Arquivos da categoria: Cultura

A Coluna Prestes na memória de idosos em Condeúba

Por Oclies da Silveira

Esq. Professores Rubens, Joandina e o vereador Arlindo da Silva Cruz

Essas rodas de conversas que foram apresentadas e coordenadas pela professora Joandina Maria de Carvalho, que teve início no dia 24 e término 26 deste mês de abril, já faz parte de uma série de eventos que a Secretaria Municipal de Cultura, Desporto e Lazer apresentará em face ao aniversário de Condeúba, que será no dia 14 de maio completará 157 anos de emancipação política.

Desde que em abril de 1926, houve uma grande movimentação em Condeúba, por conta de pessoas desconhecidas que modificaram a rotina no município, convencionou-se a chamar aquele momento de época dos revoltosos. Durante muito tempo era comum a pergunta: foi antes ou depois da revolta?

A professora Joandina Maria de Carvalho cresceu ouvindo a sua vó, dona Laurinda, contando histórias a respeito desses. A avó centenária, que nasceu cresceu e ainda vive no distrito de Alegre, há cerca de 55 km da cidade é uma testemunha dessa história do ponto de vista de quem vivenciou os fatos na zona rural. A movimentação foi por toda parte. É que membros da Coluna Prestes, integrantes da polícia baiana e jagunços a serviço de coronéis da Chapada Diamantina, para a população era um grupo só.

Quando na faculdade, no curso de licenciatura em História e posteriormente no curso de especialização em História do Brasil, a professora desenvolveu pesquisas sobre Condeúba. Então, foi possível fazer uma reconstituição da cidade e de parte do extenso município no período chamado de Primeira República. Merece destaque o ano de 1926 e o mês abril, que está se tornando o mês da Coluna Prestes.

Durante essa semana, a professora Joandina, que contou com o apoio Secretaria Municipal de Cultura e de Educação realizou rodas de conversa sobre a Coluna Prestes com alunos de escolas municipais e com três turmas do colégio estadual. Participaram ainda os professores Rubens e Douglas e as professoras Andreia e Ângela. Foi um momento rico e prazeroso.

Salão Coluna Prestes – Por Indicação da Secretaria de Cultura, Desporto e Lazer foi criado a Lei nº 975 de 24 de novembro de 2017 de autoria do vereador Arlindo da Silva Cruz, dando o nome de “Salão Coluna Prestes”, a parte superior do antigo prédio da Intendência. Continue lendo A Coluna Prestes na memória de idosos em Condeúba

10ª Edição do Ciclo de Debates sobre Políticas Culturais acontece no MAB

Por: Glenda DantasO evento tem entrada franca e discute “Democracia, cultura e comunicação”

O Museu de Arte da Bahia (MAB) sedia na próxima semana o X Ciclo de Debates sobre Políticas Culturais, que nessa edição discute “Democracia, cultura e comunicação”. De acordo a organização, a proposta é debater os papéis da comunicação e da cultura, a partir do “atual estado de exceção vigente no Brasil”.Os debates vão acontecer nos dias 24, 25 e 26 de abril, sempre das 18h às 21h. O evento tem três eixos temáticos, com objetivos de analisar o papel desempenhado pela comunicação na construção do golpe de 2016 e na luta em defesa da democracia; examinar a função da cultura na construção de uma sociedade autoritária e desigual e na luta pela democracia; e refletir as relações entre as políticas de comunicação e de cultura e suas relações com a luta pela democracia e diversidade cultural no Brasil.

O Ciclo de Debates, coordenado pelo professor Albino Rubim, é uma realização do Coletivo Políticas Culturais, Observatório de Políticas e Gestão da Cultura, Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT), Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura), Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos (IHAC/UFBA). O evento tem parceria com o Museu de Arte da Bahia, Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia. Continue lendo 10ª Edição do Ciclo de Debates sobre Políticas Culturais acontece no MAB

Manifestação: Grupo protesta contra derrubada de árvores para obras do BRT em Salvador

Um grupo de pessoas se reuniu na manhã deste domingo (22), na Avenida Juracy Magalhães Júnior, em Salvador, para protestar contra a derrubada de árvores para as obras de implantação do BRT, que começaram no dia 29 de março.

Com as mãos dadas, os manifestantes fizeram uma roda e depois caminharam por uma parte da avenida com cartazes escritos “Retrocesso disfarçado de progresso” e “BRT. O projeto mais concredo de Neto” [fazendo referência ao prefeito da capital].

O plantio das duas mil novas árvores entre a Estação da Lapa e a Ligação Iguatemi-Paralela (LIP), começaram na terça-feira (17). Segundo a prefeitura, a plantação é como forma de compensar a supressão de 154 vegetais para a implantação do BRT.

A Secretaria de Cidade Sustentável e Inovação (Secis), informou que no primeiro momento, serão plantadas 300 novas árvores nativas da Mata Atlântica, com aproximadamente dois 2,5 metros de altura, no final da Via Expressa, antes do túnel, em uma área verde localizada no acesso à Soledade.

As outras 1.700 serão colocadas no entorno dos corredores segregados do novo modal de transporte, a exemplo da Avenida ACM, e também no Parque da Cidade.

Em sua primeira etapa, o BRT vai ligar o Parque da Cidade até a região do Shopping da Bahia. É um ônibus articulado, com ar-condicionado, que vai circular em via segregada e com paradas programadas em estações de embarque e desembarque.

Geraldo Vandré lança livro com poemas na Paraíba nesta sexta-feira

Michele Marques

Geraldo Vandré – Autor da música “Para não dizer que não felei das flores”

Após fazer dois shows históricos na Paraíba, o cantor e compositor Geraldo Vandré lança agora em sua terra natal o livro “Poética”, de sua autoria. A obra, originalmente intitulada de “Cantos Intermediários de Benvirá”, teve sua primeira edição lançada no Chile em 1973, ainda durante o período do exílio do artista naquele país. Já “Poética”, a primeira edição brasileira da obra, será lançada nesta sexta-feira (20), às 19h, na Academia Paraibana de Letras, localizada na Rua Duque de Caxias, centro da capital.

O secretário de Estado da Cultura, Lau Siqueira, lembra que “as pessoas que não puderam assistir o recital dos dias 22 e 23 de março, agora poderão ter esse encontro com o poeta e ainda levar para casa uma obra de rara beleza”. O livro será vendido no valor de R$ 30,00 e quem não puder comparecer ao lançamento poderá ainda adquirir um exemplar da obra na própria APL, que funcionará como um ponto de venda aqui no estado.

A reedição de “Poética” é assinada pela A União Superintendência de Imprensa e Editora, do Governo do Estado da Paraíba, e, assim como a edição original, é composta por poemas escritos pelo “Mito da MPB”, Geraldo Vandré.

Recital “Música e Poesia da Capitania de Wanmar” – Nos dias 23 e 24 de março, Geraldo Vandré quebrou 50 anos de silêncio artístico ao se apresentar num recital histórico na Paraíba. A convite do Governo do Estado, e ao lado da pianista Beatriz Malnic, do violonista Alquimides Daera, da Orquestra Sinfônica e do Coro Sinfônico da PB, Vandré subiu no palco e cantou pérolas de sua carreira, como o hino da resistência ao militarismo “Para não dizer que falei de flores / Caminhando”, sendo ovacionado pelo público.

Foi, principalmente, por meio desta canção que Vandré se tornou o artista mais requisitado do Brasil e também alvo dos militares, que condicionaram sua volta ao país de origem ao preço de não mais cantar músicas de protesto. Como resposta, Vandré deu o seu mais absoluto silêncio artístico durante de cinco décadas e passou a ser conhecido como o “Mito da MPB

Condeúba: Projeto Biblioteca Viva continua levando leitura às pessoas impossibilitadas de ir até a Biblioteca

Por Gracia Torres e Deise Alves

As professoras Deise e Grácia ladeadas à Srá Zulmira Duarte 87 anos

O trabalho com a leitura através do Projeto Biblioteca Viva tem como finalidade a formação de leitores idosos conscientes de seus direitos e deveres, pois a possibilidade que a leitura trás e a compreensão de diversos textos trará o empoderamento em sua vida em diversas situações que venham ocorrer.

O projeto Biblioteca Viva leva o idoso a compreender o processo do envelhecimento humano, promove a saúde, o bem-estar.

Sempre que ouvimos a frase “incentive a leitura”, pensamos logo nas crianças, não é? Mas nos esquecemos de que há outros grupos na sociedade que se beneficiariam muito com o hábito de leitura, especialmente os idosos. Um livro pode ser um grande companheiro e beneficiar a saúde física e emocional de quem chegou na terceita idade.

Vários estudos apontam que para minimizar os efeitos negativos do envelhecimento, especialmente nos casos em que o idoso encontra-se deprimido, o estimulo é o melhor caminho, nesse sentido vale tudo: ver filmes, visitar exposições, dançar, cantar e, claro ler.

A leitura manterá a mente em atividade, recebendo estímulos constante e até mesmo assimilando novos conhecimentos, contribuindo, além de tudo, para evitar retardar o aparecimento de doenças neurológicas degenerativas, como o Alzheimer, por exemplo.
Pensando nisso a Secretaria Municipal de Cultura, Desporto e Lazer representada pelo seu Diretor Ygor Roberto, que comanda também a Biblioteca Municipal e as colaboradora Marittza Danielle Ribeiro e as Professoras Deise Alves Moreira e Grácia Maria Ribeiro Tôrres, estão engajados nesse grandioso trabalho de levar a leitura até a residência desse público, pois o bem que isso trará será maravilhoso para os idosos e contribuirá para que essa seja, de fato, a melhor Idade!

No decorrer da caminhada já foram disponibilizados e emprestados vários livros como:
A Viuvinha, Lucíola, Senhora de José de Alencar, 101 formas de falar com Deus, Quem mecheu no meu queijo e muitos outros. Continue lendo Condeúba: Projeto Biblioteca Viva continua levando leitura às pessoas impossibilitadas de ir até a Biblioteca

Condeúba: O Escritor condeubense Jovino Coutinho lançará no próximo dia 14 seu livro “Professor”

Por Jovino Coutinho

Estou contando com sua divulgação, e estar esclarecendo o valor da arrecadado com a venda dos livros, que não será destinado ao autor e sim a um projeto social e cultural, há crianças que tem talentos e não tem oportunidade, e as pessoas que estiverem dispostas a participar do projeto é só procurar Ângela Cruz, Laurita e o professor Santana , lembrando que para este livro está sendo lançado agora dou graças a Deus e ao amigo Lindauro Silveira que patrocinou a impressão do mesmo.

Estou contando com a presença de todos no coquetel de lançamento do livro, principalmente os professores, os quais são homenageados neste livro. Cada um que adquirir um exemplar, estará contribuindo também com esse projeto social e cultural, não posso aqui esquecer do Padre José Silva que está colaborando muito, oxalá que o nosso projeto estará fazendo em breve uma parceria com a Paróquia.

Estou ansioso e orgulhoso de estar participando com pessoas importantes  nesse projeto dando o melhor de si, sei que não está parando um minuto para que tudo saia na perfeita ordem, são essas pessoas admiráveis, Ângela Cruz, Laurita, professor Santana e o Sr. Oclides da Silveira, que está sempre divulgando o nosso trabalho, através da Folha de Condeúba, desde já o meu muito obrigado a todos.

São Paulo/Piripá: A Piripaense Sussu Carvalho lança livro na capital Paulista

Por Oclides da Silveira

A piripaense Sueli Carvalho conhecida por “Sussu Carvalho” lançou um livro no último domingo 8 de abril de 2018 na Capital Paulista. cujo título do livro é “O quarentão sem juízo”, o livro tem muita expectativa pois existe possibilidade real de virar uma minissérie do canal de Televisão Globo. No lançamento teve muitos cumprimentos dos conterrâneos que habitam a antiga terra da garoa, a sempre muito amada  São Paulo.

Sussu Carvalho que há 19 anos migrou para São Paulo descobriu sua paixão pela culinária há aproximadamente 15 anos quando trabalhou em um restaurante, tomou gosto e vem aparecendo no cenário nacional com suas receitas.

Sussu que é filha do conhecido Geraldo Molim exerce algumas profissões, dentre elas: Cozinheira, caligrafia, dubladora, locutora de mensagens de amor e escritora a qual já lançou três livros e o terceiro sobre o título “O quarentão sem juízo” que foi lançado neste último domingo 8/4. Continue lendo São Paulo/Piripá: A Piripaense Sussu Carvalho lança livro na capital Paulista

Dos melindres caatingueiros

Por Nando da Costa Lima

A pessoa que tem dó de si fica ridícula, insuportável! É impossível atravessar uma existência sem magoar alguém. Foi daí que surgiu o bendito perdão… Talvez seja a palavra padrão para o nosso desenvolvimento espiritual. O perdão é a bandeira branca falada!

No início do século XX, a caatinga era regida pelos coronéis e a jagunçada. Quando ficava marrom, era difícil permanecer e sobreviver. E se a fome apertasse, se comia até jegue, que é um bicho abençoado para o nordestino. Os outros problemas eram esquecidos quando a fome imperava! Até os “cantadô” arribavam, eles são como os passarinhos. Não aguentam tempo ruim. Se ficar, morre de papo -seco ou fica igual frango com mal triste. Tocar moda de viola com o bucho roncando deve ser muito ruim! Teve uma vez que um cego cantador resolveu ficar pra “ver”. Quando a coisa apertou, ele bebeu tanta pinga que tocou doze boleros apaixonados e quatro valsas pra caixa de peixe seco na venda de Seu Benício Beijador. Ninguém entendeu nada! As horas ficavam mais longas e o desespero coletivo levava povoados inteiros a vagar pela caatinga rumo à capital. Era nesse cenário de fome que apareciam os homens santos! Eles arrastavam multidões de miseráveis e sugavam o resto do pouco que tinham… E pra enganar o estômago durante o grande calvário, os retirantes, milagreiros, coronéis e jagunços criavam um mundo mágico. Histórias belíssimas como a do lobisomem, que é uma lenda europeia e que se adaptou à caatinga como se fosse sua casa. Eles ficaram fascinados com as casas de farinha e alambiques artesanais. O lobisomem brasileiro conversa mesmo estando “virado” e tem as mãos iguais às nossas. Os pés são diferentes! Segundo os antigos, todo lobisomem, independente da região, é maconheiro. Eles só andam com os olhos vermelhos e sempre estão com muita fome. Já o Bicho de Pedra Azul só bebe cachaça de “cabiceira”, uísque com mais de vinte anos, absinto suíço e a legítima Jurubeba Leão do Norte. Se o butequeiro cair na besteira de servir bebida falsificada, tá fudido! E o Bicho é outro departamento, não tem nada a ver com lobisomem, nem gosta de ser comparado. O Bicho de Pedra Azul é 100% brasileiro! A única lenda que não foi importada e traduzida. Pra completar com chave de ouro, o Bicho é nacionalista! De fora, só Scotch, absinto e Fernando Pessoa quando escrito em português. No quesito mulher, ele é eclético: toda mulher é bonita, até as feias! Continue lendo Dos melindres caatingueiros

FIM DA LINHA PRA VOCÊ, EX-PRESIDENTE “LADRÃO”

Fim da linha pra você, ex – presidente ladrão
mesmo sem provas
bato panelas
em prol da sua condenação
isso é pra você aprender
que o pobre não tem direito a mais que uma refeição

Fim da linha pra você, metalúrgico boçal
isso é pra você aprender
a nunca mais fazer assistência social
com meu dinheiro
e nem se atrever a transformar em engenheira
a filha do pedreiro

Fim da linha pra você ex presidente aleijado
não é pelo triplex
que você está sendo condenado
é pela sua ousadia
em ajudar o garçom
a virar advogado
em contribuir
pra ascensão do negro favelado
que agora acredita
que pode estudar medicina
sair da miséria
e até conhecer a Capela Sistina

Fim da linha pra você, ex presidente bandido
isso é pra você aprender
que o nordeste deve voltar a ser esquecido
e que saúde e educação
é pra quem pode
e não pra quem quer

Fim da linha pra você, semi analfabeto atrevido
graças a sua insensatez
o filho da faxineira
chamou o meu filho de amigo
você está sendo condenado
pela sua falta de noção
de achar que é pobre é gente
que agora pode usar aparelho nos dentes
ter casa própria e andar de avião

Fim da linha pra você, ex presidente imundo
isso é pra você parar com essa palhaçada
de estimular a minha cozinheira
a querer ter carteira assinada
era só o que me faltava
o proletariado sonhar com qualidade de vida
você devia saber
que essa gente nasceu pra me servir
e não pra servida
mas você é tão inconsequente
não enxerga um palmo diante do nariz
que fez a babá do meu caçula
sonhar que pode estudar pra ser atriz
e fazer aula de inglês
essa pouca vergonha
é resultado
da sua insensatez
da sua irresponsabilidade desmedida
aprenda de uma vez
barriga vazia
e bala perdida
fazem parte do cotidiano
dessa gente bronzeada
foi querer mudar o mundo
se meteu numa enrascada

Fim da linha pra você, ex presidente imbecil
você está sendo condenado
não por ter roubado
porque isso não foi provado
seu erro
foi fazer história
ser do tamanho do Brasil
ter oitenta por cento de aprovação popular
acreditar em igualdade
e saber governar.

FIM DA LINHA PRA VOCÊ, EX-PRESIDENTE LADRÃO,

Por: Herton Gustavo Gratto