Arquivo da tag: Poema

Ainda há tempo

Por Alberto David

O quanto é belo o tempo para viver as coisa belas da vida, mas há pessoas que não aproveitam a oportunidade, e consiste em torcer para a derrocada dos outros, de vez de olharem para dentro de si e ver, fazem o contrário, se preocupam com a vaidade dos outros, ou vivem para a efemeridade, ou o ócio, enfim, uma vida vazia. E não percebe o quanto se pode ser feliz. Há indivíduos que são ruins mesmo, outros, se desculpam, “foi um mal dia”.

O quanto a gente é feliz em dar a mão a quem precisa.

Mas as pessoas gostam de viver a vida que não é sua. São os parasitas inventam coisas, para ocupar o tempo, a exemplo uma fofoca qualquer, diga-se de passagem uma simples fofoca as vezes, provocam efeitos terríveis, e por ai vai…

O tempo é as vezes é cruel, mas é ditoso.

Passamos por um tempo abruptamente tenebroso, um tempo sem sentimentos, vazio a vivenciadas pelas efemeridades. O Tempo perde o rumo para cair num precipício onde as máquinas são mais preferidas para matar o tempo; e a nós mesmo!

O Senhor nos deu um tempo para nós crescermos, evoluirmos e prosperar com dignidade. Mas não há como conquista-lo se não juntarmos os “tesouros” em nossos corações.

O homem caminha para traz.

Somos energia, a Física prova, as energias se atraem numa corrente de positividades ou negatividades, há dois caminhos faça a sua escolha,

A ciência diz a maior parte de nossos males é emocional obviamente brota do negativismos de nossas impressões e até um medicamento se não pormos fé, não dá resultado.