Condeúba: A riqueza do Artesanato de Malhada de Areia e Distrito do Alegre

Por Oclides da SilveiraAniversário-CidadeCondeúba completará 156 anos de emancipação política no próximo dia 14 de maio, oportunidade em que estará divulgando seu riquíssimo artesanato, através da Secretaria Municipal de Cultura, Desporto e Lazer que será montada uma estrutura adequada para dar suporte aos artesãos de expor e vender seus produtos, na noite do dia 11/5 na Praça Santo Antônio.

Nilson José Ribeiro e Prof. Derimar
Nilson José Ribeiro e Prof. Derimar

Nilson José Ribeiro é o atual Presidente da Associação dos Ceramistas de Malhada de Areia. O legado cultural deixado pelos índios possivelmente da tribo botocudos que habitavam a região há mais de um século e meio e que foi passado de geração em geração, transformou-se na principal atividade econômica da comunidade.Ma XIIAs peças de cerâmica são produzidas manualmente principalmente por mulheres que dominam com imensa habilidade a técnica tradicional de rolete, produzindo objetos de qualidade indiscutível.

Atualmente a comunidade já dispõe de uma unidade de artesanato de cerâmica onde se valoriza o trabalho em grupo e a disseminação dos saberes de cada indivíduo. MariaLá são fabricados manualmente tudo em barro: travessa, pote, moringas dos modelos redondas com alças, bancada e corpo de princesa, bola decorativa, vaso decorativo, panela, tacho, buião, fruteira, gamelas para biscoito e para lavar roupas, caçarola com e sem alça, caburé (pequena panela), cuscuzeiro, bule, candeia, filtro, tulipas e uma infinidade de outros produtos.

No Distrito do AlegreAr II

Ar VI

Temos Manoel Neres de Sousa que trabalha com entalhe em madeiras, faz também miniaturas de engenho, alambique, casa de farinha, rodão, carro com os bois, touro, cavalo, terço católico, bacia, porta chaves personalizados, tear, burro arreado com cangalha, ferramentas para trabalhar na roça como, enxada, foice, enxadão, machado entre tantos outros produtos.

Maria Rodrigues de Novaes faz reciclagem com garrafas de plásticos, crochê entre outros, segundo Maria o artesanato além de dar um bom lucro, também proporciona qualidade de vida para os artesãos.Artesanato IIIVitalina Reis é uma artesã que tem enorme capacidade para promover a atividade como maneira de estimular emprego e renda com pessoas que estão buscando o artesanato como forma de sentirem úteis e terem uma renda extra.

Audite Rodrigues de Novaes é uma artesã de mão cheia. Trabalhou muitos anos em São Paulo e resolveu retornar para o Alegre onde está reaprendendo a fazer muitas atividades que aprendeu com os mais velhos, a exemplo de renda e bordados a mão. É uma das poucas artesãs da região que trabalha com PATCHWORK. Uma inovação de Audite é o trabalho com folhas e raízes de plantas transformadas em belos e criativos arranjos ornamentais.

A Sra. Diva da Silva Cruz chegou a ser escolhida como tesoureira do grupo de artesãs, tendo em vista a necessidade de um fundo comum para eventuais necessidades. No grupo ela está desenvolvendo habilidades que adquiriu com a mãe, Dona Felina, esposa do Sr. Menote e que estavam adormecidas quando os filhos eram pequenos. Nesse momento, Dona Diva está produzindo toalhas com ponto de cruz e macramê para presentear filhos e netos. Ela é uma das mulheres mais ativas na Associação dos Pequenos Produtores do Alegre.

Otacília Neres coordena o trabalho de mulheres artesãs do Alegre, Barra do Rio e Vereda Grande na produção de tapetes a partir do fio de algodão, ou seja, um trabalho artesanal que está desaparecendo. Estão recuperando rodas de fiar o algodão e outros equipamentos necessários para essa arte.JoandinaJoandina Maria de Carvalho ressalta que o estímulo ao retorno de crochê, macramê, ponto cruz com avesso perfeito, tecelagem, renda e outras atividades, no Distrito do Alegre e região se devem à oficina que aconteceu em janeiro de 2016 com Ana Fiuza, artesã membro da casa do artesão em Guanambi.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Um comentário sobre “Condeúba: A riqueza do Artesanato de Malhada de Areia e Distrito do Alegre

  1. Precisamos valorizar nossos artistas. Onde está Filinto, Florindo Jr., Zé Maria na pintura? Eles precisam aparecer e mostrar seus talentos. Temos uma diversidade cultural grande. Que beleza de produção desses artesãos do Alegre! Onde estão os poetas? E a nossa Literatura de Cordel? Já falei para Cleide Ferreira, vamos explorar a literatura desses alunos sábios e inteligentes da Escola Tranquilino Torres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *