Arquivo da tag: Poema

HOLOGRAMA

Por (edtattoo)

O amor de Deus é bom, somos uma família, somos um holograma onde fazemos parte de um todo, e toda parte faz parte de tudo pois ..tudo constitui se de parte, os ventos frios do inverno não podem impedir as dores do ontem, no silêncio se houve a palavra que não veio se ver resquícios de todo caminho andado, retornando vermos o terreno percorrido e as falhas cometidas com tempo, percebemos que a vida nem sempre é bela e a fala nem sempre nos apraz.

O julgo antecipa a dor sem conhecer a fala do que direciona sem querer a cura, dentre tudo…resta o pedido que Deus restaure, cure e defina o caminho que liberte; pois ..as vezes é preciso ir além, observar, experimentar e gritar, .

Vejo no olhar de hoje a lágrima reprimida, vejo a esperança pela Graça que pedia que o dia tornasse lento, o pulso sem iniciativa logo para e vejo a busca pela novidade em sentir vejo no brilho dos olhos a descoberta, nós condenamos o interior que desconfigura a alma, as vezes preferimos nos esconder da realidade querendo mudá-la, sem compreender que a descoberta da felicidade encontra se no silencioso íntimo que só nós compreendemos, e ao chegar.. percebemos que ninguém poderá ir onde só nós sabemos a vida é maravilhosa
basta que nós a compreendemos.

O espírito tem de ser livre assim como a liberdade de nossa alma, então. .sejamos livres e felizes, o mundo sempre irá existir, mais nossa passagem aqui é curta, tudo tem o seu momento apenas acredite, não percamos a fé.

(edtattoo) além de ser tatuador é também poeta radicado em Condeúba/BA.

Discurso

Por Leandro Flores

Meu partido não tem estrela
Nem sigla de interesses
Meu partido é um coração sem esperança
É uma causa perdida
É uma luta, um ideal
É o Brasil que não se alimenta,
É a criança sem merenda
É a injustiça entre classe social

Meu partido não tem cores,
Nem bandeiras
Não quer palanque,
E não precisa de eleição
Meu partido é o homem de bem
Que ganha a vida sem ferir ninguém
É o artista que não tem incentivos
É um moleque sem educação

Meu partido é a cidadania
Que se aprende na escola
É a ética do homem do campo
O conhecimento sem cola
Meu partido é a soberania
É o alfabeto, a palavra, a poesia
Meu partido é a gestão, a honradez
O compromisso, a democracia

FLORES, 2013;

Eu sou feminista

Por Joyce dos Santos Oliveira

Joyce dos Santos Oliveira 16 anos – Estudante e faz parte do movimento café com poemas Cordeiros – Ba

Eu sou feminista
Pois não tolero mais essa sociedade machista

Onde homens são recompensados por mexer com a novinha na rua e deixa a mulher em casa trancada pois pra ele, só serve ela nua

Casa, comida, roupa lavada… Quer uma companheira ou uma empregada?

Respeita as mina jão, porque na minha língua homem que bate em mulher é vacilão

Muitos reclamam que mulher que sofre abuso não fala, mas falar como se a mídia só divulga a mina e não cara?

Mas num país onde não tem ordem e progresso os machistas que paga pra transar com novinha e difama na rua, faz sucesso

Feminista pra muitos é uma coisa clichê, mas mulheres são espancadas e mortas todos os dias por homens e ninguém vê

No Brasil ja começa pelo candidato a presidente, onde a mulher exerce o mesmo serviço que o homem e o salário é diferente
Mas ele nem foi inteligente pois no Brasil, preto, branco, homem e mulher é tudo GENTE

Ser preta é um pecado na sociedade, te julgam pela sua cor e não pelo sua capacidade.
E dizem que buscam igualdade, mas preto pra eles nem é gente de verdade.

Ser mãe na adolescência é motivo de julgamento, mas ninguém sabe o que aconteceu naquele momento
Engraçado que só a mãe é julgada a todo momento, e o pai? Não é culpado, abandonam a família, lhes negam alento.

No Brasil só os brancos que procede
Dizem que “preto e branco é igual” mas não lembram de Marielle?

Andamos nas ruas preocupados e com medo, “dizem que é exagero” e Marcos Vinicius que foi morto por ser… Preto?

Não adianta deixar pra lá, não podemos nos calar
Devemos nos juntar seja preto, gay e mulher pra lutar
Pois todo esse preconceito, tá mais que na hora de acabar.

Sem guerra

Por Cláudio Henrique

Ausência de guerra
O que tanto almejamos
Um caminho de tranquilidade
Para nós, seres humanos.

Para conseguimos a tão sonhada paz
Um necessário sentimentos
Amor, respeito, solidariedade
Confiança, dedicação e conhecimento.

Determinação, persistência
É necessário ter
São sentimentos poderosos
Que transforma qualquer ser

O mundo precisa de amor
Só ele pode transformar
Destruindo o mal presente
Para que o amor possa reinar

Por fim eu agradeço
É deixo aqui o meu recado
Pratique e vá divulgando
Deixando todos informados

NOTA:   

O autor Claudio Henrique                                                                                                                                  Tem 15 anos, ele pertence ao                                                                                                                Movimento Café com Poemas                                                                                                                          Cordeiros/BA.

 

80 ANOS DA CARTILHA CAMINHO SUAVE

Por Thiago Braga

Faz muito tempo, cerca de 80 anos, que surgiu a ideia da Cartilha Caminho Suave. Esse mesmo material, elaborado pela professora Branca Alves de Lima, ganhou espaço nas escolas da rede pública. O jeito simples na forma de instruir, usando gravuras em formato de letras, marcou para sempre o ensino infantil. É a chamada “alfabetização pela imagem”.

Livro médio, capa fina, possuindo entre 45 e/ou 50 páginas. A garotada aprendia o B A BÁ com facilidade, graças a qualidade do texto. Ler e escrever nunca foi tão divertido. Unia capricho, bom gosto e senso crítico. Naquela época, tornou – se modelo na educação nacional. Anos mais tarde, a cartilha foi adotada pelo MOBRAL (já extinto). Não caiu no esquecimento. Hoje, existe reprodução da obra, vendida nas melhores casas do ramo.

Descobrir na paisagem densa e tensa a vida que pulsa

Por Edtattoo

Descobrir na paisagem densa e tensa a vida que pulsa, a medida que caminhava por entre os recequidos campos pude notar a beleza da paisagem que aparentemente estava morta, enxerguei a beleza e riqueza na terra que chora em busca de água, que mesmo não a tendo resiste, pois sabe que os homens não sabem o que fazem, mata a terra e destroem a si mesmo, precisamos hoje encontrar a cura de nós, ao nos encontrarmos encontraremos a Deus, Deus está em tudo, a todo momento e em todo lugar, nos detalhes estão as riquezas que precisamos para seguir acreditando no amanhã, observemos a riqueza escondida e saberemos que nós que choramos em silêncio, temos nas mãos o sobrenatural de Deus.

E assim, caminha a humanidade…

Por Leandro Flores

Avós não ficam para sempre, claro. Apesar que a gente pensa que eles são eternos, né, assim como os nossos pais, mas eles se vão também… como, também, um dia iremos, os nossos filhos irão… e assim, caminha a humanidade. É uma rotatividade a vida. A gente nem se dá conta de como ela é “trem-bala” como diz a canção. Viver é uma faísca é um nada, em se tratando de existência.

Vó Judite, mulher íntegra, generosa, impaciente, às vezes. Vivia assim, querendo ir, ultimamente com mais frequência, por conta de um alzheimer, mas a sua missão era ir mesmo… e ela se foi para sempre.

A última de sua geração de irmãos (tinha até uma gêmea, Julia e Judite). Foi uma mulher que combateu o bom combate que são as tentações da vida. Preocupada, preferia a cautela, a abstenção de uma vida pacata. Cuidava de todos com zelo. Eu mesmo fui um dos seus. Tive a honra de morar com ela. Fui neto, filho, amigo, sobrinho (ela já nem sabia mais me classificar quando nos vimos pela última vez). Talvez um pouco de tudo isso.

Tive o prazer de conviver com a minha vozinha nesses últimos dias de vida dela, de beijá-la, de dizer o quanto era linda. E era mesmo. Quem a conhecia sabe o quanto aquele sorriso era permanente em seu rosto… e isso, tornava-a linda!

Vai deixar saudade. Aliás, já deixou. Mas ao mesmo tempo, estou “conformado” por saber o quanto ela viveu, o quanto foi a mulher que foi e, principalmente, pelo lugar que herdou.

Leandro Flores
(neto de dona Judite)

Ainda há tempo

Por Alberto David

O quanto é belo o tempo para viver as coisa belas da vida, mas há pessoas que não aproveitam a oportunidade, e consiste em torcer para a derrocada dos outros, de vez de olharem para dentro de si e ver, fazem o contrário, se preocupam com a vaidade dos outros, ou vivem para a efemeridade, ou o ócio, enfim, uma vida vazia. E não percebe o quanto se pode ser feliz. Há indivíduos que são ruins mesmo, outros, se desculpam, “foi um mal dia”.

O quanto a gente é feliz em dar a mão a quem precisa.

Mas as pessoas gostam de viver a vida que não é sua. São os parasitas inventam coisas, para ocupar o tempo, a exemplo uma fofoca qualquer, diga-se de passagem uma simples fofoca as vezes, provocam efeitos terríveis, e por ai vai…

O tempo é as vezes é cruel, mas é ditoso.

Passamos por um tempo abruptamente tenebroso, um tempo sem sentimentos, vazio a vivenciadas pelas efemeridades. O Tempo perde o rumo para cair num precipício onde as máquinas são mais preferidas para matar o tempo; e a nós mesmo!

O Senhor nos deu um tempo para nós crescermos, evoluirmos e prosperar com dignidade. Mas não há como conquista-lo se não juntarmos os “tesouros” em nossos corações.

O homem caminha para traz.

Somos energia, a Física prova, as energias se atraem numa corrente de positividades ou negatividades, há dois caminhos faça a sua escolha,

A ciência diz a maior parte de nossos males é emocional obviamente brota do negativismos de nossas impressões e até um medicamento se não pormos fé, não dá resultado.