Língua Portuguesa na Base Nacional Comum Curricular – BNCC

Profº Agnério Souza

Professor Agnério Evangelista de Souza

A meta do trabalho com a Língua Portuguesa, ao longo do Ensino Fundamental de nove anos, é a de que crianças, adolescentes, jovens e adultos aprendam a ler e desenvolvam a escuta, construindo sentidos coerentes para textos orais e escritos, a escrever e a falar, produzindo textos adequados a situações de interação diversas; a apropriar-se de conhecimentos e recursos linguísticos – textuais, discursivos, expressivos e estéticos – que contribuam para o uso adequado da língua oral e da língua escrita na diversidade das situações comunicativas de que participam.

As competências específicas para a Língua Portuguesa são:
1. Reconhecer a língua como meio de construção de identidades de seus usuários e da comunidade a que pertencem.
2. Compreender a língua como fenômeno cultural, histórico, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso.
3. Demonstrar atitude respeitosa diante de variedades linguísticas, rejeitando preconceitos linguísticos.
4. Valorizar a escrita como bem cultural da humanidade.
5. Empregar, nas interações sociais, a variedade e o estilo de linguagem adequado à situação comunicativa, ao interlocutor e ao gênero textual.
6. Analisar argumentos e opiniões manifestados em interações sociais e nos meios de comunicação, posicionando-se criticamente em relação a conteúdos discriminatórios que ferem direitos humanos e ambientais.
7. Reconhecer o texto como lugar de manifestação de valores e ideologias.
8. Selecionar textos e livros para leitura integral, de acordo com objetivos e interesses pessoais (estudo, formação pessoal, entretenimento, pesquisa, trabalho, etc.)
9. Ler textos que circulam no contexto escolar e no meio social com compreensão, autonomia, fluência e criticidade.
10. Valorizar a literatura e outras manifestações culturais como formas de compreensão do mundo e de si mesmo.

Comentário – A Língua Portuguesa é falada no Brasil de acordo o lugar onde se vive. Temos diversos falares pelo Brasil a fora. Isto deve ser respeitado e nunca criticado. Admite-se relaxamento no falar oral, mas nunca na escrita. A sociedade brasileira exige que se use o português padrão. Os professores não precisam se preocupar em cumprir as competências numa única unidade, elas acontecerão, normalmente, no decorrer da educação básica.

No desenvolvimento com a Língua Portuguesa, que é do ramo da Linguagem, há alguns eixos importantíssimos a serem trabalhados. São eles: a) Eixo Oralidade – inclui conhecimentos sobre as diferenças entre língua oral e língua escrita e os usos adequados da oralidade em interações formais e convencionais. b) Eixo Leitura – compreende a aprendizagem da decodificação de palavras e textos, o desenvolvimento de habilidades de compreensão e interpretação de textos verbais e multimodais e, ainda, a identificação de gêneros textuais, que esclarecem a contextualização dos textos na situação comunicativa, o que é essencial para compreendê-los e interpretá-los, além do enriquecimento do vocabulário. c) Eixo Escrita -A escrita compreende a aprendizagem da codificação de palavras e textos, o desenvolvimento de habilidades para produzir textos com coerência, coesão e adequado nível de informatividade. d) Eixo Conhecimentos linguísticos e gramaticais – compreende o processo de alfabetização no 1º e 2º Anos do Ensino Fundamental e se amplia ao longo de todo o Ensino Fundamental pelas práticas de análise linguística e gramatical relacionadas com a oralidade, leitura e escrita. A aprendizagem do sistema alfabético de escrita é importante porta de acesso ao mundo letrado. A reflexão sobre as estruturas linguísticas e as regras de concordância e de regência verbal e a apropriação de recursos semânticos, sintáticos e morfológicos são fundamentais para a expansão da capacidade de produzir e de interpretar textos. Insere-se nesse eixo a aprendizagem das normas ortográficas e da pontuação, contextualizadas no desenvolvimento da leitura e da escrita.

Comentário– tudo isso o professor já faz na sala de aula, porém com a BNCC, a responsabilidade de se trabalhar melhor é grande. De qualquer forma, o aluno para produzir textos usando a língua padrão, precisa de conhecimentos gramaticais básicos: conhecimento das classes de palavra, regras de concordância nominal e verbal, ortografia, pontuação, emprego de conetivos, análise sintática, coerência e coesão no uso de orações coordenadas e subordinadas. É base, tanto para falar como para escrever.

Portanto, o texto é o centro das práticas de linguagem, segundo a BNCC. Textos não são apenas verbais, há textos visuais, gestuais e sonoros, que se denomina multimodalidade de linguagem. Assim a BNCC, para a Língua Portuguesa considerao texto em suas muitas modalidades: na imprensa, na TV, nos meios digitais, na publicidade, em livros didáticos, científicos e técnicos.

Eixo Educação Literária– esse eixo tem estreita ligação com o eixo Leitura, mas se diferencia deste por seus objetivos: se, no eixo Leitura, predominam o desenvolvimento e a aprendizagem de habilidades de compreensão e interpretação de textos, na Educação literária predomina a formação para conhecer e apreciar textos literários orais e escritos de autores de língua portuguesa. Não se trata diretamente de ensinar literatura, mas promover o contato com a literatura para formação do leitor literário, cuja finalidade é decididamente artística.

Comentário– No Ensino Fundamental, os professores já desenvolvem trabalhos artísticos como a Literatura de Cordel. Fazem acompanhamento de literatura infanto-juvenil existente no Brasil, como, por exemplo, leitura de obras de Monteiro Lobato e tantos outros no mercado. A literatura, propriamente dita, é desenvolvida no Ensino Médio. No entanto, crianças alfabetizadas podem desenvolver poemas de forma brilhante e excepcional, porque se trata de arte. A implantação e implementação da BNCC está no começo. Estamos lutando (Conselho, Secretaria e Escolas) para receber capacitação pelo Estado de como fazer a Base funcionar em nossos currículos. No entanto, as editoras de livros didáticos já deram o ponta pé inicial e estão adiantadas em relação ao Estado. De qualquer forma, a melhoria da educação acontecerá na sala de aula entre o professor e o aluno. É lá que a BNCC acontecerá. Os professores precisarão de capacitação contínua e de ter a determinação do aluno em aprender.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *