Arquivo da tag: História

Essa estória de história com “H”

Por Nando da Costa Lima

Isto faz parte da história. É claro que a gente, além de aumentar um poquinho, só revela o milagre! É que os fatos e a imaginação se misturam na memória, tem muito tempo que escutei! Foi em 1950, quando Getúlio Vargas, em campanha presidencial, veio parar aqui em Conquista. Os “cumpade” Cabo Thiago, Dória e Alfredinho foram os responsáveis pela segurança da ilustre visita. Tinha gente de tudo que é canto: Guigó, Piripiri, Ibicuí, Iguaí, uma comitiva de poetas de Poções, Lagoa da Pedra, Jequié… Tinha gente até do norte de Minas. O Bicho de Pedra Azul não veio não, é mentira. Ele estava numa passeata em São Paulo. O evento se tratava de um ex-presidente concorrendo novamente à presidência. Uma das imprensas mais tradicionais da Bahia já naquela época, a de Condeúba, veio cobrir o evento, não era qualquer coisa não! A cidade se preparou, tava um brinco. O candidato chegou num dia e se picou no outro, foi o presidente que mais demorou em Conquista. Tinha que sair catando votos e apagando a fama de ditador Brasil afora. Aqui em Conquista o foguetório em sua homenagem foi comentado até em Salvador. O comício foi na Praça Barão do Rio Branco, que faz parte da história política de Conquista. A praça tava lustrando! Parecia uma capital no feriado de 7 de Setembro, só tinha gente arrumada! Mas, como em todo comício, tinha vendedor de tudo o que se pode imaginar: mariola, quebra queixo, taboca, rolete de cana, doce de umbu, pirulito…”Olha o pirulito enfiado no palito”. E é claro, não podia faltar doido, como a Terra do Frio sempre foi carente de doidos, mandaram buscar dois numa cidade vizinha. Comício sem doido não é comício. Um discursando a favor e o outro contra o presidente. Correu tudo como planejado pelas senhoras da terra, o comício foi impecável e o ex-presidente ficou muito grato com a simpatia e os prováveis votos obtidos no Planalto da Conquista. A Terra do Frio parece que votou fechado com Getúlio Vargas, tem até um busto dele na Serra do Maçal (quanto à votação unânime, eu não tenho certeza. Dr. Rui Medeiros pode informar melhor sobre isso e sobre o caso seguinte). Continue lendo Essa estória de história com “H”

Condeúba: Hoje dia 3 de março de 2018, completa meio século da destruição da cidade baixa pela enchente do Rio Gavião

Por Oclides da Silveira

Ponte Imaculada Conceição sobre o Rio Gavião

Triste e dolorosas catástrofes surgiram em Condeúba, quando das enchentes do Rio Gavião, que deixou parte da cidade debaixo de água, transformando em descombros e ruínas, com as enchentes que ocorreram nos meses de abril de 1914, 03 de março de 1968 e por último a enchente de 1989. Sendo a que mais causou estrago foi a enchente de 1968, que hoje dia 3 de março de 2018, está completando meio século. Continue lendo Condeúba: Hoje dia 3 de março de 2018, completa meio século da destruição da cidade baixa pela enchente do Rio Gavião

Conquista Assim Tudo Começou

Por Nando da Costa Lima

Nando-NandãoA mata estava nublada, não dava pra enxergar um palmo adiante do nariz, o frio gelava os ossos, mesmo cansados e congelados os homens continuavam a caminhada mata adentro, o capitão mor tinha dobrado o pagamento para que aquela empreitada se realizasse antes do sol nascer. Tinham que acabar com aqueles índios que estavam impedindo a entrada da civilização na melhor faixa de terra do planalto. Eram as terras dos mongoiós, uma gente pacífica que apenas reagia às invasões de sua terra, só queriam permanecer no lugar que era seu por direito , eles estavam a mais de uma légua da grande aldeia justamente para impedir a entrada dos desbravadores, estavam em maior número , mas as armas usadas pelos brancos desequilibraram a batalha. Era tanto índio , que os clavinotes explodiam de tanto serem recarregados. A briga foi feia, o mestre de campo quando viu que seus homens estavam fraquejando, prometeu ajoelhado que construiria uma capela naquele local, pra Nossa Senhora das Vitórias, se eles derrotassem os índios. O resto do pessoal se contagiou com a fé do chefe, lançaram mão dos facões e decidiram a batalha no combate corpo a corpo, a luta foi penosa, mas eles saíram vitoriosos. Os índios que não morreram foram capturados. Continue lendo Conquista Assim Tudo Começou

Artigo: O oprimido e a opressão

Artigo:  Levon Nascimento

ditadura-para-a-ordem-e-para-o-progressoA opressão não seria tão violenta e persistente se não contasse com o conformismo ou, até mesmo, a colaboração dos oprimidos frente aos opressores.

Os 350 anos da brutal e desumana escravidão negra no Brasil não teriam durado tanto se, num dado momento da história, muitos escravizados não tivessem começado a achar que aquilo era destino (sina) e, outros, a navegar no próprio sistema escravocrata, passando a colaborar com seus senhores em troca de pequenos favores, à forma de migalhas: os capitães do mato.

A dominação feminina em diferentes tempos ou em diversos tipos de sociedade, só foi possível graças ao fato da maioria das mulheres aceitarem a condição de submissas ao poder discricionário dos homens. Continue lendo Artigo: O oprimido e a opressão

Condeúba: As guerreiras negras da divisa da Bahia com Minas

* Por Levon Nascimento

Levon Nascimento Casinha pau a pique enchimento Feliciana Mandaçaia CondeúbaCasa de Feliciana e José Martins, ainda de pé em foto de 2007.
Feliciana era uma mulher negra que viveu no Areial, região próxima do Morro da Feirinha, na zona rural de Condeúba, Bahia, divisa com o norte de Minas Gerais.

Ela fazia peneiras de taquaras retiradas de coqueiros e outras palmeiras, junto com as filhas Joaquina, Rita, Euflosina e Francisca. Era a única riqueza de seu trabalho que conseguiam comercializar. Artesãs de mão cheia! As taquaras eram amarradas com cordão de algodão lubrificado com cera de abelha. Começo, meio e fim do processo produtivo todo dominado por elas.

peneira de pindoba taquaraFabricação de peneiras de taquaras

A terra onde Feliciana morava ficava sob um pedregulho aos pés do morro. Era assim desde seus pais e avós. Herança dos tempos do cativeiro. Quem sabe, um resquício de quilombo? Talvez, um dos poucos pedaços de chão que sobrou para ela e outros negros da região. Os terrenos bons eram propriedades de brancos. Continue lendo Condeúba: As guerreiras negras da divisa da Bahia com Minas

Judiciário vai fechar 60 Comarcas no Estado da Bahia, inclusive Condeúba

Por Oclides da Silveira

IMG-20170417-WA0028O Judiciário do Estado da Bahia relacionou 60 Comarcas para serem fechadas, Condeúba está entre elas. No inicio a então Santo Antonio da Barra pertencia a Comarca de Caetité. Só passou a ser Comarca de Condeúba quando foi criada a Lei Estadual nº 1997 de 9 de julho de 1880, por tanto há 137 anos atrás.

O Judiciário condeubense que não concorda com o fechamento da nossa Comarca, estará iniciando um movimento contrário, já com uma agenda da primeira reunião a ser realizada na próxima quarta feira dia 19/4 pela manhã às 09:00h no Fórum Des. Jaime Bulhões em Condeúba.

Neste primeiro ato de protesto deverão estar presentes os Prefeitos dos Municípios de Condeúba, Cordeiros e Piripá, além dos Presidentes das respectivas Câmaras e demais vereadores.

Como é difícil se chamar Ideilce

Recebemos uma história criada por Valdir Fachini sobre a esposa dele Ideilce, ela é baiana, especificamente do Paiol, distrito de Jacaraci/Ba, mas, no texto Ele cita como se fosse Distrito de Caculé. Valdir tem 63 anos e mora atualmente em Campinas/SP com sua bela esposa Ideilce. Nós da Folha de Condeúba publicamos abaixo mais uma curiosidade da nossa região.

Como é difícil se chamar Ideilce

O meu nome é esse aí, do título, sem tirar nem por. É difícil de acreditar, mas é isso aí. Então você pergunta: Como pode alguém se chamar assim? É fácil, é só ter um par de pais doidos como eu tive. Continue lendo Como é difícil se chamar Ideilce

Condeúba: Há 24 anos atrás morria o maior líder político Antônio Terêncio

Pelo Prof. Agnério

antonio-terencio-copiaBiografia de Antônio Terencio

Antônio Farias Terêncio é filho de Apolônio da Silva Terêncio e dona Sinésia Farias Terêncio. Nasceu em 27 de maio de 1926 na Fazenda Cachoeira no lugar denominado “Deus me livre”. Na época, a família havia se retirado para o campo, porque a Coluna Prestes ocupava a cidade e não havia condições de se proteger da fúria dos revolucionários, comandados por Luis Carlos Prestes e Antônio Siqueira Campos. Seus irmãos são: Geraldo Terêncio, Eunice Gomes (in memória), Rita Oliveira, José Maria Terêncio e Maria do Rosário Amorim. Continue lendo Condeúba: Há 24 anos atrás morria o maior líder político Antônio Terêncio

12 de outubro é Dia da Imprensa Condeubense

imprensaPor Oclides da Silveira

Dia 12 de outubro feriado nacional de Nossa Senhora Aparecida padroeira do Brasil, essa data é comemorada ainda como o dia da criança. Em Condeúba pela segunda vez, a população está comemorando também o dia municipal da Imprensa, graças ao Projeto de Lei nº 002 de 19 de fevereiro de 2015 de autoria das vereadoras Cida de Lerim e Nena, que foi aprovado por unanimidade pelos Edis na Câmara Municipal e, que posteriormente se tornou a Lei nº 897 de 30 de abril de 2015 promulgada pelo Prefeito Guto. Continue lendo 12 de outubro é Dia da Imprensa Condeubense