janeiro pelo já então imperador d. Pedro I, que pessoalmente a condecorou com a Imperial Ordem do Cruzeiro do Sul. Também lhe foi concedida, pelo resto da vida, uma pensão militar, pela sua bravura em combate. “Maria Quitéria teria, na ocasião, pedido ao imperador que escrevesse ao seu pai para perdoá-la”, revela Rezzutti.

O mito é a história do corneteiro Luís Lopes. Os brasileiros estavam em menor número e começaram em desvantagem, tanto que o comandante das tropas decidiu dar ordem de retirada. Mas Lopes, ao invés de dar esse toque, se confundiu e deu o de “cavalaria, avançar e degolar”. Os portugueses se assustaram, porque não estavam vendo cavalaria nenhuma, e recuaram em pânico.

Na verdade, não havia cavalaria mesmo. Isso deu espaço aos brasileiros para avançar e derrotar o inimigo. Alguns dizem que a história é verdadeira, outros que não. O certo é que não há documentação sobre ela.

O imperador brasileiro D. Pedro 1º
CRÉDITO, UNIVERSAL HISTORY ARCHIVE Legenda da foto, A Guerra de Independência na Bahia começou dois meses e meio antes do Grito do Ipiranga de D. Pedro

A segunda e última tentativa de os portugueses de furar o cerco de Salvador pelos brasileiros ocorreu em 7 de janeiro de 1823. Segundo Gomes, foi um ataque cerrado à ilha de Itaparica, com “40 barcas, dois brigues de guerra e lanchas canhoneiras contra a fortaleza de São Lourenço e o povoado”. Mas os baianos resistiram heroicamente e depois de três dias de combates, derrotaram os inimigos, que tiveram cerca de 500 mortes. A batalha era decisiva, pois se eles vencessem teriam rompido o bloqueio brasileiro.

Mesmo cercado e com escassez de alimentos e de tudo, Madeira de Melo se recusou a se render. Em vez disso, embarcou suas tropas, num total de cerca de 10 a 12 mil, e zarpou rumo a Portugal, 300 anos depois da chegada de Pedro Álvares Cabral.

Segundo o historiador Pablo Antonio Iglesias Magalhães, da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), a expulsão dos militares portugueses da cidade do Salvador impediu que Portugal mantivesse um porto estratégico no Atlântico sul. “Além disso, possibilitou, nos anos seguintes, a formação do território sob uma unidade constitucional”, diz. “Um enclave militar português na segunda maior cidade do Brasil poderia ser um fator de instabilidade.”

Para Araújo, a vitória brasileira consolidou a derrota política e militar dos portugueses na Bahia. “Isso contribuiria para a independência da Bahia, considerada por muitos pesquisadores e comentadores como marco para a efetiva e prática independência do Brasil”, diz.

Seja como for, os baianos estão comemorando até hoje. “As comemorações pela Independência do Brasil na Bahia, popularmente conhecida como 2 de Julho, teve início poucos anos depois da data magna do 2 de julho de 1823”, diz Silva. “Ela é marcada por um desfile que remonta a entrada do Exército Pacificador na cidade de Salvador, após a fuga dos portugueses vencidos por uma estratégia, que lhes cercou dentro da cidade restringindo o acesso aos mantimentos necessários no front.”

Festa do 2 de julho
CRÉDITO, FUNDACAO GREGORIO DE MATTOS

As comemorações começam em Cachoeira, de onde sai a tocha simbólica em direção a Pirajá, em Salvador. Além disso, é realizado o Te Deum, cerimônia religiosa em uma igreja de grande relevância da capital (este ano, na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no dia 1º de julho,), uma homenagem da Câmara Municipal aos heróis da Independência e uma cerimônia cívica do 2º Distrito Naval.

O desfile realizado no dia 2 de julho tem percurso entre a Lapinha e o Campo Grande, e conta com a presença do Caboclo e da Cabocla, símbolos da guerra pela independência baiana e da cultura local. “No caminho, grupamentos militares, fanfarras e grupos culturais fazem um lindo cortejo nos turnos da manhã e da tarde que mostra a diversidade presente na Bahia”, orgulha-se Fernando Guerreiro, presidente da Fundação Gregório de Mattos, órgão municipal responsável pelas festividades do 2 de Julho, em Salvador. “Ao final do desfile, a tocha é acesa por um atleta de destaque no estado, em cerimônia no Campo Grande, com a presença das forças armadas e autoridades públicas.”

Festa rica e emblemática

Para ele, a festa do 2 de Julho é a comemoração mais rica e emblemática da cidade. “Ela une espírito cívico, religiosidade e viés profano”, explica. “O caboclo e a cabocla voltam às ruas, podendo ser reverenciados e marcarem seu espaço no nosso território. O 2 de julho precisa da rua e do povo para ser comemorado e reverenciado. Muita alegria com essa volta à normalidade, depois da pandemia, e a ocupação de nosso território e nosso espaço.”

Apesar de sua grandeza, poucas pessoas de outras regiões conhecem ou já ouviram falar na guerra da independência na Bahia e nas comemorações de 2 de julho na Bahia. “A História do Brasil é feita na perspectiva do Centro sul do país, notadamente instituições no Rio de Janeiro e São Paulo”, diz o historiador Pablo Antônio Iglesias Magalhães, da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB). “A busca do projeto de unidade constitucional conduziu a um pagamento da história de forças políticas provinciais, sendo que muitos personagens foram absorvidos pelos gabinetes políticos de D. Pedro 1º.”

Segundo ele, com exceção dos estudos de Braz do Amaral e de Luís Henrique Dias Tavares, muitos elementos foram omitidos, proposital ou por ignorância, da guerra de independência do Brasil na Bahia. Mas isso começa a mudar, no entanto. “Hoje, as universidades do interior do estado da Bahia, por meio dos seus professores e programas de pós-graduação, começam a desempenhar papel estratégico na recuperação dessa história”, explica. “E fazem mesmo com poucos recursos para pesquisas sérias.”

– Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62007314

Ao lado de Jerônimo, Lula anuncia cerca de R$ 4 bilhões em investimentos na Bahia pelo Governo Federal

Nesta segunda-feira (1º de julho), o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, acompanhado do governador Jerônimo Rodrigues, anunciou um pacote de investimentos do Governo Federal para o estado da Bahia, como parte do Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). O montante que será aplicado nas obras é de cerca de R$ 4 bilhões, abrangendo áreas de energia, habitação, educação, saúde e patrimônio histórico baiano. As novidades foram apresentadas num evento realizado na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Na ocasião, o presidente Lula destacou a importância dos investimentos para o desenvolvimento do estado: “esses investimentos são uma demonstração do compromisso do nosso governo com o progresso e a melhoria da qualidade de vida do povo baiano. Estamos trabalhando para garantir que todos os cidadãos tenham acesso a serviços essenciais e infraestrutura de qualidade”.

O setor de saúde será beneficiado com um aporte significativo. Serão aplicados R$ 90 milhões na construção de três novas policlínicas nas cidades de Camaçari, Remanso e Itapetinga. Foi lançado, ainda, o edital do Programa Mais Médicos, com 3 mil vagas.

O governador Jerônimo Rodrigues também enfatizou a relevância dos aportes para a Bahia: “esses investimentos chegam em um momento crucial para o nosso estado. A construção das novas policlínicas, por exemplo, vai ampliar o acesso à saúde de qualidade para a população. Estamos unidos com o Governo Federal para fazer da Bahia um lugar melhor para se viver, com mais oportunidades e inclusão social”.

*Luz Para Todos*

No âmbito do programa Luz Para Todos, serão investidos R$ 1,5 bilhão com o objetivo de levar energia a todos os baianos até 2026. Este investimento beneficiará cerca de 118 mil pessoas em 29.562 famílias, atendendo 99% dos municípios baianos.

*Cultura*

No setor cultural, o Governo Federal anunciou mais de R$ 50 milhões em investimentos para a preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro no âmbito do Novo PAC. Cinco municípios serão beneficiados: Salvador, Cachoeira, Itaparica, Maragogipe e Santo Amaro. Entre os projetos, destacam-se R$ 30 milhões destinados à restauração do mercado municipal e à requalificação da feira livre de Santo Amaro, palco do Bembé do Mercado, uma importante celebração religiosa reconhecida como Patrimônio Cultural do Brasil desde 2019. Além disso, serão contratados projetos de restauro de terreiros como Ilê Axé Icimimó Aganju Didê em Cachoeira; Omo Ilê Agboulá em Itaparica; Ilê Maroiá Láji, Casa Branca e Gantois em Salvador.

Também participaram do evento o vice-governador Geraldo Júnior, a primeira-dama do Brasil, Janja Lula da Silva, e diversos ministros do Governo Federal, incluindo Rui Costa (Casa Civil), Renan Filho (Transportes), Camilo Santana (Educação), Margareth Menezes (Cultura), Luiz Marinho (Trabalho e Emprego), Nísia Trindade (Saúde), Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Jader Filho (Cidades).

*_Repórter: Tácio Santos/GOVBA_*

Paraíso: Conheça o Recanto do Beija-flor, um criatório de animais e plantas de diferente espécies, em Conquista


Um paraíso dentro da cidade de Vitória da Conquista. Um local onde a natureza é exuberante e encanta os olhos de quem chega. Assim é o criatório Recanto do Beija-flor na na Rua Venceslau Ribeiro Novaes 13, bairro Santa Helena.

O local rico em variedades, é um viveiro de plantas e animais exóticos, plantas e frutas exóticas. No Recanto do Beija-flor você vai encontrar as mais diferentes mudas de árvores e plantas, além dos mais diferentes animais. Como por exemplo, Cisne-Negro, um dos animais mais raros do país.

No Recanto do Beija-flor também tem minivaca leiteira, minibois e minibode. Outros animais mais exóticos, como Opacas, Marrecos e Emu Asutraliano, também vivem no espaço de aproximadamente 2.300 metros.

O local funciona para visitação e para comercialização das plantas, árvores e animais. Em entrevista, o proprietário Guga explicou que no Recanto do Beija-flor, há uma grande variedade para atender todos os tipos de gostos e necessidades.

“A gente tem aqui de tudo um pouco. Aqui mexemos com plantas e animais. Quem quiser jardim, nós temos grama, e pode vim aqui no Recanto do Beija-flor. O lugar certo é aqui, onde você encontra qualidade e variedades”, disse Hugo.


Ao andar pelo local, percebemos o cuidado com as plantas, as árvores sempre muito verdinhas. Os animais, de diferentes espécies, também são bem tratados e saudáveis. Para Guga, o segredo é o ” cuidado acima de tudo e muito trabalho”, mas revela que é necessário “gostar do que faz” para que o local respire vida.

Julho será o mês mais frio do ano

Julho será o mês mais frio do ano

O inverno começou atípico em grande parte do Brasil, com clima instável, altas temperaturas e chuvas volumosas concentradas nos extremos do país, como no extremo norte da região Norte, no leste do Nordeste e no Rio Grande do Sul, mas julho será diferente. As informações são do Globo Rural. O mês será o mais frio do ano.

Segundo o MetSul, a frente fria deve chegar depois de uma sequência de temperaturas “muito acima da média”, como vem acontecendo em junho. Apesar da chuva aumente em alguns pontos do Brasil, o inverno é caracterizado por um clima mais seco, o que será observado em grande parte das regiões Centro-Oeste e Sudeste, além do sul da Região Norte, o interior da Região Nordeste e o oeste da Região Sul.

Apesar da estação ser de fato o período mais seco e de menores acumulados de chuva em grande parte do Brasil, principalmente na porção central, a estiagem chegou de forma antecipada e intensa em partes do Brasil, como é o caso da região do Pantanal e também partes da Amazônia, que já registram níveis baixos em seus principais rios e um aumento das queimadas, em um nível superior ao que é esperado para essa época.

Com o fim de um longo período de El Niño, as médias altas de temperatura do último ano devem diminuir a partir dos próximos meses. “Tivemos 12 meses seguidos com recordes de temperaturas globais junto com a condição do El Niño. O momento de transição climática em direção a La Niña, faz com que ainda tenhamos temperaturas acima das médias históricas”, explica o meteorologista Willians Bini.

As chuvas devem ficar acima da média na região Norte e em áreas pontuais do leste das regiões Nordeste, Sudeste e Sul. Em grande parte das regiões Centro-Oeste e Sudeste, sul da Região Norte, interior da Região Nordeste e oeste da Região Sul, é previsto chuva próxima e abaixo da média climatológica, informou o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Vitória da Conquista: Governo do Estado investe cerca de R$ 15 milhões em Hemocentro Regional, 20 leitos de UTI e Serviço de Verificação de Óbitos

A secretária de Saúde do Estado da Bahia, Roberta Santana

A secretária da Saúde do Estado da Bahia, Roberta Santana, entregará nesta quarta-feira (03), às 9 horas, o Hemocentro Regional (HR) de Vitória da Conquista. O hemocentro faz parte da estratégia de regionalização e descentralização dos serviços de tratamento de doenças benignas do sangue prestados pelo Centro de Referência às Pessoas com Anemia Falciforme, localizado na capital baiana. Além disso, possibilitará ampliar a captação de bolsas de sangue em 320%, alcançando até 2.100 bolsas mensais. O investimento foi superior a R$ 5,3 milhões.

Ainda em Vitória da Conquista, Roberta Santana assinará as ordens de serviço para ampliação do Hospital Afrânio Peixoto, contemplando a implantação de 20 novos leitos de UTI, e a construção do Serviço de Verificação de Óbitos (SVO). O investimento estadual alcança os R$ 6,6 milhões e R$ 2,9 milhões, respectivamente.

Ao todo, esse conjunto de investimentos totaliza R$ 14,8 milhões, demonstrando o compromisso do Governo do Estado com a saúde pública em Vitória da Conquista e região.

Conquista: Área esportiva da Lagoa das Bateias será entregue revitalizada nesta terça-feira (02)

O feriado de 2 de Julho, Independência da Bahia, vai começar com entregas em Vitória da Conquista. A Prefeitura vai entregar, a partir das 9h da manhã, a primeira parte da obra de revitalização do Parque Ambiental da Lagoa das Bateias.

A cerimônia de entrega vai contar com a presença da prefeita Sheila Lemos (UB), secretários, coordenadores e da comunidade em geral. O responsável pela obra é o coordenador da Central de Equipamentos (Deserg), Lucas Batista. Através das redes sociais, ele comemorou mais uma etapa concluída. “A gestão para pessoas está modernizando a zona oeste da cidade. Isso porque você pediu que nós estamos fazendo”, afirmou.

A segunda etapa da requalificação será a entrega do Parque Poliesportivo da Lagoa, com um campo de areia, uma quadra de areia e um campo de grama sintética. Os equipamentos contam com iluminação de LED, possibilitando sua utilização de tanto durante o dia quanto durante à noite. Além disso, poderão ser reservados por meio de ofício à Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer.

A ideia é aumentar a oferta de espaços de esporte e lazer na zona oeste da cidade. As quadras deverão ser utilizadas de segunda a sexta-feira, das 18h15 às 23h15, para cinco jogos de futebol – os chamados “babas” –, cada um com 1h de duração. Nos finais de semana, os espaços serão disponibilizados em horários alternativos para a realização de competições.

A revitalização inclui a limpeza do espelho d’água, projeto paisagístico, construção da Vila da Família, academia ao ar livre, e espaços exclusivos para a circulação de crianças e de animais de estimação, área especial para a contemplação da paisagem, entre outras novidades.

Com mais 8.785 postos em maio, a Bahia gera 45.138 novas vagas no ano

Com mais 8.785 postos em maio, a Bahia gera 45.138 novas vagas no ano

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Bahia gerou, em maio, 8.785 postos com carteira assinada, decorrente da diferença entre 82.982 admissões e 74.197 desligamentos. Trata-se do quinto mês seguido com saldo positivo.

De responsabilidade do Ministério do Trabalho e Emprego, os dados do emprego formal foram sistematizados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). Na Bahia, o saldo de maio se revelou inferior tanto ao de abril (+10.806 postos) quanto ao do mês de maio do ano passado (+9.299 postos) e foi o segundo menor do ano até agora no estado.

Com o saldo de maio, a Bahia passou a contar com 2.097.433 vínculos celetistas ativos, uma variação de 0,42% sobre o quantitativo do mês imediatamente anterior. O município de Salvador, ao registrar um saldo de 557 postos de trabalho celetista, contabilizou 657.754 vínculos, indicando um aumento de 0,08% sobre o montante de abril.  

Na Bahia, em maio, todos os cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldo positivo de postos de trabalho celetista. O segmento de Serviços (+3.659 vagas) foi o que mais gerou postos dentre os setores.

Em seguida, Indústria geral (+2.361 vínculos), Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (+2.001 postos), Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+390 empregos) e Construção (+374 vagas) também foram responsáveis pela geração.

No mês, o Brasil computou um saldo de 131.811 vagas, enquanto o Nordeste registrou 31.742 novos postos – representando variações relativas de 0,28% e 0,41% comparativamente ao estoque do mês anterior, respectivamente. A Bahia (+0,42%), portanto, de abril a maio, exibiu um aumento relativo do estoque de vínculos maior do que o do país e do que o da região nordestina.

Das 27 unidades federativas do território nacional, 26 apontaram crescimento do emprego celetista em maio deste ano. O estado do Rio Grande do Sul (-22.180 vagas) foi o que apresentou saldo negativo no mês. A Bahia, com 8.785 novos postos, exibiu o quarto maior saldo do país. Em termos relativos, com variação percentual de 0,42%, situou-se na nona posição.

Vereador de Malhada foi atacado por enxame de abelhas e precisa ser hospitalizado

Vereador de Malhada é atacado por enxame de abelhas e precisa ser hospitalizado
O vereador Ubiratam dos Santos (Avante), o Ubiratam da Sáude, da cidade de Malhada

O vereador Ubiratam dos Santos (Avante), o Ubiratam da Sáude, da cidade de Malhada, foi atacado por um enxame de abelhas na tarde deste domingo (30). Ele seguia para o Distrito do Julião por volta de 17h20, quando visualizou um homem caído às margens da BR-030.

Ubiratam parou para prestar socorro à vítima achando que tivesse acontecido algum acidente, quando foi atacado por mais de 400 abelhas. O parlamentar chegou a correr cerca de 800 metros, mas os ataques continuavam.

O vereador deu entrada na emergência do Hospital Municipal de Malhada com pressão de 3×4 e glicemia acima de 400. Ele recebeu atendimento na unidade hospitalar, sendo liberado posteriormente. J

á o homem encontrado às margens da rodovia federal foi transferido para o Hospital Geral de Guanambi (HGG) devido à gravidade do seu estado de saúde.