MG – Médica cubana trabalha em restaurante de BH na esperança de voltar a exercer a profissão

A médica cubana Yaime Perez Acuna atendia a população de Crucilândia (MG). — Foto: Yaime Perez Acuna/Arquivo pessoal

Yaime Perez Acuna, de 29 anos, trabalha servindo mesas em um restaurante de Belo Horizonte. Há cinco meses, ela atendia cerca de 20 pessoas por dia em um dos dois postos de saúde de Crucilândia, na Região Central de Minas Gerais. A cubana, especialista em saúde da família e em doenças tropicais, como a dengue, participou do Mais Médicos de março de 2017 até novembro do ano passado, quando o governo de seu país decidiu deixar o programa.

“Foi uma surpresa. Eu fiquei sabendo o que ia acontecer com a minha vida pelos jornais. Não tivemos nenhuma informação por parte do governo de Cuba”, disse a médica.

Yaime era a única médica no posto que trabalhava em Crucilândia, cidade com pouco mais de seis mil habitantes, cujo Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH) é 0,651, pouco menor que o do Iraque, 0,654, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

“Eu atendia as consultas agendadas ou casos de emergência. Paciente com doenças crônicas, crianças, grávidas. Era médica do Programa de Saúde da Família (PSF). Também fazia visitas domiciliares. Era a realidade da saúde no Brasil. Muito a ser feito. Eu vim para ajudar”, contou ela.

Yaime (de jaleco) trabalhou por dois anos em um dos dois postos de saúde de Crucilândia — Foto: Yaime Acuna/Arquivo pessoal

O contrato de Yaime terminaria em março de 2020. Mas o fim antecipado a obrigou a mudar os planos. “A minha filha de cinco anos estava comigo. Tive que mandá-la de volta à Cuba porque ficou com medo da situação de instabilidade. Depois eu também regressei. Mas decidi voltar para o Brasil e tentar normalizar a minha situação por conta própria. Por isso aguardo com ansiedade alguma decisão sobre o Revalida”, contou ela que teve de deixar a menina com sua família na cidade cubana de Puerto Padre.

O último Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras) foi aplicado em 2017. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável por aplicar a prova, disse que não há uma data prevista para a próxima edição do exame

O Ministério da Saúde disse que “estuda uma medida para os profissionais que permaneceram no país”, mas sem detalhar quando e como isso irá acontecer.

Para conseguir se manter no Brasil, Yaime optou por ficar em Belo Horizonte. “Tem mais opções de emprego do que em Crucilândia, né? Eu estou trabalhando como atendente há um mês e meio, na esperança de poder voltar a clinicar”, disse ela.

“A saudade da minha filha é o que mais me dói. Mas, para mim, é um sonho morar no Brasil. Desde pequena, sabe? Por causa das novelas que passavam lá em Cuba. E o trabalho que fiz em Crucilândia foi muito gratificante. Eu estudei por seis anos e me especializei durante outros dois anos. Tenho muita experiência. Sou médica. Quero fazer tudo dentro do que é certo. Quero ajudar”, contou.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *