Não se deve discutir religião e política?

Por Levon Nascimento

religiaoAbraçar uma luta política, quer num partido ou noutro tipo de organização social, é escolha livre, eticamente direcionada e ideologicamente fundamentada. Isto é para pessoas corajosas e transformadoras, o que não as livra, e às suas organizações e escolhas, de equívocos e contradições.

Um partido político, um movimento social ou uma ONG são formados por gente. Humanos que pensam, divergem, erram, acertam, caem e se levantam.

Diferentemente da religião, que exige uma crença em dogmas (verdades absolutas), onde fé é lei e a dúvida é pecado, a política é o espaço do questionamento, da crítica e da contradição civilizada (ou não).

Ainda assim, a religião se organiza no íntimo dos indivíduos, mas se estrutura também em entidades coletivas: as comunidades conhecidas como igrejas, os grupos em torno das sinagogas, das mesquitas, dos terreiros, das casas espíritas, etc.

Assim como na política, igrejas são grupos de pessoas que discordam ou convergem. O problema é que, na maioria das vezes, há um espírito autoritário na religião que vê essas características tão naturais da inteligência humana como coisas negativas e as tenta esconder sob o véu da infalibilidade da fé e como desobediência à vontade de Deus.

No fundo, as organizações religiosas são extremamente políticas e, na maioria das vezes, adeptas das piores formas de se fazer política, a do autoritarismo, da repressão e do ódio. Mas há também os religiosos e as religiões que trabalham pelo bem comum, partilha, fraternidade e justiça.

É incrível como o cristianismo de Jesus se encaixa no viés da libertação humana, da misericórdia e da compaixão, ao mesmo tempo que a história da cristandade ocidental caminha pelo lado oposto, apenas a título de exemplo. E não é exclusividade dos cristãos essa aparente contradição.

Discordo de quem separa o mundo entre uma suposta religião que impera como vontade exclusiva de Deus e a política como o reino do diabo. Quem faz isso, é mais político do que pensa, mais diabólico do que divino, no sentido de que diabo significa dividir. Geralmente serve de fantoche aos que praticam política ruim. Pior, vive uma fé que não esclarece. Ao contrário, emburrece.

Política e religião são universos distintos, mas mentes inteligentes operam e transitam por ambas e em várias outras multiplicidades de vivências possíveis aos seres humanos sem se tornarem fanáticas, sectárias ou alienadas.

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmail

Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.