Arquivo da tag: Aposentadoria

Inclua trabalhos antigos e antecipe a aposentadoria

Larissa Quintino
do Agora (Reprodução)

Os segurados com contribuições ao INSS antes de 1976 podem encontrar dificuldades em incluir esse períodos na hora de pedir a aposentadoria.

Por mais que os valores não entrem no cálculo, usar essas contribuições mais antigas pode garantir até mesmo a antecipação da aposentadoria.

Para isso, é preciso ter em mãos a documentação que comprove o tempo trabalhado.

Essa dificuldade ocorre porque, até 1975, o instituto considerava como registro apenas as anotações na carteira de trabalho.

Um ano depois, a Rais (Relação Anual de Informações Sociais) foi criada e, até hoje, as empresas são obrigadas a informar os dados dos funcionários ao Ministério do Trabalho.

Quem perdeu a carteira de trabalho, por exemplo, ou tem algum período sob suspeita pode ter dor de cabeça para garantir esse reconhecimento do período anterior à Rais.

Atualmente, o Cnis (Cadastro Nacional de Informações Sociais) armazena esses dados antigos da Rais e, desde 1989, quando foi criado, é o principal documento usado na hora de conceder a aposentadoria.

Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria, mostra pesquisa do SPC Brasil e CNDL

Fonte: site.cndl.org.br / CDL (Conteúdo)

Estimativa é de 104,7 milhões de adultos que não se preparam. Orçamento apertado é principal justificativa. Média do valor reservado para a aposentadoria é de R$ 371. Brasileiros pretendem se aposentar aos 61 anos
O Brasil está envelhecendo rapidamente. Em anos recentes, a população de idosos está ganhando participação cada vez mais significativa em relação aos mais jovens. Embora a expectativa de vida tenha aumentado nas últimas décadas, a grande maioria dos brasileiros não se planeja, no presente, para garantir sua tranquilidade financeira quando for preciso ou desejar parar de trabalhar. A pesquisa O Preparo para Aposentadoria no Brasil, realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) indica que oito em cada dez brasileiros (78%) admitem que não estão se preparando para a hora de se aposentar enquanto apenas 19% dos não-aposentados têm se preparado, percentual que aumenta para 25% entre os homens, 26% entre os mais velhos e 30% nas classes A e B. Continue lendo Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria, mostra pesquisa do SPC Brasil e CNDL

Prepare-se para ganhar mais na aposentadoria

Larissa Quintino
do Agora

O sonho da aposentadoria exige cuidados para que o trabalhador consiga ter uma grana a mais no futuro.

Porém, muita gente, além de desconhecer seus direitos, não se programa para parar de trabalhar.

Uma pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) mostra que oito em cada dez brasileiros não se preparam para a aposentadoria.

Conhecer as regras do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) pode ajudar o trabalhador a ter um benefício melhor.

Há hoje dois tipos de aposentadoria: por tempo de contribuição e por idade.

Em ambos os casos, quem conseguir comprovar mais tempo de pagamentos terá uma aposentadoria melhor.

Na regra por tempo de contribuição, por exemplo, há o fator previdenciário. O índice é aplicado na média salarial de quem pede a aposentadoria e, normalmente, reduz o benefício.

Porém, com a fórmula 85/ 95, em vigor desde 2015, é possível fugir desse redutor e conseguir a aposentadoria integral.

A regra é simples: mulheres que atingirem 85 pontos, somando idade e tempo de contribuição, anulam o fator. Para os homens, a pontuação é de 95.

Saiba quando compensa fechar acordo com o INSS

Fernanda Brigatti
do Agora

O governo vem buscando reduzir o estoque de ações judiciais de segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e está propondo acordos para encerrar os processos.

Desde que o projeto começou, 41,8 mil aposentados, pensionistas ou beneficiários de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez aceitaram abrir mão de algum pedido feito na ação em troca de acabar com pedido judicial.

Quanto maiores os indícios de que o segurado vai ganhar a ação, maiores as chances de um acordo vantajoso.

Antes de aceitar, porém, o segurado deve analisar cada condição do acordo.

É comum, por exemplo, o INSS propor encerrar a ação de benefício por incapacidade e definir o pagamento do auxílio por um período determinado.

O cuidado necessário ao segurado é observar se o acordo não o impede de voltar a cobrar esse benefício na Justiça no futuro.

Evite a pressa na hora de pedir a sua aposentadoria

Fernanda Brigatti
do Agora

As discussões em torno da reforma da Previdência voltaram e, com isso, a possibilidade de perder o direito à aposentadoria ou de acabar com um benefício menor voltam a preocupar segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Embora natural, a preocupação não deve fazer o segurado acelerar o pedido de benefício.
Essa pressa, ressaltam especialistas, pode resultar em prejuízo.

A primeira questão a se ter em mente no momento é que os trabalhadores que completarem o tempo mínimo de contribuição ao INSS, de 35 anos para os homens, e de 30, para as mulheres, não serão afetados pelas novas regras da reforma.

Veja como conferir se o valor da sua aposentadoria do INSS está certo

Leda Antunes do Agora

Além de ter que aguardar mais de 90 dias para se aposentar no Estado de São Paulo, o trabalhador pode levar um susto quando finalmente receber o benefício, mas o valor for muito menor do que esperava.

O Agora mostra hoje como conferir se o cálculo feito pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) está correto e o que fazer se encontrar algum erro.
Todos esses detalhes aparecem na carta de concessão da aposentadoria, que traz a memória do cálculo.

O documento é enviado por carta pelo INSS ou então pode ser obtido pela internet, no site Meu INSS (meu.inss.gov.br)

Para definir o valor da aposentadoria, a Previdência considera apenas as contribuições feitas durante o plano Real, após julho de 1994.

INSS: Aposentadoria por idade pode ser automática

previdencia-social-inssOs segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) não precisarão mais comparecer a um posto de atendimento para pedir a aposentadoria por idade. Portaria publicada no “Diário Oficial da União” no dia 28 de julho determina que haverá o reconhecimento automático do direito, a partir da verificação das informações constantes nos sistemas corporativos do INSS e nas bases de dados do governo.

O INSS então enviará comunicado aos segurados sobre a concessão do benefício. O segurado poderá então requerer a concessão do benefício por meio do número 135. Para a realização do pedido será solicitada a confirmação dos dados pessoais, como ocorre no Sistema de Agendamento. De acordo com a portaria, o benefício poderá ser confirmado no ato ou poderá ser solicitado contato posterior para confirmação. A data da ligação para a Central 135 será considerada como a Data de Entrada do Requerimento.

Após processamento do reconhecimento do direito, o INSS enviará comunicado ao cidadão indicando as informações sobre os dados da concessão e pagamento do benefício. Atualmente, o reconhecimento não é automático – o segurado precisa agendar o pedido pelo 135 e deve ir até uma agência da Previdência Social para dar entrada no requerimento.

Para a aposentadoria por idade o trabalhador deve ter o mínimo de 180 meses de trabalho, além da idade mínima de 65 anos (homem) ou 60 anos (mulher). Para segurados especiais como agricultores familiares, pescadores artesanais e indígenas, a idade mínima é reduzida em cinco anos. As informações são do G1.

Ministro da Fazenda quer idade mínima de 65 anos para aposentadoria do INSS

aposentadoria-06O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deixou claro que pretende defender uma idade mínima para pedir o benefício da aposentadoria, tanto para homens quanto para mulheres, aos 65 anos. Hoje, os brasileiros se aposentam, em média, aos 57 anos.

Meirelles voltou a dizer que o sistema previdenciário brasileiro não é sustentável. De acordo com ele, há o risco de pessoas que estão hoje no mercado chegarem ao período de aposentadoria e o sistema não ter como pagá-las.

Por isso, a necessidade de mudar as regras de concessão dos benefícios é urgente. Segundo o ministro, nada está decidido.

Na última quarta-feira (18), um grupo formado por representantes do governo e de centrais sindicais se reuniu para debater o tema. A proposta será apresentada em 3 de junho.