Quando descobri o Natal: Papai Noel e Jesus

Por Levon Nascimento

Papai Noel e Jesus Levon NascimentoLevon Nascimento(Texto originalmente publicado em 25 de dezembro de 2009. Reformulado e reescrito em partes nesta data)

Em tempos de Natal, resolvi buscar no baú da memória as referências que tenho sobre as personagens/personalidades que fazem parte dessa festa.

Pelo que me lembro, a primeira vez em que ouvi falar e vi o Papai Noel foi no Natal de 1980.

Nós morávamos em Taiobeiras/MG, tinha um ano, mas meu Pai levou a família para passar o Natal em Cordeiros/BA. Estávamos na casa de Tia Ana, que ficava em frente à Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus da Boa Vida (a igreja velha que foi demolida nos anos 1990 para dar lugar à construção da nova).

Era início da noite. Passou uma caminhonete C10 com um homem vestido de vermelho e com uma barba branca, feita de algodão. Atrás, vinha uma meninada sem fim. Meu irmão, meus primos e eu fomos atrás. Ele jogava balas para todos. Não me lembro se conseguimos apanhar alguma no meio daquele corre-corre, empurra-empurra.

Sei que o destino final do homem fantasiado de “bom velhinho” foi um coreto acoplado aos fundos da igreja. Quem já viu o filme “O Auto da Compadecida” sabe como é o coreto do qual estou falando. Lá continuou a jogar mais balas para a criançada. Não sei se levava presentes para alguém. Naquele tempo eu não me preocupava com isto. Senti uma enorme alegria por estar ali.

Só depois fui entender que se tratava do Natal. Natal – que significa nascimento. Nascimento de quem? Mas essa pergunta eu só fiz muito tempo após.

E quando a fiz, sobre quem nascera no Natal, é que fiquei sabendo de que se tratava de um certo menino, Jesus, que embora nascera cerca de 2000 anos antes, nessa época do ano continuava menino, no presépio, acompanhado do pai e da mãe.

O primeiro Presépio que vi, aliás, foi em minha casa, creio que naquele mesmo ano do Papai Noel, ou no ano anterior. Não sei ao certo. Eu ainda não ligava uma coisa com a outra. Chamou-me a atenção o colorido das coisas e as diversas imagens que lá foram colocadas. Não somente José, Maria e o Menino Jesus, mas também todos os santos do lar realizaram um tour pela gruta de Belém erguida por minha mãe.

Ai me veio o questionamento, quando foi a primeira vez que eu vi Jesus? E ruminando nas lembranças, percebi que foi em situação bem menos auspiciosa do que naquela em que me encontrei com o Velho Noel.

De novo, foi em Cordeiros. Acho que em 1979. Ainda não havíamos mudado para Taiobeiras, o que só ocorreria em setembro daquele ano.

Era uma sexta-feira santa, também à noite. Mais novo ainda, eu me via caminhando entre uma multidão (procissão). Em outros momentos alguém me carregava nos ombros. Mas eu já era bem grandinho e de novo voltava ao chão.

Num desses instantes vi que uma mulher vestida com uma longa roupa escura, a cabeça coberta por um véu, subiu num banquinho e começou a cantar uma canção triste. Enquanto isso, desenrolava um pano que, ao final, continha um rosto todo marcado e sofrido. Perguntei de quem era o retrato. Disseram-me: “É Nossinhô, que morreu para nos salvar”.

Mais tarde é que correlacionei que “Nossinhô” e Jesus eram a mesma pessoa.

E mais, a fé diz que ele morreu, ressuscitou, venceu a morte e continua vivo. Menino, Homem e Ressuscitado!

Dos dois encontros da primeira infância, com o “Bom Velhinho” das balas e com o Jesus de Verônica, só tempos adiante pude tirar as conclusões: o primeiro é o doce desejo de consumir e o segundo, a necessidade de amar e partilhar sem limites.

Feliz Natal para você.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *