Arquivos diários: 18 de maio de 2017

Irmã do senador Aécio Neves é presa em Belo Horizonte

 

andrea-neves-62Foto: Jonathan Campos

A irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andréa Neves, foi presa na manhã desta quinta-feira (18) no município de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Ela estava em sua casa, que fica em um condomínio fechado.

A informação preliminar, quando o mandado de prisão preventiva foi divulgado, era de que ela estava em Londres e que já havia sido acionada a Interpol.

Fachin afasta Aécio do mandato e determina que STF avalie prisão

ex-senador-aecio-neves-21Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), mandou afastar o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), do mandato de senador.

No despacho, conforme apurou a TV Globo, Fachin decidiu submeter ao plenário do Supremo o pedido de prisão de Aécio solicitado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Endereços ligados ao parlamentar tucano também são alvo de mandados de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (18) no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Brasília.

PF cumpre ordem de prisão em Brasília contra procurador da república

angelo-goulart-vilella-reproducao-620x342
A Polícia Federal cumpriu ordem de prisão, em Brasília, contra o procurador da República Ângelo Goulart Villela. Nesses três anos de Lava-Jato, os procuradores já foram acusados de muita coisa por seus adversários— mas jamais alguém havia botado em dúvida a honestidade de um deles.

Com a delação da JBS, isso ficou para trás. Ângelo Goulart Villela foi acusado pelos delatores de ter recebido para repassar informações. Villela, integrante da força-tarefa da Operação Greenfield, está lotado na PGR, o que tornava mais caro seu passe para a organização criminosa.

Os delatores mostraram à PGR, por exemplo, documentos sigilosos repassados por Villela. Em conversas com Joesley, Villela que gabava-se de ter pleno acesso às informações da Greenfield e da Lava-Jato, conforme consta dos depoimentos.

As investigações mostraram que o procurador foi cooptado por uma figura que transita com desenvoltura entre magistrados da Capital Federal. Trata-se do advogado brasiliense Willer Tomaz. Nesta parte foi o diretor jurídico (e delator) da empresa, Francisco Assis e Silva, quem conduziu as tratativas. As informações são do jornal O Globo.

Condeúba: Escola Tranquilino Torres, refletindo sobre o preconceito

TioÉ preciso combater certas desigualdades sociais, consequentemente é imprescindível resgatar os valores morais.
Em pleno século XXI ainda existem pessoas sendo julgadas pela cor, pela opção sexual, pela opção religiosa, enfim, muitos seres humanos observam o outro apenas pelo prazer de discriminá-lo.
Não podemos nos calar diante do preconceito, o mesmo precisa ser encarado como uma ação errada de pessoas ignorantes as quais não sabem respeitar as diferenças.

Luciano Costa Sousa (8°/9° Eja)

Raça, cor de pele, opção sexual, opção religiosa, enfim, será que isso faz com que uma pessoa seja melhor que a outra?
Muitos julgam pela capa, sem saber do conteúdo. É triste a realidade do ser humano o qual sofre com o preconceito. Já sofri e sofro até hoje, tanto racismo quanto preconceito.
Sei que alguns não se aceitam pelo fato de ser negro, não é o meu caso, tenho imenso orgulho em ser negra, gosto da minha boca, meu cabelo enrolado. Muitas vezes, somos discriminados até pelos membros da família.Temos queexigir nosso direito como cidadão, ser humano, mas e aí, o que fazemos dentro de casa?
Podemos e devemos pedir respeito, mas, às vezes, não adianta, porque sempre haverá gestos, indiretas, cobranças e olhares tortos de reprovação, etc.
Casos de violência sãocomuns no cotidiano, seja ela contra os homossexuais, transexual, negro, pobre, analfabetos, consequentemente são inúmeros os tipos de discriminação.
Precisamos buscar formas para combatera discriminação e o preconceito. Enfim, pedimos fim ao racismo e ao preconceito. Só queremos um mundo melhor.

Eleíza dos Santos (8°/9° Eja)

Dono da JBS grava aval de Michel Temer para compra de silêncio de Eduardo Cunha

eduardo-cunha-michel-temer-75Foto: Reprodução/Pragmatismo Político
O presidente Michel Temer teve uma conversa gravada na qual ele incentiva a realização de pagamentos a Eduardo Cunha para comprar o silêncio do ex-parlamentar. De acordo com informações divulgadas pelo jornal O Globo nesta quarta-feira (17), o diálogo foi gravado pelo dono da JBS. Joesly Batista teria entregado uma mala com R$ 500 mil ao deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F, holding que controla a JBS.

Em uma reunião com Temer, o empresário comentou que estava entregando o montante a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro. O pagamento seria uma forma de mesada na prisão para eles ficarem calados. Ao ouvir a informação, Temer incentivou o pagamento: “Tem que manter isso, viu?”. Ainda de acordo com informações do jornal O Globo, Joesley e seu irmão, também dono da JBS, denunciaram o fato em uma delação premiada à Procuradoria-Geral da República.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda precisa homologar o acordo. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) também foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley. A Polícia Federal teria filmado a entrega do dinheiro a um primo do parlamentar e descobriu que eles foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).