Arquivos diários: 10 de setembro de 2016

eduardo-cunha-06

Aliados de Eduardo Cunha preparam recurso para suspender votação da cassação

Integrantes da chamada “tropa de choque” do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) preparam um recurso com efeito suspensivo com o objetivo de tentar evitar que o plenário da Câmara vote na próxima segunda-feira (12) o parecer do Conselho de Ética da Casa que recomenda a cassação do mandato do peemedebista.

Antes de apresentar o recurso, os aliados de Cunha vão apresentar uma questão de ordem ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), solicitando a votação de um projeto de resolução em vez do parecer do Conselho de Ética. A diferença é que com a alteração seria possível aplicar uma pena mais branda do que a cassação ao deputado do PMDB.

Na quinta-feira (8), o presidente da Câmara já antecipou que vai negar essa questão de ordem elaborada pelos aliados de Cunha com base na jurisprudência da Casa de sempre colocar em votação, nos processos de cassação, o parecer do Conselho de Ética.

Desde 2004, em todos os 21 casos nos quais processos de quebra de decoro parlamentar chegaram ao plenário principal da Câmara, os deputados votaram o parecer do Conselho de Ética, e não um projeto de resolução.

osorio

Governo Temer quer abafar a Operação Lava Jato

Após a queda de braço com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, que resultou em sua demissão do comando da Advocacia-Geral da União, Fábio Medina Osório, não economizou palavras e resolveu “pôr a boca no trombone” em entrevista a revista Veja.

Na reportagem, o jurista gaúcho conta que sai do posto porque o governo não quer que as investigações da Operação Lava Jato avancem. Segundo ele, sua queda começou há cerca de três meses, quando solicitou às empreiteiras envolvidas no escândalo do petrolão que ressarcissem o Erário pelo dinheiro desviado da Petrobras. Depois disso, Medina pediu acesso aos inquéritos que citam aliados do governo para mover ações de improbidade administrativa contra eles. E aí o caldo entornou…

A Polícia Federal enviou-lhe uma lista com os nomes de catorze parlamentares e ex-parlamentares suspeitos de atuarem no esquema sendo 8 do PP (Arthur Lira, Benedito Lira, Dudu da Fonte, João Alberto Pizzolatti Junior, José Otávio Germano, Luiz Fernando Faria, Nelson Meurer e Roberto Teixeira), três do PT (Gleisi Hoffmann, Vander Loubet e Cândido Vacarezza) e três do PMDB (Renan Calheiros, presidente do Senado, Valdir Raupp e Aníbal Gomes), de acordo com a publicação.

Com a relação em mãos, Medina pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para conhecer o conteúdo dos inquéritos e isso teria causado um grande “desconforto” na base aliada. A partir daí, ele se viu alvo de ataques e intrigas que saíam do próprio palácio.

O jurista ainda afirmou em entrevista a revista Veja que o governo quer abafar a Lava Jato, pois teme que alguma ação atinja “interesses que talvez não devessem ser atingidos”.

Condeúba: Eleições 2016, Guto situação e Silvan oposição, ambos abrem comitês

Foto: Internet - Guto tem curso superior e Silvan superior incompleto
Foto: Internet – Candidatos Guto-PT e Silvan-PMDB

Por Oclides da Silveira

No dia 3 de setembro de 2016, o candidato situacionista Guto – PT, fez uma carreata e um comício na abertura do seu comitê. Já o oposicionista Silvan – PMDB, fez o seu movimento no dia 9 de setembro, com uma caminhada saindo do Bairro Divino até seu comitê no Centro.

Não temos dúvidas da nossa vitória no próximo dia 2 de outubro, depois deste evento ficamos mais confiantes, mas não podemos tirar o pé do acelerador um só minuto, para que juntos construiremos a vitória, foram palavras de ordem proferidas pelos dois candidatos em seus comícios de abertura nos comitês.

No comício da abertura do comitê de Guto, estiveram presentes e prestigiando o evento o Prefeito de Cordeiros Vavá e o Deputado Federal Waldenor Pereira PT.

Já no comício de abertura do comitê de Silvan estiveram prestigiando o evento os Deputados Federal Lucio Vieira e o Estadual Pedro Tavares ambos do PMDB, além do Ex-Prefeito Odílio.

grupo-pt
Foto internet: Mostra população que participou da abertura dos comitês da situação e oposição

Preocupado, Planalto incorpora discurso de não minimizar manifestações contra Temer

Bandeira branca Preocupado com a possibilidade de consolidação dos protestos contra Michel Temer, o Planalto adotou como norma incorporar o discurso de não mais minimizar as manifestações. O tom é o de que tamanho não é documento. “Independentemente da dimensão, temos de respeitar e avaliar”, afirma Eliseu Padilha (Casa Civil) . Para o ministro, a partir de agora, a administração tem de distinguir a luta política das reivindicações e começar a enfrentar as pautas e não as manifestações.

Nós contra eles O Planalto não quer repetir o próprio erro de ter ironizado o público dos protestos iniciais. Há ainda a lembrança da gestão Dilma Rousseff, que, diante das manifestações de março de 2015, apostou na divisão.

Tudo e todos O diagnóstico agora é uníssono entre generais do Planalto: a comunicação geral do governo está ruim e deve mudar. Um ministro execrou o “fora, ladrão”, slogan criado pelo marketing de apoio a Temer. “Isso não é coisa do governo”, disse.

‌Muito ajuda O ministro Ronaldo Nogueira (Trabalho) não recebeu só um pedido para que esclarecesse a declaração sobre o aumento da jornada diária de trabalho. Tomou foi um “pito” do presidente — algo raro tratando-se de Michel Temer.

Quem não atrapalha O Planalto já se sente desgastado demais lutando em duas frentes: a reforma da Previdência e a PEC do teto de gastos. Na avaliação interna, não havia necessidade de antecipar esse tema impopular.

Segue o jogo Padilha reunirá os ministros do Trabalho e da Indústria, Marcos Pereira, para tratar do assunto.

Esqueceu de mim Sem o ministério prometido e escanteado no debate sobre as reformas da Previdência e trabalhista, Paulinho da Força (SD-SP) pediu conversa com Temer. O presidente prometeu recebê-lo na terça (13).

Olha o troco O deputado nem disfarça o “recado”. Diz que, assim, Temer sofrerá com falta de “governabilidade”.