Flores - Copia

Cordel da Retrospectiva por Leandro Flores

Dois mil e quinze
Foi um ano de calamidade
Muita tragédia acontecida
Para ficar na posteridade
Teve também notícia boa
Mas foi mais barbaridade

O país se dividiu
Na eleição que aconteceu
Nessa guerra de poder
O PT foi quem perdeu
Um discurso na tevê
E um panelaço aconteceu

A Dilma assumiu
E a “Lava-jato” estourou
Muita gente indiciada
Petrobrás saqueada
Graça Foster retirada
Do poder que ocupou

Na Indonésia um brasileiro
Traficante é fuzilado
A Dilma pede até clemência
E mesmo assim é executado
O país não quer saber
De traficante naquele lado

Na parada gay
Um travesti se crucifica
A Majú vira vítima
De um infame racista
O imbecil que a descrimina
Tinha a mesma melanina

Outro fato inusitado
Aconteceu no Panamá
Após 50 anos sem se falar
A ilha de Fidel
E os Estados Unidos
Resolveram se acertar

Já no outro lado do mundo
Surge um grupo radical
São terroristas muçulmanos
Que desafia o povo ocidental
Até Charlie Hebdo
Nessa história se dá mal

E fica muito pior
Quando o mundo é ameaçado
Terrorismo na Tv
Tudo filmado e registrado
A França passa a sofrer
Uma série de atentado

E quem não se solidarizou
Com a história do menino sírio
Que na praia se afogou?
Virou o símbolo de uma luta
De um povo perseguido
Pelo grupo do terror

No Brasil, o terrorismo
É de ganância e exploração
A natureza destruída
Pela indústria da mineração
Matando homens e animais
Numa completa destruição

Quase nada é recuperado
Tudo continua como está
O rio doce já está morto
E a lama agora mata o mar
Ninguém foi responsabilizado
E pelo visto não será

Por causa de água parada
E por ser um país tropical
O famoso Aedes Aegypti
Vem fazendo muito mal
Zika, microcefalia, chikungunya
Uma tragédia nacional

É um caso de mutirão
Se todo mundo se unisse
Dava para traçar solução
Porém, o povo não se organiza
Prefere falar de whatsapp
Futebol, novela e traição

Em Brasília, na política
O caos está aramado
A presidente enfraquecida
Um governo desenfreado
Já pediram o seu impeachment
Lá na Câmara dos Deputados

Há crise por todo canto
A televisão só fala disso
Crise econômica, crise política
O Brasil está perdido
Violência, corrupção
Tempo difícil e malferido

Esse ano foi de muita despedida
Gente boa que partiu
E nunca será esquecida
Marília Pêra, Cristiano Araújo
Betty Lago, Zé Rico, Abujamra…
Essa lista é comprida

Que o ano que se aproxima
Tenhamos bem mais sorte
Dois mil e quinze foi de lascar
Tiveram muita morte
Que a paz esteja com todos
E Jesus nos dê suporte

Vou ficando por aqui
Desejando boas festas
Ano novo, vida nova
É o que realmente interessa
Saúde e dinheiro no bolso
O resto é só conversa.

Flores

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

3 comentários sobre “Cordel da Retrospectiva por Leandro Flores

  1. Venho desejar um feliz 2016 a todos que me acompanham e partilham do mesmo sonho, a todos os poetas, artistas, amigos e até os inimigos, caso houvesse… Muita paz, saúde, sorte, sucesso, poesia, realização… Sem rimas, com rimas, sem versos, conversos, sem palavras, mil palavras, sem gestos ou com toda ação, não importa, o amor é sempre a solução…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *