Condeúba: Reencontro da família Silveira com um almoço de confraternização

Por Oclides da Silveira

natal 1

Esq. Natalino, Odílio, Oclides, Almecino, Ita e Olinto – Há 9 anos que os irmãos Silveira não se encontravam todos ao mesmo tempo.

Nesta terça-feira dia 14 de novembro de 2017, ficou marcada pela alegria e satisfação entre a família Silveira, pois, há 9 anos que os cinco irmãos não se juntavam ao mesmo tempo. Olinto, Odílio e Oclides moram em Condeúba, mas Ita e (Almecino que é irmão de criação), moram em São Paulo e há 9 anos eles não vinham aqui. Porém, nesta manhã de terça-feira dia 14/11, eles chegaram aqui para passar uns dias juntos com os outros irmãos.

Como manda a tradição, o primeiro encontro foi na casa do irmão mais velho Olinto, que culminou com um belo e delicioso almoço feito caprichosamente pela sua esposa a cunhada Cacilda que juntamente com minha esposa Carol, ajudou a servir.

Os papos, bem, que se espera de 5 irmãos todos com idades acima dos 60, que se encontram depois de 9 anos? Bem, recordar o passado, lembrando por onde moraram, indagar dos familiares, parentes e amigos da era em que viveram juntos e assim por diante.

Pois bem, nós membros da família Silveira aqui do município de Condeúba, nos sentimos muito honrados e felizes com a visita dos “paulistas” Ita, Almecino que trouxe seu filho Natalino,  e pela primeira vez vem visitar a Santa Terrinha. Bem vindos a esta terra árida, que mormente se encontra molhada, graças a dádiva divina do bom Deus que nos mandou chuva.

Fotos JFC 

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

2 comentários sobre “Condeúba: Reencontro da família Silveira com um almoço de confraternização

  1. Parabéns, Deus os abençoe sempre. Eu gostaria de reunir os meus, mas muito difícil. Éramos oito: Agnério (71) o mais velho, reside em Condeúba, João e Ailtom também; Creuza em Salvador, Elísia (falecida), Célia, Amiltom e Bete (51)a mais nova moram em São Paulo. De qualquer forma, a família é a base da sociedade, abençoada por Deus e que existirá até os fins dos tempos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *