Arquivo da tag: Eleições 2018

AGORA É OFICIAL: LULA É CANDIDATO

Confirmado o registro da candidatura do ex-presidente Lula à presidência da República; foi postada nas redes sociais a foto do registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral, que mobilizou dezenas de milhares de manifestantes em Brasília

15 DE AGOSTO DE 2018 ÀS 17:29 // INSCREVA-SE NA TV 247 Youtube

247 – Confirmado o registro da candidatura do ex-presidente Lula à presidência da República. Foi postada nas redes sociais de Lula, às 17h21 desta quarta-feira 15, a foto do registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral, que mobilizou dezenas de milhares de manifestantes em Brasília.

Foram ao TSE efetuar o registro a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann; a ex-presidente Dilma Rousseff; o ex-prefeito Fernando Haddad e a deputada Manuela D´Avila, que desistiu da candidatura a presidente pelo PCdoB para ser vice na chapa do PT depois que o TSE julgar a candidatura de Lula.

Haddad anunciou que irá “rodar o país” para levar a mensagem de Lula aos eleitores. “Queremos que ele [Lula] esteja presente nos debates. Queremos que a legislação a partir de hoje autorize. O artigo 16 do Código Eleitoral é claríssimo. Enquanto a candidatura estiver sub judice, ela goza das mesmas prerrogativas de qualquer outra candidatura”, declarou.

Confira o texto publicado no site de Lula:

LULA É OFICIALMENTE CANDIDATO À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

É oficial! Lula é o candidato do Partido dos Trabalhadores à Presidência da República. A candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva foi registrada oficialmente junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quarta-feira (15/08). O registro foi feito nos braços do povo: milhares de pessoas participaram da Marcha Lula Livre, que terminou em um grande ato popular em Brasília, celebrando o registro oficial Lula candidato.

Nas palavras de Fernando Haddad, vice-presidente na chapa de Lula (uma coligação entre PT, PCdoB e Pros) e seu porta-voz, “o registro da candidatura de Lula é um ato de obediência à vontade do povo e à Constituição Federal”.

Na data, 152 juristas entregaram carta em que defendem a Constituição Federal, a legalidade e a candidatura de Lula. O apoio nacional e internacional à candidatura de Lula vem crescendo, e os juristas são enfáticos em afirmar que Lula tem direito a ser candidato, participar de debates e ter seu nome nas urnas no próximo dia 7 de outubro.

No dia 15, o ex-presidente fez questão de mandar um recado: “dá pra construir um Brasil melhor e vocês sabem disso, porque já vivemos isso”.

É Lula 2018, pra fazer #OBrasilFelizdeNovo

Eleições 2018: Pesquisa aponta que 59% dos eleitores estão indecisos ou podem votar em branco ou nulo

Uma pesquisa encomendada pela RecordTV ao instituto RealTime Big Data, divulgada nesta segunda-feira (13), mostrou que 59% dos eleitores brasileiros entrevistados ainda não têm candidato à Presidência da República.

O levantamento, realizado após serem definidos dos 13 postulantes ao Planalto, apontou que 47% do eleitorado está indeciso e 12% votaria em branco ou nulo.

Os percentuais foram colhidos a partir de respostas à pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são citados.

Também nesse cenário, a pesquisa mostrou que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lideram as intenções de voto com 15% e 13%, respectivamente. O resultado indica empate técnico porque a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou mais menos.

Em seguida aparecem, também empatados, Geraldo Alckmin (PSDB), com 4%, Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT), ambos com 3%, e Álvaro Dias (Podemos), com 2%. O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que pode substituir o ex-presidente Lula como candidato do PT, foi lembrado por 1% dos entrevistados.

A pesquisa RealTime Big Data/RecordTV entrevistou 3.200 pessoas, presencialmente, entre 10 e 12 de agosto. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-09102/2018.

No cenário de pesquisa estimulada, quando são apresentados os nomes dos candidatos, o ex-presidente Lula é líder com 29%, contra 19% de Bolsonaro.

Na sequência, quatro candidatos estão empatados tecnicamente: Alckmin (9%), Marina (8%), Ciro (7%) e Álvaro Dias (6%). Guilherme Boulos (PSOL), João Amôedo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) aparecem com 1%. Votos em branco ou nulo somam 12% e indecisos, 7%.

Quando a pesquisa substituiu o nome de Lula por Haddad, a liderança ficou com Bolsonaro, tendo 21%. Em segundo lugar, Marina Silva (11%), Alckmin (9%) e Ciro (8%) estão empatados tecnicamente. Nesse levantamento, o número de indecisos vai a 16% e o de brancos e nulos, 20%.

Segundo Turno – A pesquisa da RecordTV também traçou panoramas em caso de segundo turno da eleição presidencial.

Veja os percentuais:

LULA X JAIR BOLSONARO

Lula: 43%
Bolsonaro: 35%
Branco/nulo: 16%
Indecisos: 6%

LULA X GERALDO ALCKMIN

Lula: 43%
Alckmin: 31%
Branco/nulo: 18%
Indecisos: 8%

JAIR BOLSONARO X GERALDO ALCKMIN

Bolsonaro: 39%
Alckmin: 35%
Branco/nulo: 19%
Indecisos: 7%

JAIR BOLSONARO X MARINA SILVA

Marina: 41%
Bolsonaro: 37%
Branco/nulo: 15%
Indecisos: 7%

JAIR BOLSONARO X CIRO GOMES

Bolsonaro: 38%
Ciro Gomes: 33%
Branco/nulo: 24%
Indecisos: 5%

JAIR BOLSONARO X FERNANDO HADDAD

Bolsonaro: 39%
Haddad: 25%
Branco/nulo: 30%
Indecisos: 6%

GERALDO ALCKMIN X MARINA SILVA

Marina Silva: 38%
Alckmin: 31%
Branco/nulo: 25%
Indecisos: 6%

GERALDO ALCKMIN X CIRO GOMES

Alckmin: 35%
Ciro Gomes: 30%
Branco/nulo: 27%
Indecisos: 8%

Por fim, o levantamento ouviu a opinião dos brasileiros sobre o governo do presidente Michel Temer (MDB): 75% dos entrevistados (3 a cada 4) consideram que Temer faz um governo ruim ou péssimo; 18% avaliam a gestão como regular; 5% como ótimo ou bom; 2% não souberam responder.

Eleições 2018: PT oficializa Lula como candidato: “atitude mais desafiadora que tivemos”

A convenção nacional do PT, em São Paulo, oficializou a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Presidência da República, neste sábado (4). O ex-presidente foi confirmado por aclamação dos cerca de 600 delegados que participam do evento.

“Este talvez seja o ato mais forte de desobediência civil do povo brasileiro: resistir com o Lula”, afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “Eles [juízes e promotores] acharam que prendendo Lula, iam acabar com ele e com o PT… Mas Lula continua crescendo”, argumentou, dizendo que a luta política “vai até o fim”.

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) contou como está a disposição do candidato a presidente para a corrida eleitoral deste ano. “Quando eu fui lá [na prisão, em Curitiba] visitá-lo, encontrei ele de manhã cedo com roupa de academia e suada. Ele me disse que levantou cedo pra fazer ginástica porque ‘eu tô me preparando para voltar’.”

Antes da oficialização, uma carta de Lula foi lida. “A juíza Carolina Lebbos decidiu que não posso dar entrevistas ou gravar vídeos. Parece que não bastou me prender, quer me calar. Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo com o povo? Não querem que eu discuta soluções para esse país? É para isso que vocês, poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita e humilharam o pais internacionalmente e me condenaram sem provas? Tudo isso com medo de eu dar entrevistas?”, escreveu Lula.

“Estou nesta cela, mas são os que me condenaram que estão presos à mentira que armaram. Sou candidato porque não cometi nenhum crime. Desafio a mostrarem provas do que fiz para estar nessa cela. Se querem me derrotar, façam de forma limpa, nas urnas, discutam propostas para o país e tenham responsabilidade”, disse a mensagem.

No texto, Lula encerra dizendo que o Brasil precisa “restaurar sua democracia, precisa se reencontrar consigo mesmo e ser feliz de novo” e diz que mantém a fé no povo. “A fé dos brasileiros contra o complexo de vira-latas é a solução para a crise que vivemos”.

Em tese, a condenação em segunda instância na Operação Lava Jato deixa o ex-presidente inelegível pelos critérios da Lei da Ficha Limpa. Mesmo assim, o PT diz que vai registrá-lo. A legalidade da candidatura depende de uma análise da Justiça Eleitoral.

Lula lidera as principais pesquisas de intenções de voto para a corrida presidencial. Nos cenários sem ele, quem aparece à frente é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Em convenção do MDB, Herzem apoia Lúcio e pede benção de Deus para a família de Geddel

O prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão, parece não temer o “contágio” da impopularidade. Depois de se declarar “um grande admirador” de Temer e dizer que este “salvou o Brasil”, dessa vez o gestor de Conquista ganhou os holofotes da imprensa ao defender publicamente os irmãos Vieira Lima.

Na convenção do MDB que confirmou a candidatura do ex-ministro João Santana ao governo da Bahia, Gusmão fez um polêmico discurso de agradecimento elogiando a atuação do ex-ministro e atual presidiário Geddel Vieira Lima e seu irmão, o deputado Lúcio: “Estou com Lúcio e tenho certeza que Conquista vai responder pela dedicação que ele tem com o município” e enfatizou: “Que Deus abençoe a família”.

Em dezembro, a Procuradoria-Geral da República denunciou a família, incluindo um ex-funcionário da dupla de políticos,Job Ribeiro Brandão. Job afirmou à Polícia Federal que destruiu documentos a pedido dos emedebistas. Segundo a denúncia, Marluce, a mãe, usou sua casa para armazenar parte da quantia de R$ 51 milhões encontrados em Salvador, na maior apreensão de dinheiro vivo da história do País.

Segundo o Ministério Público Federal, o dinheiro teve como possíveis origens propinas da construtora Odebrecht; repasses do operador financeiro Lúcio Funaro; e desvios de políticos do MDB.

Lúcio Vieira Lima ainda é suspeito de ter se apropriado de parte dos salários de dois funcionários de seu gabinete e de usar servidores para serviços privados. O aliado de Herzem, responde a um processo de cassação de mandato pelo Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, que devido a várias manobras de Lúcio, está sendo protelado ao máximo para dar tempo chegar as eleições

Com informações do Bocão News, Carta Capital e G1

Rui Costa visita Brumado com a caravana do Programa de Governo Participativo

Foto: Lay Amorim/Achei Sudoeste

O governador Rui Costa (PT), pré-candidato à reeleição no estado da Bahia, em turnê com a caravana do Programa de Governo Participativo (PGP) pela região sudoeste, visitou também o município de Brumado, onde foi recebido pelo prefeito Eduardo Lima Vasconcelos (PSB) e seu vice Édio da Silva Pereira (PCdoB), o Continha, demais prefeitos e vice-prefeitos de cidades circunvizinhas, além de vereadores, lideranças políticas e secretários municipais de toda a microrregião.

A caravana do PGP chegou em dois ônibus, tendo a bordo pré-candidatos ao senado, à câmara dos deputados, bem como à Assembleia Legislativa da Bahia. Um bom público lotou o salão de evento do Clube Social de Brumado, local escolhido para o encontro. Na oportunidade, parte da mesa discursou sobre as propostas do PGP em ouvir as reivindicações das comunidades representadas.

Faixas e cartazes fixados nas plataformas do local expressaram os principais anseios dos prefeitos convidados. Ovacionado pelo público com fogos, o prefeito Eduardo Vasconcelos reforçou os clamores pela duplicação da barragem de Cristalândia, pela instalação do sistema de esgotamento sanitário e pela implantação da policlínica regional de saúde.

O governador ouviu atentamente os pedidos e, em seu pronunciamento de 30 minutos, confiante em sua recondução ao Palácio de Ondina, garantiu que priorizará tais projetos a partir de 2019. Além de Brumado, a caravana PGP também visitou o município de Guanambi e, neste final de semana, já passou por Vitória da Conquista e vai até Jequié.

Eleições 2018: Marina Silva investe em rede de voluntários para campanha de baixo orçamento

Acostumada a definir suas tentativas de chegar à Presidência —além deste ano, em 2010 e 2014— como uma “luta de Davi contra Golias”, a pré-candidata da Rede, Marina Silva, aposta em 2018 numa “profissionalização” de sua rede de voluntários para tentar vencer a falta de recursos.

Em uma campanha de vacas magras para todos os candidatos, o partido da ex-senadora, que está em segundo lugar nas pesquisas (em cenários sem o ex-presidente Lula), terá uma soma escassa: do fundo eleitoral de R$ 1,7 bilhão, ficará com cerca de R$ 10 milhões.

Para Marina, serão reservados R$ 5 milhões, além do dinheiro de doações de pessoas físicas —na vaquinha online, até as 19h30 de quinta (19), elas somavam R$ 74 mil.

Para suprir a demanda de serviços e articular as ações da campanha, a coordenação montou o movimento Somos Marina, que hoje conta com cerca de 7.000 pessoas em diversas regiões do Brasil. Continue lendo Eleições 2018: Marina Silva investe em rede de voluntários para campanha de baixo orçamento

COM MEDO DA DERROTA,PSDB MINEIRO PLANEJA IMPUGNAR CANDIDATURA DE DILMA AO SENADO

O presidente do diretório tucano mineiro, Domingos Sávio, afirma que a legislação sobre o impeachment é clara porque determina, além da perda do mandato, a cassação dos direitos políticos.

O PSDB de Minas gerais planeja pedir a impugnação da candidatura da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) ao Senado. Segundo a Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo, o presidente do diretório tucano mineiro, Domingos Sávio, afirma que a legislação sobre o impeachment é clara porque determina, além da perda do mandato, a cassação dos direitos políticos.

Ainda segundo ele o acordo feito no Senado no dia em que houve a votação para sagrar o fim do governo da petista, que acabou livrando-a de perder os direitos políticos, não seria suficiente para garantir sua candidatura. Na avaliação dele, o próprio Ministério Público Eleitoral vai pedir a impugnação. Caso isso não ocorra, o PSDB está disposto a fazê-lo.

Ainda conforme a publicação, pelo menos um ministro do TSE e um do Supremo concordam com a avaliação de Sávio de que a “decisão do Senado não redime a petista da condenação”

O fato é que Dilma tem grandes chances de vencer a eleição e o PSDB de Minas está com medo de encarar nas urnas, uma vez que o então líder todo poderoso, Aécio Neves vai sendo excluído da história com uma mancha que só tende a crescer.

PESQUISA IBOPE DIZ QUE LULA PRESO TEM O DOBRO DOS VOTOS DE BOLSONARO LIVRE

O ex-presidente Lula (PT) lidera a pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (28) com 33% das intenções de voto ao Palácio do Planalto, índice superior ao dobro do porcentual obtido pelo segundo colocado, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), com 15%.
Com 7% dos votos, a ex-ministra Marina Silva (Rede) segue na terceira posição. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), estão empatados na quarta colocação, com 4%.
O levantamento ouviu dois mil eleitores, foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (BR-02265/2018) e realizado em 128 municípios entre os dias 21 e 24 de junho.
– Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 33%
– Jair Bolsonaro (PSL): 15%
– Marina Silva (Rede): 7%
– Ciro Gomes (PDT): 4%
– Geraldo Alckmin (PSDB): 4%
– Álvaro Dias (Podemos): 2%
– Manuela D’Ávila (PC do B): 1%
– Fernando Collor de Mello (PTC): 1%
– Flávio Rocha (PRB): 1%
– Levy Fidelix (PRTB): 1%
– João Goulart Filho: 0%
– Outro com menos de 1%: 2%
– Brancos/Nulos: 22%
– Não sabe/não respondeu: 6%
Marina encosta em Bolsonaro no cenário sem Lula
A ex-ministra Marina Silva (Rede) empata tecnicamente com o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) na liderança da pesquisa de intenções de votos ao Palácio do Planalto divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Ibope, em um cenário que não conta com a participação do ex-presidente Lula (PT).
Enquanto o parlamentar aparece com 17% dos votos, a ambientalista segue na cola com 13% e emparelha com o opositor graças à margem de erro do levantamento: dois pontos percentuais para mais ou para menos.
O outro destaque para este cenário fica para o índice de brancos e nulos: 33%.
O levantamento foi encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), ouviu dois mil eleitores, foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (BR-02265/2018) e realizado em 128 municípios entre os dias 21 e 24 de junho.
Intenção de voto espontânea (quando não é apresentada uma lista de candidatos):
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 21%
Jair Bolsonaro (PSL): 11%
Marina Silva (Rede): 2%
Ciro Gomes (PDT): 2%
Álvaro Dias (Podemos): 1%
Geraldo Alckmin (PSDB): 1%
João Amôedo (Novo): 1%
Outro com menos de 1%: 3%
Branco/nulo: 31%
Não sabe/não respondeu: 28%
Rejeição de voto para presidente da República:
Fernando Collor de Mello (PTC): 32%
Jair Bolsonaro (PSL): 32%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 31%
Geraldo Alckmin (PSDB): 22%
Ciro Gomes (PDT): 18%
Marina Silva (Rede): 18%
Rodrigo Maia (DEM): 13%
Fernando Haddad (PT): 12%
Henrique Meirelles (MDB): 11%
Levy Fidelix (PRTB): 10%
Aldo Rebelo (SD): 9%
Álvaro Dias (Podemos): 9%
Flávio Rocha (PRB): 9%
Guilherme Boulos (PSOL): 9%
João Gourlart Filho (PPL): 9%
Manuela D’Ávila (PCdoB): 9%
João Amôedo (Novo): 8%
Guilherme Afif: 8%
Paulo Rabello (PSC): 8%
Valéria Monteiro (PMN): 8%
Poderia votar em todos: 2%
Não sabe/não respondeu: 11%

Fonte: O EXPRESSO LEM

Chapa de Rui Costa não tem Lídice nem Carletto

Anunciada oficialmente nesta segunda-feira, 25 de junho, a chapa majoritária governista que vai disputar a sucessão estadual em outubro terá na cabeça o governador Rui Costa (PT), candidato à reeleição; João Leão (PP) como vice, também candidato à reeleição e ainda Jaques Wagner (PT) e Ângelo Coronel (PSD) candidatos ao Senado. Ficaram de fora a senadora Lídice da Mata (PSB) e o deputado federal Ronaldo Carletto (PP), que criou a expectativa entre os eleitores de que poderia vir se candidatar ao Senado. nenhuma surpresa, portanto.

Lula tem 30%, Bolsonaro, 17%, Marina, 10%, aponta pesquisa Datafolha para 2018

Do G1 – Uma pesquisa do Instituto Datafolha foi divulgada neste domingo (10) pelo jornal “Folha de S.Paulo” com índices de intenção de voto para a eleição presidencial de 2018. Foram feitas 2.824 entrevistas entre 6 e 7 de junho, em 174 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja os resultados dos 4 cenários pesquisados no 1º turno:

Cenário 1 (Se Lula for candidato)

Lula (PT): 30%
Jair Bolsonaro (PSL): 17%
Marina Silva (Rede): 10%
Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
Ciro Gomes (PDT): 6%
Alvaro Dias (Podemos): 4%
Manuela D’Ávila (PC do B): oscila entre 1% e 2%
Rodrigo Maia (DEM): oscila entre 1% e 2%
Aldo Rebelo (SDD): oscila entre 0% e 1%
Fernando Collor de Mello (PTC): oscila entre 0% e 1%
Flávio Rocha (PRB): oscila entre 0% e 1%
Guilherme Afif Domingos (PSD): oscila entre 0% e 1%
Guilherme Boulos (PSOL): oscila entre 0% e 1%
Henrique Meirelles (MDB): oscila entre 0% e 1%
João Amoêdo (Novo): oscila entre 0% e 1%
João Goulart Filho (PPL): oscila entre 0% e 1%
Josué Alencar (PR): oscila entre 0% e 1%
Levy Fidelix (PRTB): oscila entre 0% e 1%
Paulo Rabello de Castro (PSC): não alcança 1% em nenhum cenário
Sem candidato: 21%

Cenário 2 (Se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula)

Jair Bolsonaro (PSL): 19%
Marina Silva (Rede): 15%
Ciro Gomes (PDT): 10%
Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
Alvaro Dias (Podemos): 4%
Fernando Haddad (PT): 1%
Sem candidato: 33%

Cenário 3 (Se o PT lançar Jaques Wagner no lugar de Lula)

Jair Bolsonaro (PSL): 19%
Marina Silva (Rede): 14%
Ciro Gomes (PDT): 10%
Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
Alvaro Dias (Podemos): 4%
Jaques Wagner (PT): 1%
Sem candidato: 33%

Cenário 4 (Se o PT ficar fora da eleição)

Jair Bolsonaro (PSL): 19%
Marina Silva (Rede): 15%
Ciro Gomes (PDT): 11%
Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
Alvaro Dias (Podemos): 4%
Sem candidato: 34%

Cenários pesquisados para o 2º turno

Cenário 1 (se Lula for candidato e chegar ao 2º turno)

Lula (PT): 49%
Jair Bolsonaro (PSL): 32%
Branco/nulo: 17%
Não sabe: 1%

Cenário 2 (se Lula for candidato e chegar ao 2º turno)

Lula (PT): 49%
Alckmin (PSDB): 27%
Em branco/Nulo: 22%
Não sabe: 1%

Cenário 3 (se Lula for candidato e chegar ao 2º turno)

Lula (PT): 46%
Marina (Rede): 31%
Em branco/Nulo: 21%
Não sabe: 1%

Cenário 4 (se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula)

Alckmin (PSDB): 36%
Haddad (PT): 20%
Em branco/Nulo: 40%
Não sabe: 4%

Cenário 5 (se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula)

Bolsonaro (PSL): 36%
Haddad (PT): 27%
Em branco/Nulo: 34%
Não sabe: 3%

Cenário 6 (se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula)

Ciro (PDT): 38%
Haddad (PT): 19%
Em branco/Nulo: 38%
Não sabe: 4%

Cenário 7 (Sem Lula)

Ciro (PDT): 32%
Alckmin (PSDBB): 31%
Em branco/Nulo: 34%
Não sabe: 3%

Cenário 8 (Sem Lula)

Marina (Rede): 42%
Alckmin (PSDB): 27%
Em branco/Nulo: 29%
Não sabe: 2%

Cenário 9 (Sem Lula)

Alckmin (PSDB): 33%
Bolsonaro (PSL): 33%
Em branco/Nulo: 32%
Não sabe: 3%

Cenário 10 (sem Lula)

Marina (Rede): 42%
Bolsonaro (PSL): 32%
Em branco/Nulo: 24%
Não sabe: 2%

Cenário 11 (sem Lula)

Ciro (PDT): 36%
Bolsonaro (PSL): 34%
Em branco/Nulo: 28%
Não sabe: 3%

Cenário 12 (sem Lula)

Marina (Rede): 41%
Ciro (PDT): 29%
Em branco/Nulo: 28%
Não sabe: 2%

Influência

30% dizem que votariam em candidato indicado por Lula.
17% dizem que ‘talvez’ votariam em candidato indicado por Lula
51% dizem que rejeitariam em candidato indicado por Lula
65% dizem que rejeitariam candidato indicado por Fernando Henrique Cardoso
92% dizem que rejeitariam candidato indicado por Michel Temer